Com a ação da Disney em investir pesado e decidir filmar o No Fim do Mundo logo após finalizar as filmagens de O Baú da Morte, muitos fãs começaram a esperar algo grandioso para esse novo capítulo. O terceiro filme da franquia pretendia dar um desfecho para a história de todos os personagens conhecidos pelo público. Descobriríamos se Will Turner conseguiria mesmo cumprir a promessa que fez, libertando seu pai do pacto que fez com o capitão do Holandês Voador; se a Companhia das Índias Orientais conseguiria dominar os oceanos e exterminar a raça pirata; além dos destinos que personagens como Davy Jones e Jack Sparrow teriam. Bem, isso tudo somado à grandiosa batalha final e inúmeras participações de personagens novos, como os membros da Irmandade Pirata, a deusa Calypso, o povo de Singapura, entre outros. Definitivamente, Piratas do Caribe: No Fim do Mundo teve uma missão árdua, sem falar que viria aos cinemas seguido dos dois excelentes primeiros filmes. Não tinha como não esperar algo épico e grandioso vindo aí.

No Fim do Mundo

Como o terceiro capítulo foi filmado em conjunto com o segundo, a equipe criativa se manteve. Gore Verbinski continuou na direção, assim como Jerry Bruckheimer na produção e Ted Elliott e Terry Rossio nos roteiros. Com a morte do Capitão Jack Sparrow (Johnny Depp) no filme anterior, pelas “mãos” do terrível Kraken, Will Turner (Orlando Bloom), Elizabeth Swann (Keira Knightley), e o que sobrou da tripulação do Pérola Negra, que afundou junto de seu capitão, decidem ir aos confins da Terra, guiados pela sábia Tia Dalma (Naomie Harris) e pelo Capitão Barbossa (Geoffrey Rush), que foi trazido de volta à vida por Dalma, no intuito de resgatar e trazer do mundo dos mortos o malandro pirata interpretado por Depp. Com uma iminente guerra contra os piratas, iniciada por Lord Cutler Beckett (Tom Hollander) da Companhia das Índias Orientais, a Irmandade deveria se reunir e lutar contra a extinção de sua raça.

— “Por que aquela bruxa não traz o Capitão Jack do mesmo modo que trouxe Barbossa?”
— “Porque Barbossa tinha apenas morrido. Jack Sparrow foi levado de corpo e alma, para um lugar não de morte, mas um lugar de punição.”

Enquanto se aventuram no desconhecido, a tripulação do Pérola Negra, que agora possui apenas de um naviozinho arranjado por Sao Feng, um dos nove Lordes Piratas, e guardião de Singapura, poderá estar entrando em um caminho sem volta. Dispondo de um mapa antigo, totalmente peculiar e confuso, os personagens procuram cumprir seu objetivo.

“Não é chegar ao mundo dos mortos que é o problema, meu jovem. É sair de lá.”

Mas não se enganem. Ninguém ali decidiu buscar o velho Jack do “Baú de Davy Jones” (como é chamado esse mundo dos mortos) por saudades, nem nada do tipo. Todos ali tinham interesses em sua volta, para satisfazer desejos próprios. Um jogo de gato e rato, infestado de traições e ajudas inesperadas estava prestes a começar. Enquanto isso, detendo o coração de Davy Jones (Bill Nighy) em suas mãos, Lord Cutler Beckett se preparava para dominar os mares. Com Jones, um dos piratas mais poderosos, imponentes e temidos dos oceanos, sendo seu subordinado, Beckett possuía grandes chances de alcançar seu objetivo.

Os atores principais estão novamente muito bem em seus respectivos papéis. Johnny Depp entrega mais uma atuação majestosa, mostrando que Jack Sparrow é mesmo o maior e mais importante papel de sua vida; Geoffrey Rush, que volta com tudo e assume o protagonismo em muitas partes, está novamente muito bem e super confortável na pele do terrível Hector Barbossa; Orlando Bloom mantém o nível, assim como Keira Knightley, e entregam atuações decentes, dotadas de um tom mais trágico e dramático; e o incrível Bill Nighymais uma vez está esplêndido como Davy Jones e se entrega completamente ao personagem quando descobrimos mais de sua história.

Com Tom Hollander ganhando mais destaque nesse filme, a narrativa gráfica toma novos rumos. Jones deixa o antagonismo um pouco de lado e é substituído por Beckett. Hollander entrega um bom vilão, daqueles que sentimos ódio apenas por escutar seu nome, porém aquém do destaque que Bill Nighy dá ao capitão do Holandês Voador. Quem ganha bastante tempo de tela também é David Schofield, interpretando um oficial de confiança de Beckett, chamado Ian Mercer; outro que odiamos quando dá às caras (propositalmente). Além de termos inúmeras pequenas participações de novos personagens, como cada um dos Lordes Piratas, e o pai de Jack Sparrow, interpretado por Keith Richards, uma das lendas do rock e integrante dos Rolling Stones.

O épico da franquia

Sem dúvida alguma, No Fim do Mundo é o filme mais épico de Piratas do Caribe. Com seus mais de 300 milhões de dólares em investimento, a equipe de produção teve dinheiro suficiente para transformar o fim da história em algo grandiloquente e cheio de efeitos; o filme até foi indicado a dois Oscars no ano seguinte: Melhor Maquiagem e Melhores Efeitos Visuais. A batalha final, ocorrida, obviamente, no terceiro ato do filme, é algo de fazer o queixo de qual qualquer um cair. Pérola Negra e Holandês Voador se enfrentando no derradeiro confronto entre essas duas potências dos sete mares, no meio de um gigantesco redemoinho d’água, formado pelo poder da deusa Calypso.

