Rian Johnson nasceu no estado de Maryland, localizado no nordeste dos Estados Unidos da América. Ainda jovem, ele se mudou para San Clemente, na Califórnia, e foi onde passou grande parte da sua vida acadêmica. Depois de se formar no colégio, estudou cinema e televisão na Escola de Artes Cinematográficas da Universidade do Sul da Califórnia, terminando o longevo curso em 1996. No seu último ano de faculdade, para poder se formar, Johnson dirigiu, escreveu e editou o curta-metragem Evil Demon Golfball from Hell!!!. Em 2001, ele dirigiu e escreveu seu segundo curta, Ben Boyer and the Phenomenology of Automobile Branding. Nos anos seguintes, teve seu primeiro contato com um longa-metragem, escrevendo e dirigindo Brick, seu primeiro filme, estrelado por Joseph Gordon-Levitt; o longa venceu o prêmio do júri de originalidade e visão no Festival de Sundance.

Seu segundo filme, The Brothers Bloom, protagonizado por Mark Ruffalo, estreou em maio de 2009. No ano seguinte, ele dirigiu o episódio Fly da série de televisão Breaking Bad; dois anos depois voltou para a série, dirigindo outro episódio, Fifty-One. Mas seu trabalho de maior destaque na série de Vince Gilligan aconteceu em 2013, quando Johnson dirigiu o aclamado, e considerado por muitos como o melhor episódio da série, Ozymandias. Voltando em 2012, Rian dirigiu e escreveu seu terceiro longa-metragem, Looper, mais um trabalho com o ator Joseph Gordon-Levitt; o longa ainda contava com Bruce WillisEmily Blunt e Paul Dano no elenco.

Em junho de 2014, o diretor foi anunciado na direção e roteiro do segundo filme da nova trilogia de Star Wars, o Episódio VIII. Johnson também escreveria o tratamento para o Episódio IX, que será dirigido por J.J. Abrams. O diretor teve um grupo de histórias trabalhando no longa, profissionais contratados pela própria Lucasfilm, sob comando de Kathleen Kennedy, para auxilia-lo no rumo que a aventura deveria seguir. Anunciado no começo desse ano com o subtítulo Os Últimos Jedi, o Episódio VIII é o primeiro filme da franquia a começar exatamente onde o anterior parou, além de ser também o filme mais longo da saga. Quando as filmagens já haviam se encerrado, a atriz Carrie Fisher, conhecida por interpretar a Princesa/General Leia Organa na franquia faleceu vítima de um ataque cardíaco. Essa crítica é dedicada a ela, assim como o filme foi.

Por Carrie

A Resistência

A sinistra Primeira Ordem arquiteta o seu contra-ataque em direção à Resistência, após sofrer danos severos ao final de O Despertar da Força, tendo sua super-arma, a terrível Base Starkiller, destruída. Sob comandos do General Huggs… ops… General Hux (Domhnall Gleeson), a organização maléfica de remanescentes do Império Galático consegue seu primeiro triunfo: eles destroem por inteiro toda a Base da Resistência em Q’Dar, porém, para a alegria dos mocinhos, todos os membros da rebelião conseguem fugir. Durante a fuga, Poe Dameron (Oscar Isaac) tenta ganhar tempo para o escape de seus companheiros, sob comando da General Leia Organa (Carrie Fisher). Dameron usa todas as suas habilidades em pilotar uma x-wing e começa seu ataque aos destroyers da Primeira Ordem. O personagem de Oscar Isaac começa a demonstrar aqui um ímpeto egoísta, fugindo dos padrões clichês de altruísmo que vimos no filme anterior; por mais que seu individualismo se faça bastante presente na cena, onde ele desobedece uma ordem direta da General Leia e continua atacando as naves da Primeira Ordem, no fundo, suas atitudes são louváveis, mas nem por isso se tornam corretas. Por causa de sua atitude irresponsável, Poe ocasiona inúmeras mortes dos guerreiros da Resistência, e paga caro por isso, sendo rebaixado de cargo, pela própria General. Oscar Isaac mostra aqui porque é um excelente ator, e o primoroso texto de Rian Johnson consegue desenvolver o personagem com maestria, dando ele um novo escopo e uma nova visão para nós, espectadores. Ele não é mais o guerreiro certinho e correto do filme anterior; sendo, talvez, um dos maiores destaques do filme.

A General Leia de Carrie Fisher também é um dos grandes destaques do longa. Temos na película a primeira mostra de utilização direta da Força pela personagem, em uma cena lindíssima, de arrancar lágrimas, gritos e suspiros. Nos filmes anteriores, a Leia utilizava seus poderes apenas para comunicação, mas aqui não, ela mostra que realmente é um dos seres mais poderosos do universo, não por acaso tendo o sangue Skywalker correndo por suas veias. O Finn de John Boyega, novamente, se destaca em muitos momentos, entregando-nos algumas cenas bem engraçadas, agora na companhia da adorável Rose (Kelly Marie Tran). Marie é, sem dúvida, uma das grandes surpresas do filme, e tem uma ligação direta com uma das personagens que falece no início do longa, durante a batalha contra a Primeira Ordem.

Após o ataque, a última nave da Resistência parte na velocidade de luz, decidindo não arriscarem mais soldados, com medo de mais perdas desnecessárias. Porém, para a surpresa dos mocinhos, a Primeira Ordem consegue novamente localizá-los, usando, inicialmente e inexplicavelmente, um rastreio na mesma velocidade que a nave viajava. Agora, os heróis se encontram praticamente sem combustível, e precisam de um milagre para escaparem ilesos da fúria da organização dos remanescentes do Império Galático. Em um ato desesperado, Poe autoriza a partida de Finn e Rose da nave, para que eles consigam encontrar um Decodificador no planeta de Canto Bight; os mocinhos são auxiliados nesse plano por Maz Kanata (Lupita Nyong’o). Agora, ambos os personagens terão que correr contra o tempo, encontrar esse tal de Decodificador, e ir em direção à temorosa Force Friday, a nave do Supremo Líder Snoke (Andy Serkis), para que eles possam impedir que a Primeira Ordem continue rastreando a Resistência.

As sequências em Canto Bight são, talvez, os pontos mais baixos do filme, mas mesmo assim têm lá seus momentos de diversão e drama bem explorados. No peculiar planeta, repleto de seres riquíssimos, descobrimos que a fortuna dos indivíduos de maior poder aquisitivo da galáxia são originadas pela venda de armas e naves para a Primeira Ordem, traçando um paralelo com o papel dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Achei, deveras, interessante Rian Johnson tocar nesse tema, até porque, qual a maneira melhor de se ganhar muito dinheiro do que ajudando uma organização que quer dominar o universo a crescer? Nesse mesmo momento, somos apresentados a DJ, o personagem de Benicio del Toro, que, para a surpresa da maioria, aparece mais do que imaginávamos. Sua personalidade é cínica e mercenária, lembrando bastante os caçadores de recompensa da trilogia clássica — não está do lado dos mocinhos, nem do lado dos malvados; está do lado daqueles que pagarem mais.

Kylo Ren, Snoke e a Primeira Ordem

“Deixe o passado morrer. Mate-o se for preciso.” – Kylo Ren.

O Kylo Ren, personagem interpretado por Adam Driver, continua sendo impulsivo e confuso, mas mostra uma evolução considerável em relação ao filme interior. Sua determinação em abraçar o Lado Sombrio é mais forte, e o papel de Driver como o herdeiro legítimo de Darth Vader convence, embora não tenhamos seu ápice como um lorde Sith, ou Ren. O personagem caminha, aos poucos, para se tornar memorável, com um desenvolvimento atencioso constante e empolgante. Um ponto baixíssimo desse filme — ou dessa trilogia como um todo — é deixar de fora, novamente, os Cavaleiros de Ren, tão citados nos bastidores. Diferente de O Despertar da Força, aqui eles nem ao menos aparecem, deixando muitos fãs confusos quanto a sua importância. Afinal, quem eles são?

“Você é só uma criança mimada, usando um capacete ridículo.” – Snoke.