“Vamos lutar… Para fugir.”

Por mais que o cenário seja escuro e possua muita chuva, podemos perceber a riqueza de detalhes que a equipe de produção conseguiu colocar nos cenários que compunham os dois navios. Sem falar que, ao longo de todo o filme, temos inúmeras cenas de destruições de embarcações e locações feitas sem a ajuda de CGI, como Singapura e a ilha onde acontece a reunião da Corte da Irmandade Pirata. A trilha sonora está novamente esplêndida, possuindo mais uma vez composições do gênio Hans Zimmer. Faixas como The Brethren CourtCalypsoWhat Shall We Die For e One Day engradecem a história da trama e a tornam ainda mais épica. Em específico, uma música chamada Parlay lembra temas usados em filmes de velho oeste, e entra em cena no momento em que Barbossa, Elizabeth e Jack estão literalmente encarando Beckett, Will e Davy Jones. Incrível, não é?! Sem dúvidas, Piratas do Caribe não seria um terço do que é sem as icônicas trilhas sonoras compostas por Zimmer.

Com um final bem fechado, Piratas do Caribe: No Fim do Mundo cumpre, e muito bem, o dever de dar a todos os personagens seus respectivos finais felizes e leva alguns outros a encontrar seus cruéis destinos. Os mares nunca serão os mesmos após os eventos dessa história. Consensualmente, esse terceiro capítulo é o mais fraco da “trilogia”, mas não tira seu mérito de ser um ótimo filme, com um desfecho digno para todos, pelo menos na minha opinião. Infelizmente a Disney decidiu ir contra seus próprios planos e mexer no que estava quieto, quatro anos depois, lançando um quarto filme para a franquia, que ficou totalmente aquém dos três primeiros.

Piratas do Caribe: No Fim do Mundo (Pirates of the Caribbean: At World’s End) – Estados Unidos, 2007, cor, 168 minutos.
Direção: Gore Verbinski. Roteiro: Ted Elliott e Terry Rossio. Música: Hans Zimmer. Produção: Jerry Bruckheimer. Direção de arte: Rick Heinrichs. Direção de fotografia: Dariusz Wolski. Edição: Craig Wood e Stephen Rivkin. Elenco: Johnny Depp, Orlando Bloom, Keira Knightley, Geoffrey Rush, Bill Nighy, Stellan Skarsgård, Naomie Harris, Tom Hollander, Jack Davenport, Kevin McNally, Jonathan Pryce, Lee Arenberg, Mackenzie Crook, etc.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Excelente crítica, Jipeiro!
    É, essa franquia é parecida com a minha. Até o terceiro filme tava tudo bem…logo inventam de fazer remake com a Lindsay Lohan como Jane Sparrow.
    No final, é quase sempre o primeiro filme a ser mais lembrado. Isso aconteceu com Herbie, acho que acontece com Piratas do Caribe…só não acontece tanto com os filmes de super-heróis Marvel e DC e Star Wars. Mas são casos raros…

  • Excelente texto, meu amigo. Você gosta muito dos três primeiros filmes. Uma pena que ao que parece a franquia decaiu em seguida. Você acha que ainda dá pra explorar algo que a revitalize?

    • Não sou o Jipeiro, mas acho que spin-offs seriam interessantes. Desde que bem feitos.
      Nesse universo, parece que há muita coisa pra explorar.

  • Dave Mustaine

    Ótima crítica again, seu esdrúxulo.

    Apesar de No Fim Do Mundo ser sim o “menos bom” da trilogia, ele é meu favorito kkkkk já vi ele sei lá quantas vezes e sempre dou risada com aquela cena introdutória do Jack, a cara que ele faz ao ver o navio sendo carregado por vários caranguejos é impagável kkkkkkk também gosto demais dessa cena do encontro entre Jack, Barbossa e Elizabeth com Davy Jones, Will Turner e Cutler Beckett, a batalha final é épica, e os desfechos que o filme dá à cada um dos personagens são bastante satisfatórios, uma pena que foram inventar de fazer mais filmes.

    A cena do jarro de terra é nesse ou no segundo?

    • Também foram inventar de fazer mais coisas com o Herbie. A Disney nunca ultrapassava mais de 3 filmes em uma franquia. Eu fui o primeiro de uma franquia a receber um quarto filme…

      • Dave Mustaine

        Herbie pioneiro.

        • Infelizmente, não foi uma boa ideia. Deveriam ter parado no terceiro filme….e quem sabe feito um crossover com Knight Rider (a série original com o Zardu).

  • Estephano

    Muito bom, mano.
    Gosto desse filme. Consegue realmente dar um ar de “épico”, tem as cenas de ação mais longas e “grandes” em escala dos três primeiros (talvez de todos na verdade). Só que acho que o negócio foi tão “grande” que o roteiro perdeu um pouco a mão, subutilizou alguns personagens, colocou personagem demais (muitos sem necessidade alguma) e não definiu totalmente o foco do filme. Mas é um “final” digno e bem divertido, e tem de tudo nele. rs
    A guerra dos lordes piratas contra o Holandês Voador e a marinha, é sensacional. Com destaque para o final com o Beckett em choque andando no navio sendo despedaçado pelas balas de canhão, cena incrível.