Agora vamos para aos pontos mais críticos desse filme: Snoke e a Primeira Ordem. O terrível Supremo Líder, personagem do excelentíssimo Andy Serkis, mais uma vez, não consegue ser explorado com eficiência e sua participação no filme é, sinceramente, bastante mal aproveitada e desentusiasmante. Em diversas entrevistas, Serkis chegou a dizer que o personagem possuía um poder inimaginável, podendo até ser mais poderoso que o Darth Vader de David Prowse e o Imperador de Ian McDiarmid, porém, infelizmente, isso fica longe de ser mostrado em tela. Assim como os citados Cavaleiros de Ren, Snoke não mostra a que veio, e possui uma aparição rápida e confusa. Primeiro, assim como Serkis ressaltava nas entrevistas, o personagem se mostrou muito poderoso e imponente, praticamente invulnerável, um manipulador nato, usuário exímio da Força, porém, em outro momento, parece que tudo isso é jogado para cima e desconsiderado. Se os acontecimentos envolvendo o personagem se perpetuarem pela história do Episódio IX, talvez esse terá sido o personagem mais desinteressante e desperdiçado dessa trilogia.

A Primeira Ordem, embora tenha seus momentos de brilho, é, assim como o Snoke, outro ponto fraco do longa. Sua existência novamente não é explorada e fica a cargo do espectador buscar informações em livros ou quadrinhos derivados desse universo — o que, sinceramente, é uma falta de respeito, já que o filme tem que funcionar por si só, e o material extra deve servir apenas para complementar o que foi mostrado em tela, e não para dar informações importantes que ficam de fora da história. Enquanto o Império era igualmente confuso durante a trilogia clássica de Guerra Nas Estrelas, a Primeira Ordem acaba caindo no mesmo carma, embora os filmes antigos pincelem uma coisa ou outra sobre a origem e formação da regência maligna, o que não acontece aqui, em nenhum dos dois filmes até agora. Seguindo esse mesmo princípio, o que acontece na Nova República também é deixado de lado, assim como sua negligência em tentar deter essa ameaça que permeia a galáxia, repleta de perigosos seres, aspirantes a imperiais.

Os famosos stormtroopers aparecem bem menos sessa segunda parte da trilogia, mas a Capitã Phasma de Gwendoline Christie possui mais brilho do que na história pregressa. Phasma aparece depois da metade do filme, tendo seu próprio momento de tela, em uma luta de tirar o fôlego contra o personagem de John Boyega, porém, assim como o Snoke, é novamente desperdiçada, possuindo uma última cena duvidosa e desentusiasmante.

Os Últimos Jedi

“Quando eu me for, o último Jedi você será. Passe adiante o que você aprendeu, Luke.” – Mestre Yoda, em O Retorno de Jedi.

Finalmente falarei daquele que mais instigou os pensamentos e teoria dos fãs: Luke Skywalker. Fico feliz em informar que essa é a melhor performance de Mark Hamill no papel, nos entregando um personagem envelhecido e, ao mesmo tempo, ainda muito poderoso com a Força. O ator está mais à vontade do que nunca no papel e seus momentos de destaque são de arrepiar, fazendo os fanáticos mais árduos da franquia terem vontade de socar o ar, bater palmas e gritar — gritar muito. Absolutamente todos os seus momentos são fantásticos, e sua vivência na Ilha de Ahch-To, onde o primeiro Templo Jedi foi construído, é um deleite à parte. Sua caça e extinto de sobrevivência são fatos extremamente peculiares, que acrescentam novos estilos e conceitos para a franquia.

Seu famoso sabre, herdado de seu pai, Anakin Skywalker, que foi tão falado e teorizado durante todo esse tempo nem se mostra algo relevante para a história, ao final de tudo. Simples e facilmente, o objeto não tem importância alguma durante todo o filme, exceto em pertencer agora, definitivamente, à Rey.

“Eu preciso que alguém me mostre meu lugar em tudo isso.” – Rey.

Nossa querida e apaixonante Daisy Ridley volta a dar vida à Rey, antiga sucateira, abandonada pela família no desértico planeta de Jakku, e agora padawan do último Jedi de toda a galáxia. Ridley, como no filme anterior transcende carisma e força de vontade, continua sendo aquela personagem que amamos conhecer, só que dessa vez elevada a um outro nível. Se no papel Daisy Ridley já se mostrava alguém muito poderosa, podemos dizer que nesse novo capítulo ela está dando seus primeiros passos para canalizar e treinar todo esse poder. A garota pede orientação a Luke, que desdém de sua figura e, inicialmente, nega tais treinamentos. Eis que o R2-D2 o convence de dar uma chance à garota e ajudar, de alguma forma, a rebelião contra Ren. Toda a cena onde o dróide convence seu antigo dono a treinar a Rey é belíssima, e faz uma homenagem direta a Uma Nova Esperança — podemos catalogá-la como, por ordem cronológica, a segunda cena em que os fãs deixam um pequeno suor escorrer pelos olhos.

Rey, embora determinada em aprender sobre a Força, se mostra uma aluna um pouco ainda confusa. Em um determinado momento, a garota faz exatamente o que Luke não queria que fizesse, fazendo o Jedi temer mais ainda ensiná-la a expandir seus poderes. Porém, depois que consegue as informações que precisa, ela se mostra alguém que sabe, mesmo correndo perigo, distinguir o certo do errado, sendo muito mais segura de si do que Kylo Ren. Ao final de tudo, quem é ela e quem são seus pais nem são tão importantes assim. Ela é a dona do seu próprio passado.

Os efeitos especiais do filme estão primorosos, todas as cenas da história parecem querer mostrar um ângulo novo, ou simplesmente uma possibilidade nova de se explorar o universo de Star Wars, com paisagens, criaturas e cenários maravilhosos. Tudo isso se deve à linda e marcante fotografia de Steve Yedlin, em conjunto com a direção firme e competentemente entusiasmada de Rian Johnson; o diretor transcende confiança naquilo que faz, seja no roteiro ou atrás das câmeras. Um fã, levando a outros fãs uma aventura completamente nova e ousada, cheia de mistérios e revelações. Falando nos segredos, fiquem tranquilos quanto aos trailers e campanhas de marketing em geral que o filme possuiu, já que absolutamente nada da trama foi disponibilizada nas prévias — apenas um pedacinho do plot básico, é claro. Cenas como a batalha final no planeta gélido de Crait, que mistura tons de vermelho, preto e branco em uma combinação exuberante; uma nave quebrando outra no meio, após viajar na velocidade da luz; e, principalmente, de utilização máxima dos poderes da Força com certeza ficarão para sempre marcadas no imaginários dos fãs — e por que não do público em geral?!

A trilha sonora de John Williams melhora em relação à anterior, e mantém um nível de excelência, reinterpretando temas clássicos e adicionando novos, que com certeza podem te arrepiar a qualquer momento. Os personagens secundários, assim como em quase todos os Star Wars, convencem, encantam, ou simplesmente estão lá para nos emocionar, ajudando na jornada dos demais participantes da história. O C-3PO de Anthony Daniels ao lado do R2-D2, dessa vez interpretado por Jimmy Vee, fazem pequenas pontas, sem exageros, assim como o Chewbacca de Peter Mayhew e Joonas Suotamo. O BB-8 novamente arranca algumas gargalhadas e suspiros, já que continua sendo o dróide mais fofo e apaixonante da galáxia. O filme ainda conta com uma participação muito especial de um querido personagem, fazendo, novamente, muitos marmanjos voltarem a ser crianças e chorarem — chorarem muito — de alegria e emoção. Os Porgs também são adoráveis, e não estão em tela apenas para serem fofos e venderem brinquedos — quer dizer, estão… mas não estão ao mesmo tempo; já que eles têm uma certa “importância” para quem vive em Ahch-To.

É com uma imensa alegria e satisfação que eu digo que Star Wars: Os Últimos Jedi é um dos melhores, se não o melhor, Star Wars até agora. Possivelmente iremos para uma nova direção no Episódio IX, mostrando, além de uma evolução narrativa, uma evolução e desprendimento do passado. A hora das homenagens acabou, e essa galáxia muito, muito distante, ainda revela uma riqueza de possibilidades sem tamanho. O competente Rian Johnson escreverá e dirigirá toda a próxima trilogia de Guerra Nas Estrelas, que, como já anunciado, será uma história à parte, sem compromissos com a saga dos Skywalkers. O que eu tenho a dizer sobre isso? Não posso estar mais empolgado. Aos que assistiram, me digam aí nos comentários se esse cara merece ou não uma trilogia só pra ele! Pessoal, tentem respeitar ao máximo e não comentar revelações da trama sem a tag de spoilers aí em baixo. Vamos manter a magia e a surpresa para os que ainda não assistiram, já que isso, hoje em dia, é a coisa mais rara que existe no cinema.

Star Wars – Episódio VIII: Os Últimos Jedi (Star Wars – Episode VIII: The Last Jedi) – EUA, 2017, cor, 152 minutos.
Direção: Rian Johnson. Roteiro: Rian Johnson. Produção:  Kathleen Kennedy e Ram Bergman. Música: John Williams. Cinematografia: Steve Yedlin. Elenco: Mark Hamill, Carrie Fisher, Adam Driver, Daisy Ridley, John Boyega, Oscar Isaac, Kelly Marie Tran, Lupita Nyong’o, Billie Lourd, Domhnall Gleeson, Anthony Daniels, Jimmy Vee, Gwendoline Christie, Peter Mayhew, Joonas Suotamo, Andy Serkis, Benicio del Toro, etc.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Ghostface

    Antes de eu postar meu comentário sobre a crítica e o filme, uma correção: quem faz a Phasma é a Gwendoline Christie. A Billie é filha da Carrie.

  • Ghostface

    AGORA, QUE FILME FANTÁSTICO!
    FORAM TANTAS REVELAÇÕES E REVIRAVOLTAS! UMA HORA EU TAVA RINDO, OUTRA TAVA COM UM CORAÇÃO APERTADO E NA OUTRA SIMPLESMENTE TENTANDO ENTENDER O QUE ESTAVA ACONTECENDO DE TANTA INFORMAÇÃO!
    O LUKE, O LUKE ESTAVA DEMAIS!!! QUE CENA FINAL DELE FOI AQUELA, INCRÍVEL!!!
    Eu tbm me decepcionei um pouco com o Snoke, mas pelo menos não foi um Palpatine 2.0. Em falar nele, vou te mandar daqui a pouco uma coisa que eu pensei.
    E AQUELA CENA DA LEIA, QUE INCRÍVEL! MEU CORAÇÃO GELOU DEMAIS!!!
    ENFIM, UM FILMAÇO! GOSTEI DEMAIS!
    VOU NEM ESCREVER MAIS PQ AMANHÃ TENHO PROVA DO INGLÊS E EU TENHO QUE DORMIR DAQUI A POUCO HAHA!
    MAS O FILME FOI FANTÁSTICO!

    • QUE FILMÃO DA PORRA!!!
      Tudo tava lindo demais <3333
      A cena final do Luke eu bati palma e gritei pra caralho na sessão. Foi muito foda.
      Nunca vimos o personagem tão ABSURDO assim. Hamill destruiu.
      A cena da Leia também foi foda demaaaaaiss!!!

      • Ghostface

        Mano, a cena do sacrifício da Holdo é uma das melhores cenas DA SAGA! A trilha do Williams tava magistral!

  • cleber

    Confesso que fiquei um pouco confuso com sua critica. Tu fala sobre varios pontos negativos do filme mas no final ressalta as qualidades e diz que é o melhor da saga(polemico).

    Mas quando eu ver o filme volto aqui pra entender melhor.

    • É um excelente filme, mas não foge dos problemas (assim como a maioria). Seus pontos negativos são os que citei: Snoke, Primeira Ordem em geral (explicação sobre a organização, Cavaleiros de Ren, Phasma) e a passagem em Canto Bight. Fora isso, o filme acerta em TODOS os outros pontos, e nos emociona como nenhum outro da franquia até agora. As partes boas com toda certeza superam as partes ruins.

      Volte que discutiremos mais.

      • cleber

        “e nos emociona como nenhum outro da franquia até agora”

        Ok, Victor POLEMICA Dourado, kkk

  • Estephano

    Excelente texto, mano. Eu queria muito comentar sobre esse filme.

    Como já comentei algumas vezes, eu não sou um grande fã da franquia SW em geral, mas sai da sessão achando esse filme sensacional, provavelmente é meu filme favorito da saga. Infelizmente a resposta dos fãs esta sendo bem mista, vamos ver como vai ser a do público em geral.
    Acho que muita gente esta decepcionada com a abordagem do filme, indiscutivelmente os caras ousaram e fizeram diversas apostas nele. Desde o começo o filme vai para direções inesperadas. Curioso que estou vendo alguns comentários de gente que chama o Ep VII de “O Despertar da Cópia” reclamar que esse mudaram demais as coisas, no mínimo irônico, não? Eu não ligo muito para esse negócio de “inovar” em filmes (principalmente blockbusters), o que eu quero é que o filme seja bom, independente do que irão fazer.

    Vou só comentar com spoilers a partir de agora, não conseguirei comentar sem colocar pontos fundamentais da trama.
    Primeiro que achei sensacional Rey e Luke não terem uma relação igual a que Luke teve com Yoda/Obi-Wan ou Qui-Gon Jinn/Obi-Wan tiveram com Anakin. A cena inicial dele jogando fora o sabre de luz já mostra que “Isso não vai acontecer como você imagina”. Toda a trama que se passa na ilha eu gostei demais, desde o Luke pescando, até a cena psicodélica da Rey.
    A cena final do Luke nesse filme é para mim a coisa mais épica que esse personagem fez em toda a saga, achei sensacional e lindíssima a cena. E o que tem de gente revoltada com a abordagem que deram para ele…

    Falando em Rey… Outra coisa que gostei demais foi ela ser uma “Zé Ninguém”, poxa, tem gente revoltada com o fato dela não seu uma SkywalkerKenobiou sei lá mais o que. Vamos trazer as coisas para o mundo real, todas as pessoas importantes, ou que se destacam, são parentes de outras pessoas importantes? Não, né?
    Sei que os fãs são alucinados com os grandes personagens dessa série, mas as coisas precisam desenvolver, o universo Star Wars tem que ser maior que qualquer personagem.

    Vamos falar agora do meu personagem favorito do filme, Kylo Ren. Sou defensor desse personagem desde o Ep, VII, vejo que muita gente não gosta dele só pelo fato de ele não ser igual ao Vader (lembra-se da história do ‘O Despertar da Cópia’? Que coisa, hein?), legal que nesse filme até usam isso na fala do Snoke, “Você não é Vader…”. E o que eu mais gosto nele é justamente ele não parecer o Vader, ele até tenta (e fracassa miseravelmente), mas ele NÃO é Darth Vader. E o fato do Snoke ter rodado para mim foi SENSACIONAL. Não é outro Darth Sidious, é uma história que vai se desenvolver bem diferente, e sejamos sinceros, quem era o fodão mesmo, Vader ou Sidious? Prefiro muito mais um ator, que um personagem de CGI (mesmo sendo feito pelo mito Andy Serkis).

    Outra “desconstrução” foi nos Jedi, finalmente tocaram na ferida de que o orgulho monstruoso que esses caras tinham, foi um dos responsáveis pelo rumo do universo. Os Sith cresceram de baixo do nariz deles, Darth Vader foi escolhido e treinado por um Jedi, e Kylo Ren treinado por seu tio Jedi. O fato de Kylo querer destruir “tudo”, não chega a ser tão absurdo assim.

    Bem, tem muita coisa que eu queria falar sobre esse filme, se for comentar tudo meu post vai ficar maior que seu texto. Kkkk
    Para não ficar só nos elogios, achei o filme um pouco longo, acho que dava para dar uma enxugada. O arco do Finn e da Rose é o ponto fraco, mesmo tendo uma ótima sequencia de ação na hora da fuga, toma muito tempo de tela e tem um inicio de romance ali meio nada a ver. Phasma é o Boba Fett dessa geração, tem uma armadura legal, mas na verdade não tem importância nenhuma. E algumas coisas ficam “jogadas” lá e pronto, enfim…
    Eu gostei do trabalho do J.J. Abrams, mas confesso que gostaria muito de ver o que Rian Johnson faria no próximo filme.
    Desculpe pela bíblia, eu ainda tive que me conter. hehe

    • Muito obrigado, meu amigo.
      Eu também não entendo essas pessoas que reclamam do rumo que o filme seguiu. Eu adoro o episódio 7, mas o pouco que eu tenho contra o filme é em relação à “homenagem” que o filme fez a Uma Nova Esperança. Tem que ir em um caminho diferente e ousado mesmo agora, porque contar a mesma história não dá. Cansa.
      E, sim… importa que o filme seja BOM. E, felizmente, o episódio 8 não é bom… É EXCELENTE.

      Sim, isso foi muito FODAAAA. O Luke negou treinar a garota, temendo errar novamente. Isso é de um peso e de uma ORIGINALIDADE sem tamanho. Adorei esse ponto do filme também.
      O Universo de Star Wars é, com toda certeza, maior do que qualquer personagem ou família. Eu também adorei ela ser uma “zé ninguém”, como eu mesmo falei no texto… é dona do seu próprio passado. Vamos ver se continuarão mesmo com isso, ou inventarão outro arco familiar para a personagem no episódio 9. Tomara que não.

      Eu também AMEI o Ben no filme. O personagem, mais uma vez, mostra o quão é peculiar e foda. Também sou um árduo defensor dele no episódio 7. ELE NÃO É O VADER, ainda bem. Ou seja… provavelmente é mais um indício que não mudará de lado no final. Eu torço muito por isso. E, agora que ele é a PORRA DO LÍDER SUPREMO, vai dar um novo ar pro personagem.
      Eu detestei a morte do Snoke. Não porque o personagem morreu, de fato (ou será que não moreu?), mas sim da forma que foi feito. Ele manipulando o Ben e a Rey parecia um usuário muito poderoso com a Força, além da sua imponência. A morte dele foi ridiculamente fácil, bem broxante pra um personagem que me parecia tão invulnerável.

      Com certeza a desconstrução do conceito dos Jedi foi um ponto alto. Eles não funcionam mais, estão muito ultrapassados. Aliás, acho que NUNCA funcionaram. Estou muito ansioso pra ver o caminho que irão seguir no próximo filme, já que a Rey, antes do Luke queimar a árvore, roubou os livros (eles aparecem na Falcon posteriormente – é, eu também não tinha percebido, vi a partir de um pessoal comentando na internet). O menininho no final do filme, observando a estrela cadente passar, pode ser um indício de que uma nova era está começando. Não sei se percebeu, mas quando ele ia varrer o chão, ele não pegou a vassoura… A VASSOURA VEIO ATÉ ELE. Ou seja, ele tem a Força.
      Ah… e a “estrela cadente” pode muito bem ser o Fantasma da Força do Luke.

      Eu achei a duração do filme satisfatória. Sou da filosofia de “quanto maior a duração do filme, melhor”… kkkkkkkk. Principalmente quando é de uma franquia que gosto.

      Eu também gostaria de ver o que o Rian aprontaria na sequência. Mas eu entendo escolherem o JJ. O Rian vai estar ocupado demais pensando na nova trilogia, que, com toda certeza, vai ser FODAAAAAAAAAAAA.

      • Estephano

        Meu amigo, felizmente parece que o público em geral esta reagindo bem. O filme teve nota “A” no cinemascore, e no Comscore esta com alto índice de aceitação. Parece que tem muito fã irritado pelo rumo da franquia, não cheguei a confirmar, mas segundo li em alguns sites gringos, tem pessoas fazendo campanha contra o filme, pedindo para outras pessoas negativarem o filme em sites de avaliação. Complicado isso.

        Ter problemas com o Ep VII eu entendo tranquilamente, agora chamar de lixo também não dá, né?

        Espero que sigam com isso, mas como não vai ser mais o Rian Johnson, só quando sair que saberemos. rs
        Uma coisa interessante, é que tirando a Rey, ninguém nos filmes ficava com esse “afinco” nos pais dela, acho que o povo começou a teorizar demais sobre isso mesmo não tendo nenhum indicio de que ela era “especial”.

        A morte do Snoke pode ser “brochante”, mas é algo que vai muito na contramão tanto da franquia, como de muitos blockbusters, o “líder da porra toda”, não é tão “líder da porra toda” assim. (rs) Lembre-se, “Isso não vai acontecer como você imagina”. Kkkkk

        Não sabia dessa dos livros. Caramba, bem legal isso, hein?
        Sim eu reparei no menino, achei sensacional também o menino usar a Força. Na sala que eu estava, teve dois “espertões” que estavam comentando isso depois do filme.
        “Ué? Virou bagunça agora?”
        -“É a Disney, né, cara…”
        Pensei no momento que eles falaram isso, “Pois é, eu lembro como o Anakin também era um membro dos Jedi, cheio de status e poder desde o começo… Ops, errei, acho que na verdade ele era um escravo que era tratado pior que um inseto”. Esses ai são os “fãs” da série…

        Chorou na cena do Yoda, meu amigo? Kkkk

        Outra coisa que eu gostei, foi a desconstrução do arco do Poe. Os caras do Omelete até comentaram isso, franquias geralmente voltadas ao público adolescente, colocam os mais velhos como “não sabendo de nada”, “ultrapassados” e coisas do tipo. E aqui, mesmo o filme insinuando uma coisa, no fim quem estava errado era o Poe mesmo, a Holdo que estava certa e realmente pensando em todos. A cena dela se sacrificando foi absurdamente FODA.

        Eu não ligo do filme ser grande, desde que justifiquem isso, no caso aqui, acho que dava para tirar alguns minutinhos, mas nada que deixasse o filme chato ou sonolento. Outra coisa que me esqueci de comentar antes, a trilha do John Willians esta ESPETACULAR.

        A Lucasfilm não deu uma trilogia orçada por volta dos 600 mi ao Rian à toa, estou ansioso para ver o que ele vai fazer.

        • “Isso não vai acontecer como você imagina”… isso define muito bem esse filme. Acredito que ele como um todo foi na contra mão de tudo que todo mundo acreditava.

          Mano, não dá pra entender essa gente. Estephano, eu tenho CERTEZA que esses mimizentos aí se tornaram “fãs número 1” da saga com O Despertar da Força. O que teve de gente se auto-denominando “fã desde criancinha” entrando no hype quando o episódio 7 estreou não foi brincadeira. Esses devem ser os mesmos mimizentos que estão fazendo campanha pra tirar o episódio 8 do cânone. Pessoal que reclama da Disney mas, se não fosse ela, nunca mais teríamos mais filmes de Star Wars. Anakin foi um escravo, Luke um zé-ninguém na infância… disso ninguém lembra. É muito mais fácil criticar.

          Eu chorei MUITO na cena do Yoda. Foi a cena do filme que mais chorei (ao lado da cena do holograma da Leia de Uma Nova Esperança e da luta final entre Luke e Kylo). Ver o Yoda ali, como um boneco, idêntico à marionete de O Império Contra-Ataca foi demais pro meu coraçãozinho kkkkk. Sem falar do jeitinho dele; nada lembrava os episódios 1, 2 e 3. Aquele era o Yoda que todo mundo amou conhecer, o Mestre de verdade!

          Poe foi sem dúvida um dos melhores personagens do filme. Eu achei ele bem sem graça no anterior, um heroizinho clichê, mas aqui o personagem ganha um outro panorama. Oscar Isaac ARREBENTOU. E, sim, meu amigo… foi muito legal eles abordarem isso no filme. Devemos crer nos mais velhos, eles são sábios e sabem o que é melhor pra todo mundo. E, claro… o sacrifício da Holdo foi SENSACIONAL. O Johnson optou por deixar a cena sem som, tornou tudo mais poético e lindo. Me lembro das pessoas na minha sessão quando a cena aconteceu, todo mundo perguntando “ué, aconteceu alguma coisa com o som? Não tá funcionando”. Aí geral olhou pra cima, rumo o projetor, preocupado kkkkkkkk

          Também acho, a trilha do Williams foi monstruosa. Cara… que saudade que eu tava do gênio John <3 kkkkkk
          Não sei se viu, mas na faixa de Canto Bright tem um solinho em homenagem à Aquarela do Brasil. Chegou a ver o pessoal comentando na internet?

          Não deram MESMO. Além do trabalho sensacional que o diretor fez nesse filme, aposto que guarda grandes feitos pra essa nova trilogia!

      • Não sei se percebeu, mas quando ele ia varrer o chão, ele não pegou a vassoura… A VASSOURA VEIO ATÉ ELE.

        Sério isso? Não reparei. Um detalhe interessante, hein?

        • Max Eisenhardt

          Essa cena serviu pra confirmar que a história, daqui em diante, não irá mais girar em torno dos Skywalkers, já que a Rey definitivamente não é uma. O último Jedi se foi (se não me engano, o diretor confirmou que o subtítulo original está no singular), a Ordem Jedi falhou e faz-se necessário redefinir o rumo dos usuários da Força. É uma cena de encerramento perfeita.

          • Será que veremos uma proliferação da Força nos próximos filmes?

          • Max Eisenhardt

            Acho que veremos algo assim na próxima trilogia, já que foi o próprio Johnson quem estabeleceu esse novo curso para a manifestação desse poder. Ele deu a abordagem mais interessante da Força ao mesmo tempo que indicou novos trilhos para determinar quem a usa e como usa. Fora que teremos histórias ainda mais originais que irão se passar em locais nunca antes apresentados na franquia e com personagens criados do zero, sem nenhum parentesco com os heróis da saga. Isso cria expectativas para o que vem a seguir.

        • Cleber Rosa

          Não reparou mesmo nisso Rodrigo? Cara, na hora que o moleque faz isso meu pai deu um grito no cinema! kkk

        • Muito interessante. Deixa claro que, mesmo sem os Jedi, a Força ainda está presente nos seres espalhados pelo universo. E o melhor… assim como o Anakin e a Rey, são pessoas aleatórias, vindas de “lugar nenhum”.

      • já que a Rey, antes do Luke queimar a árvore, roubou os livros (eles aparecem na Falcon posteriormente – é, eu também não tinha percebido, vi a partir de um pessoal comentando na internet).

        Eu percebi os livros na hora, só que foi perto da cena com Finn indo na maca da Rose, e aí me pareceu que era ele que estava com os livros, e fiquei me perguntando na hora: como diabos o Finn pegou isso? rs

        • kkkkkkkkkkk
          Assistindo pela segunda vez, dá pra perceber que antes da Rey partir de Ahch-To ela fecha essa mesma gaveta na falcon.

    • Eu não ligo muito para esse negócio de “inovar” em filmes (principalmente blockbusters), o que eu quero é que o filme seja bom, independente do que irão fazer.

      Penso o mesmo…rs “Ah, eu não queria que fulano recebesse desenvolvimento xis, o filme foi um lixo pra mim por causa disso”, acho isso de uma infantilidade ímpar…rs Pessoal meio que se sente dono dos personagens. Se não seguirem os rumos que eles ficaram teorizando, pronto, tudo é um lixo.

      E o fato do Snoke ter rodado para mim foi SENSACIONAL. Não é outro Darth Sidious, é uma história que vai se desenvolver bem diferente, e sejamos sinceros, quem era o fodão mesmo, Vader ou Sidious?

      Também achei. O grande vilão dessa trilogia é o Kylo Ren. Isso aí tinha que acontecer para mostrar o quão maior ele pode ser.

      • Estephano

        Eu vi um comentário de um cara dizendo que o filme destruiu a infância dele. Dá para acreditar?

        • Não existe nada mais chato do que o auto-denominado “fã”…rs

      • Ren pode se equiparar com o Vader facilmente. Tudo depende da jornada que o personagem trilhará no 9. EU TORÇO MUITO pra não forçarem a barra e ele se redimir no final.

    • Cleber Rosa

      Ótima analise cara! concordo em tudo!

  • Herbie: The Love Bug

    Excelente crítica, Jipeiro!
    Já estou vendo que os pontos negativos citados na crítica vão me incomodar um pouco na hora que eu assistir o filme kkkkkkk vou tentar ir no cinema no domingo.

    • Muito obrigado, Herbie!
      Tomara que, assim como eu, ache os pontos positivos melhor que os negativos.

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Poxa,pulou o Despertar da Força e o Rogue One e já foi direto pro Os Últimos Jedi?
    A sua crítica não tem spoiler não né? Porque até agora eu ainda não sei quando é que vou poder ir assisti-lo.

    • Pulei, por causa do tempo, já que não consegui terminá-los a tempo. Mas ainda escreverei sobre eles, fique tranquilo, seu bunda.

      Não, a crítica não tem nenhum spoiler. Pode ler de boa.

      • Dave Mustaine Kryptoniano

        Beleza.

  • Matt The Radar Technician

    POXA JIPEIRO, NEM ME CHAMOU.

  • Excelente texto, meu amigo. Não sabia que o Rian Johnson havia dirigido episódios de Breaking Bad. E entre eles, um dos melhores. Nunca vi nenhum filme anterior dele, mas o que vi nesse episódio VIII foi um diretor excelente – e roteirista também. Bem, como você sabe, não sou fã de Star Wars. É uma franquia que nunca me pegou – meu gosto mesmo é pelo outro “Star”, o Trek, e mesmo assim concentrado na série original…rs. Vejo os filmes como assisto a outros blockbusters. Por causa dos seus textos revi (pela primeira vez) a trilogia original e o episódio I da prequel (o II e o III não revi, mas lembro de não ter gostado na época).

    Analisando enquanto filme, e sem ter ligação emocional alguma com a franquia ou com os personagens, esse episódio VIII é o melhor filme de toda a saga, na minha opinião. É impecável em todos os aspectos técnicos, com uma direção inspirada do Johnson e uma fotografia deslumbrante, como você destacou bem (aquele combate no planeta de sal, com as naves deixando um rastro vermelho pelo solo é de uma beleza ímpar), e uma montagem que depois dos 30 minutos iniciais lança o filme em uma crescente surreal. Ação, tensão, suspense, humor, drama, nas múltiplas linhas narrativas que em um determinado momento irão se cruzar, em um terceiro ato que é um negócio que vi em poucos filmes, com uma série de anti-clímaxs e clímax absurdamente bem construídos e impactantes.

    Eu gostei das sequências em Canto Bight. Achei divertidas e importantes para o desenvolvimento da excelente dupla Finn e Rose e também para dar um panorama mais amplo do tipo de negociata que sustenta essas guerras do universo de Star Wars, além de servirem a um propósito que me parece básico em todos os filmes da saga: mostrar uma variedade infinita de raças em um lugar com diversão e música…rs

    Poe Dameron teve um desenvolvimento incrível; Daisy Ridley ótima como sempre; achei interessante demais o mercenário do Benício Del Toro; e gostei ainda mais do Kylo Ren nesse filme. Adam Driver é incrível, e o vilão é repleto de camadas e motivações que vão e vem numa torrente de certezas e incertezas curiosa.

    Eu já fui pro cinema sabendo das principais reviravoltas, porque não me importo com isso. E ainda assim todas elas tiveram seu peso quando ocorreram, não chocaram por chocar; serviram à história. E isso foi um grande acerto desse roteiro. A aparição do lendário mestre Jedi é simplesmente incrível, e a cena da Força da Leia também é inspirada. Mark Hammil realmente entrega uma atuação muito consistente aqui, e a cena que dialoga diretamente com os dois sóis do episódio IV deve ter feito você chorar, não? rs

    Filme excelente. Melhor blockbuster do ano, sem dúvidas. Na expectativa agora pela conclusão dessa trilogia.

    • Estephano

      Esse filme é muito bem dirigido, o Villaça até chegou a colocar o Rian Johnson como o diretor mais talentoso a dirigir um filme de Star Wars.

      Eu gostei de Canto Bight também, acho que poderiam ter encurtado uns minutos na parte inicial, mas são cenas muito boas, e uma clara crítica a pessoas que lucram com a tragédia alheia. Então, diferente de alguns, não achei o personagem do Benicio del Toro inútil.

      Adam Driver é um excelente ator, e felizmente dessa vez, o roteiro deu mais espaço para o Oscar Isaac, que é muito bom também.

      • Diretor mais talentoso a dirigir um Star Wars? Acho que também concordo com o Villaça.

    • Sim, dirigiu. Lembro que na época que fiquei sabendo que ele escreveria e dirigiria o episódio 8, fiquei maluco. Havia acabado BrBa há pouco tempo, e vi o potencial que o Johnson tinha!

      O filme é mesmo impecável na maioria dos seus aspectos. Falha um pouco como continuação, não explicando certas coisas que todo mundo queria ter visto desde o episódio 7, mas isso não é nenhum demérito. O que importa é que o filme funciona por si só. Não é o melhor da saga na minha opinião, mas se encontra atualmente no segundo lugar.
      A crescente do filme é espetacular, meu amigo. Faz todo mundo se segurar na cadeira e acompanhar vidrado. Sem falar que o senso de urgência é notável.

      As cenas em Canto Bight servem para isso mesmo. Apresentam raças legais, dão um panorama maior sobre a guerra na galáxia e desenvolvem Finn e Rose. Mas, sei lá, eu achei ela bem desconexa com todo o resto, sem falar que, narrativamente falando, não levou a lugar nenhum. Poderia muito bem ser retirada do filme que não faria diferença.

      Eu simplesmente adorei o Poe também. Desenvolveram e deram uma atenção surreal ao personagem. Caminha para a ser o líder da Resistência, agora que não teremos mais a Leia no episódio 9 (por causa do falecimento da Carrie). E, se tornar mesmo o líder, todo mundo irá comprar a investida, justamente pelo caminho trilhado por esse personagem aqui no filme.

      Rodrigo, a Rey estava legal também, mas o Kylo… Esse filme É DO KYLO. Achei incríveis todas as cenas do personagem e não vejo a hora de vê-lo novamente no próximo, agora como o Líder Supremo. O personagem ainda tem muito a crescer, e com certeza poderá ficar no mesmo patamar de Lorde Vader.

      Sim, chorei. Chorei muito com essa cena final do personagem. Incrível como fizeram esse desfecho poético, relacionando com a cena do episódio 4. Sua aventura começou com ele olhando para os sóis, repleto de sonhos e com um destino grandioso; da mesma forma que terminou quando observou pela última vez as duas bolas de fogo. Rodrigo, meu amigo, isso foi lindo demais!!!

      Filmaço, meu amigo!! Melhor blockbuster do ano, com toda certeza. Eu também almejo ver o desfecho o mais rápido possível, e tomara que eles tampem os buracos que esse não tampou. Muito obrigado!

  • Aragorn II, King of Gondor

    Eu simplesmente não vou conseguir comentar sem spoilers, então… basicamente: eu realmente não esperava que o filme fosse fodástico a esse nível até uma semana atrás.

    RIAN JOHNSON, VOCÊ É UMA DIVINDADE!

    Pontos para debate:

    Achei o núcleo em Canto Bight a parte mais caída do filme MESMO. Sério, apesar de ter adorado a atuação do Del Toro e gostado do personagem em si, algo não me desceu nele. E, sinceramente, não sei se engoli muito a crítica social feita por ele. Enfim… acho que isso não vem ao caso. Apesar de tudo, o incômodo que tive com essa parte não foi algo muito grande, e pouco conta na soma final. Só… achei ela meio perdida. O núcleo do Finn podia ter sido resolvido de outra forma, ao meu ver.

    (Por falar nisso, a tal crítica social já tá dando o que falar… rsrs! Na boa, acho que as pessoas enxergam coisa onde não tem.)

    Aliás…. gostaria que o Finn tivesse morrido na cena da batalha final. Sinceramente. Teria sido um belo desfecho para o arco dele. Mas, bom, não desgostei da forma como tudo ocorreu: só espero que ele realmente tenha importância e destaque no Episódio IX, se não…

    O Poe melhorou consideravelmente. Pra quem antes não fedia e nem cheirava, agora está relacionável. Espero que seja ainda mais desenvolvido futuramente.

    Como defeitos, diria que o filme demorou um pouco pra engrenar, ao meu ver. Eu não me senti totalmente cativado durante o primeiro ato, e não engoli de primeira alguns conceitos, mas tudo cresceu de uma forma tão absurda que essa sensação passou logo durante o segundo ato.

    Sobre a Rey, gostei do desenvolvimento dela, dos pais dela não serem pessoas importantes. Me pegou de surpresa, e foi legal. Espero que não tenha sido um blefe do Kylo.

    Luke foi o cara mais fodão desse filme. Sério, JEDI MAIS FODA DE TODOS! A projeção dele ao final para lutar com o Kylo fez todo mundo surtar. O pessoal aplaudiu e gritou MUITO com ele. Mark Hamill ARREBENTOU! Já não basta ser o melhor Coringa de todos, o cara ainda consegue fazer esse papel estrondoso, numa das melhores atuações da saga toda. BOTOU PRA QUEBRAR! Só me pergunto se foi a última participação dele no papel… espero que não.

    :’-(

    (Aliás, acha que caberia um filme dele entre os Episódios VI e VII ou seria muito desnecessário?)

    Sobre o Kylo… mano, puta que pariu, como eu tô torcendo pro personagem se cravar como um vilão excelente no terceiro filme. Ele, os Cavaleiros de Ren e a Primeira Ordem em geral PRECISAM de um desenvolvimento maior no último capítulo. O personagem já abriu todas as portas necessárias para isso, e já é uma NECESSIDADE para que eles sejam memoráveis. JJ Abrams não tem desculpas para não fazer algo foda. O Adam Driver se provou um ator muito bom, e precisa arrebentar agora. Quero uma cena dele ao estilo Vader em Rogue One: mostrando pra geral porque ele é, possivelmente, o cara mais perigoso da Galáxia atualmente. De preferência, logo na abertura do filme.

    Agora: Snoke. Puta merda, Serkis, não me desaponte. TU TEM QUE VOLTAR NESSE TERCEIRO FILME, porra. É uma NECESSIDADE. Só não pode tirar muito o foco do Kylo: ambos merecem o devido destaque agora. Quero ver dois vilões FODAS, que, juntos, criem uma imagem tão foda quanto a do Vader. Snoke retornando e se mostrando o usuário mais poderoso da Força ever, e o Kylo arregaçando com seu sabre as forças Rebeldes. As teorias já estão aí, na mesa. E o Snoke já se mostrou incrivelmente forte, dando uma humilhada básica no Hux a quilômetros de distância do mesmo, lendo a mente da Rey e do Kylo, puxando o sabre, etc. Se esse realmente tiver sido o FIM dele, sem sequer a utilização de flashbacks no Episódio IX, vai ser a maior broxada de toda a saga.

    Finalizando com os vilões, fiquei pistola que a Phasma parece ter ido pro saco. Pqp, ela devia ser o nemesis do Finn! A Gwendoline já mete respeito pra caralho em GoT, tinha que ser algo tão bom quanto em SW. É UM MULHERÃO DA PORRA, MEO! Mais respeito, JJ e Rian, please.

    A ansiedade para o próximo episódio – e, em especial, para a próxima trilogia – está ultrapassando limites. Espero não me desapontar, e que tudo seja concluído com chave de ouro. Quero pelo menos duas horas e meia de novo. Eles têm MUITO o que resolver.

    Entrando nos pormenores: teorias? Já achou/pensou em algo sobre o Episódio IX (fora o que falamos no Whats, é claro… hehehehe)?
    Eu tô pensando nisso o tempo todo. Do novo sabre da Rey (já que o anterior quebrou, né?) até a morte do Snoke e o papel da Primeira Ordem… Rian Johnson soube mexer com nosso imaginário. JJ terá uma tarefa árdua agora em superar esse filme.

    Minha nota é 9,6/10. Meu favorito da saga agora.

    Enfim… ótima crítica, escória rebelde.

    • Também achei a cena bem caída. Dava, com certeza, pra ter feito algo melhor. Sem falar que ela não levou a lugar nenhum, já que a missão do Finn e da Rose não deu certo.
      Ele é um bom personagem, e não gostaria de ter o visto morrer na batalha final. Ainda bem que isso não aconteceu, mas tomara MESMO que deem uma importância maior pra ele no 9.

      Poe foi maravilhoso. Puta personagem foda. Eu, sinceramente, não gostava muito dele, mas agora digo que é um dos meus rebeldes favoritos!!!
      O rendimento da Rey caiu um pouco, mas ainda assim foi ótima no filme. Eu também gostei dela ser uma ninguém, se Deus quiser não vão mexer nisso e causar uma reviravolta desnecessária no próximo!!

      LUKE MAIOR JEDI DE TODOS OS TEMPOOOOOS!!!
      FATO! Hamill mitou, e, mano, é LÓGICO que ele volta pro 9. Como Fantasma da Força, é claro. Uma coisa que me incomodou nesse filme foi que nem o Kylo nem a Rey treinaram, praticamente. O Snoke disse que queria terminar o seu treinamento e porra nenhuma conteceu, e a Rey pouco aprendeu com o Luke. Sei lá. Mas acho que o Hamill volta e será como um Yoda fantasma pra ela no 9.
      (Caberia MUITO um filme dele entre o 6 e o 7. Tanto pra explicar como tudo aconteceu, com mais detalhes, na sua academia, como para contar como surgiu a Primeira Ordem e quem é o Snoke. Seria um cenário perfeito pra responder todas as perguntas)

      Mano… ESSE FILME É DO KYLO. O cara arrebentou. Pra mim, o melhor personagem dessa trilogia, DISPARADO!!! O HERDEIRO LEGÍTIMO DO LORDE VADER, PORRA!!
      Também quero uma cena assim no 9, seria muito foda. E, mano, o Snoke tem que voltar mesmo. É OBRIGAÇÃO VOLTAR. Talvez, a última etapa do treinamento tenha sido algo que o Snoke teria que passar na pele. Pra saber se seu aprendiz estava mesmo determinado a ser mal, deveria matar seu mestre. E, então, ele voltaria no 9, com aquela teoria que comentamos, e parabenizaria seu aprendiz. A GUERRA ESTÁ SÓ COMEÇANDO.
      Agora, se não voltar, eu concordo… o personagem será a coisa mais broxante de TODA A SAGA.

      Senti falta de uma presença maior da Phasma nessa trilogi também. Puta desperdício.
      Também quero um terceiro filme FODEROSO, como Death gosta de falar kkkkkk. Tomara que não nos desapontem, e POR FAVOR, que amarrem tudinho, bonitinho.
      Mano, até agora nada. Só o que comentamos no whats mesmo.
      A Rey agora é uma Jedi, um dos princípios básicos é saber construir seu próprio sabre. Sabe uma coisa que eu senti falta? Na cena final do Luke e do Kylo, o Luke está com o sabre azul do Anakin. Porra, tinha que ter sido o sabre verde, já que ele estava com a aparência mais jovem e quando estava mais jovem o sabre azul estava desaparecido. Enfim, isso me incomodou um pouquinho.

      Muito obrigado, seu Snoke!
      Nota 9, meu segundo favorito até agora.

  • Vô Verine

    Testando… 1,2,3…. isso não é spam!

  • Max Eisenhardt

    Gostei MUITO de ler essa crítica. Estive na pré e adorei o filme. Considero o mais surpreendente de toda a franquia desde O Império Contra-Ataca. É cheio de reviravoltas. O clima de urgência é quase constante. As sequências de ação são INCRÍVEIS. É filme pra ser visto na melhor sala de cinema que der. Esteticamente, é disparado o melhor Star Wars. Todo o valor de produção dessa leva de Star Wars pela Disney é magnífico: efeitos visuais, efeitos práticos, figurinos, cenários, trilha sonora, enfim, toda a direção de arte! Todos os personagens estão bem, principalmente Luke e Kylo Ren; Poe e Finn conseguem ter tanto destaque quanto a Rey, o que é excelente. E o final… O terceiro ato consegue ser tão bom quanto o do Episódio V, fazendo de Os Últimos Jedi um eficiente sucessor espiritual. O filme está longe de ser perfeito, mas seus acertos são ESTUPENDOS, não decepciona quando PARECE que vai decepcionar e surpreende quando ninguém espera. Não se limita a repetir as mesmas convencionalidades de roteiro disfarçadas de homenagem aos filmes clássicos — diferente do Episódio VII — e subverte tanto elementos da jornada do herói quanto da jornada do vilão, além de executar fã-services de maneira funcional e aditiva no roteiro, emocionando tanto pela nostalgia quanto pela composição das cenas. É um filmaço!

    • Fico extremamente honrado, Max. Muito obrigado!
      Também o considero o mais surpreendente da franquia desde o episódio 5. Impecável em diversos sentidos, honra o legado da trilogia clássica, nos entregando uma história realmente atraente e surpreendente. Os efeitos e o visual também são maravilhosos, a Disney está sabendo como tratar a franquia.

      O filme foge dos clichês, igual disse quando parece que vai decepcionar ele eleva de nível. Um sucessor espiritual de O Império Contra-Ataca, sem dúvidas! Filmaço-aço-AÇO!

  • Max Eisenhardt

    Ah… E deixei uma personagem de fora do meu comentário: nossa querida Leia. A crítica foi dedicada a Carrie, e como ela esteve bem nesse filme! Digna de aplausos.
    O encontro dela com Luke, no final, é uma das cenas mais lindas de Star Wars! É um momento emocionante atrás do outro. (rs) Como será que vão resolver a participação dela no Ep. IX? Isso me preocupa um pouco.

    • “Eu sei o que vai falar… Eu mudei meu penteado.”
      Meu amigo, essa cena é de uma doçura sem tamanho.
      Eu não sei. Cortaram algumas cenas dela do filme, devem aproveitá-las no 9. Ou então, falar que ela sofreu algum acidente, ou que a Primeira Ordem fez um ataque à rebelião e a matou, isso ainda nos créditos amarelos iniciais. Teremos que esperar pra ver. CGI eu sei que não vão usar.

  • Olha, vendo como alguém de “fora”, acho que isso de “não explicar certas coisas que todo mundo queria ter visto desde o filme anterior” é uma “falha” constante em Star Wars, não? Eu revi os originais recentemente, e muita coisa não ficou clara pra mim naqueles filmes…rs A sacada de copiar o cinema mudo e colocar o letreiro inicial é sensacional, resume bem conceitos e a linha geral da história, mas fica nisso. Daí em diante a saga já exige uma adesão irrepreensível e muitas coisas não são respondidas de imediato, ficando em aberto para filmes futuros.

    Achei Canto Bight importante justamente para mostrar que todo o esforço deles, fruto da rebeldia e desobediência de Poe, deu muito trabalho, tomou muito tempo, para no fim não dar em nada. Ou melhor, deu em algo sim. Morreu gente à beça por culpa do plano deles (já que de outro modo jamais que os inimigos saberiam que as naves da Resistência estavam escapando) e quem estava correta o tempo todo era a General que estava sendo pintada como estúpida.

    • Sim, pensando bem, sim. Eles nunca explicaram muitas coisas na trilogia clássica. Deram boas respostas nos prelúdios (os filmes que todos criticam kkkk). Mas sobre o Império, dão pelo menos algumas boas pinceladas durante os três primeiros filme. Fazendo um paralelo com o Imperador, assim como o Snoke, não tem nenhuma carga pregressa no episódio 6.

      Sim, faz sentido. Os mais velhos, ao final, têm sempre razão. Mas ainda acho as cenas um pouco caídas kkkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Tô achando ainda melhor hehehe. Eu já fiz uns comentários sobre o que achei do filme no LdH e provavelmente vou ter mais coisa pra acrescentar no futuro. Fico lembrando de uns detalhezinhos que me fazem amar ainda mais o filme, sabe? Tipo aquela cena que pode até ter passado despercebida pra você, em que Rey tá em Ahch-To embaixo da Millenium Falcon. Antes da segunda cena de Force Bond com o Ren. Ela tá brincando com a chuva com um sorrisão no rosto e isso me fez sorrir também. Aí eu lembrei que ela cresceu em Jakku, um planeta deserto, então faz total sentido que a chuva a deixe tão feliz.

    Eu amo esse tipo de coisa e quero ver o filme pelo menos mais duas vezes.

    E REYLO VAI SER CANON

    • Também estou assim. Relembro de certas coisas e só amo mais a cada dia que passa. Reassisti ao filme recentemente e mantenho a mesma opinião: segundo melhor da franquia.
      Isso é mesmo lindo, Débora. Não tinha pensado por esse lado aquela cena kkkkk

      Já tem gente metendo a lenha nisso kkkkkk

  • Cleber Rosa

    Cara, que texto lindo…parabens!

  • Sim. Nada de linhagem escolhida…rs

  • Estephano

    Rapaz, esse filme está dando altas tretas na fanbase. rs
    Eu e o @alordesh:disqus estávamos conversando sobre essas tretas, o que tem de gente falando que quem gostou desse filme não é “fã de verdade”, você nem imagina. O Rodrigo até falou: “Vou ter que falar para o Victor que ele não é fã de verdade”, e eu pedi para ele te avisar para tirar todas as críticas do site e não fazer a dos episódios que faltam, já que você não é fã do Star Wars verdadeiro e sim desse “Star Wars da Disney”. kkkk

    Não deixaram o Yoda “fantasma” igual nos outros episódios, achei mais legal assim, acho que o Luke vai voltar dessa mesma forma. Na hora que o Yoda apareceu nem eu acreditei, e foi o Yoda bonequinho zoeiro. rs

    Sinceramente eu não ouvi a música, vi o pessoal comentando depois, mas na hora nem percebi.
    Vamos ver como vai ser os filmes do Rian Johnson, mas já estão rolando altas petições para a Lucasfilm despedir ele. kkkkkkk

    • Rodrigo pediu pra eu devolver a carteirinha de fã da franquia. Eu não mereço… kkkkkkkkkkkkkk

      Certeza que o Luke volta no 9. Como fantasminha, lógico kkkkk. Pra auxiliar a Rey.

      Esse povo é muito louco. Puta que pariu…

  • Max Eisenhardt

    J.J. certamente precisará de um cuidado especial com a personagem, mas acredito que não vai nos decepcionar. Que a Força esteja com ele. (rs)

    • Ele é um puta fã. Certeza que não vai decepcionar mesmo. Sem falar que o tratamento do Episódio 9 é do Rian Johnson, então eles pensarão em uma forma bem bonita de encerrar a jornada da personagem. Que a Força esteja com eles… kkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Na verdade tem gente metendo a lenha em tudo. “Não tem quem odeie mais Star Wars que os fãs de Star Wars.”

    A CRÍTICA GRINGA TÁ AMANDO REYLO, OK? FIGHT ME!

    • Estão acusando até quem é fã de não ser fã de verdade. Pode uma coisa dessas? kkkkk

      kkkkkkkkkkk Até eu gostei de como abordaram isso. Resta saber se vão levar isso pra frente mesmo no filme seguinte.

  • Ghostface

    E AQUELE SILÊNCIO?

    • MÍTICO. A minha sala de cinema até pensou que tivesse ocorrido um defeito no som na hora kkkkk

  • Matt The Radar Technician

    Eu tô até evitando ler comentário do Youtube e ir no Reddit.

    E o maior problema é que não há discussão. Não há argumentação. Eles jogam “o filme é horrível!!!!”, “estragaram o Luke!!!!!”, “A DISNEY DESTRUIU MINHA INFÂNCIA” e quando perguntam o porquê ninguém sabe responder.

    Acho ok você falar “eu não gostei do filme porque na minha opinião pessoal tal coisa não combina com tal personagem” mas o que eles tão fazendo é hate por hate.

    • Pois é. Se não tem argumento, também não dou nem bola. O pior é que a maioria tá falando que não gostou mas, no fundo, até gostou, mas querem pagar de diferentões. Enfim, acontece.

    • Déboraaaaaaaaa… ASSISTE ESSE VÍDEO!

      • Matt The Radar Technician

        JIPEIRO. Eu só fui ver sua mensagem agora no IG porque minha vida tá uma loucura e eu tô me mudando, mas acho que você deletou seu perfil! Não tinha que você tinha mandado aqui, mas já tinha visto isso no tumblr em inglês hehehe. É sensacional e É ISSO MESMO QUE VAI ACONTECER!!!! ESTÁ ESCRITO!!!! JÁ SE CONVENCEU??? 😀

        Saudades!

        • Sem problemas, Débora. Minha vida também está uma loucura kkkkk
          Trabalho, faculdade, namoro… Quero voltar a ser criança kkkkk

          ESTÁ ESCRITO!!! kkkkkkk
          Viu Han Solo?

          Saudades também, minha amiga!

  • Ghostface

    EU NÃO VOU MENTIR, TAMBÉM PENSEI KKKKKKKKKK!

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Cara,me parece que não vai ter jeito de eu ver no cinema,vou ter que esperar o torrent :/
    Muito boa a sua crítica,mas me deixou com vontade de cortar meus pulsos com sabres de luz porque terei que esperar até Abril pra sair o Blu-Ray Rip ;-;

    E essa fanboyzada aí falando que “o Rian Johnson cagou em Star Wars”? kkkkkkk o cara é um diretor excelente,Looper é um filmaço e esses episódios de Breaking Bad que ele dirigiu são fantásticos (caramba,foi ele que dirigiu o episódio da mosca kkkk)

    • Porra, Deivi 🙁
      Fico triste por você, meu amigo. Sei o quanto gosta da franquia.
      Muito obrigado, seu bunda. Não corta os pulsos, seu babaca. Tem pessoas que se importam com você!

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Mano, tem que rir da cara desses malucos. Pessoal tá insano demais. O filme é uma obra de arte. Um diretor excelente, realmente. Nunca vi Looper.
      Mano, é o cara que dirigiu A Mosca… kkkkkkkkkkkkkk. Eu vou ser sincero… Eu até gosto do episódio. Não acho um lixo como a maioria do pessoal fala.

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Pois é,o pior de tudo é que eu tenho a grana pra ir ver o filme,pena que os horários das sessões é que fodem.
    Mas se eu cortas os pulsos vai cauterizar na hora,não vai me acontecer nada kkkkk

    Pois é,voce e a Débora são os maiores fãs de Star Wars que eu conheço,se voces estão falando que o filme é uma obra de arte,eu vou acreditar em voces,e quando eu vejo o tipo de gente que ficava hateando,eu tenho a CERTEZA que o filme é realmente uma obra de arte. Po,o episódio da mosca é um dos melhores!

    • Horários SEMPRE fodem. Por isso eu optei por ir na pré-estréia. Meia noite, não tem nada que atrapalhe kkkkk

      Pode assistir tranquilo. E, quando ver, volte aqui!

  • FINALMENTE ASSISTI!!!!
    Ótima crítica, Jipeiro.
    Eu gostei MUITO do filme.
    Eu gostei bastante da Rey, do Kg Ren, achei o Dameron legal e o Luke INCRÍVEL!
    O período na ilha dos Jedi foi o que eu mais gostei no filme (juntamente com o final).
    Achei a participação do Supremo Snoke bem “triste”… Mas, acho que isso servirá bem no futuro.
    PS.:Estou sendo meio vago dentro da tag porque tenho medo que alguém passe o mouse sem querer e leia o que não deva.
    É. Spoilers são contra a minha filosofia.
    Eu não sabia sobre os trabalhos anteriores de Rian Johnson. Acho Looper bem legal.
    Mais uma vez ótima crítica!
    ( E feliz ano novo à todo o mundo ae!)

  • Aragorn II, King of Gondor

    Mano, eu demoro demais pra responder as pessoas. Desculpe… kkkk!

    Correspondeu sim, mano! Hahaha…
    Eita, eu não comentei no grupo? Caraca, eu sou muito lerdo. Kkkkkkkk! É que eu falei sobre o filme com tanta gente pelo whatsapp que acabei achando que já tinha mandado lá. Depois de um tempo, fiquei na dúvida, mas achei que era melhor não mandar nada do que mandar duas vezes. Sorry… 😛

    Expectativas honradas. Valeu pelo Hype… huahauahauahua!

    Pois é, mano! Apesar de ter gostado MUITO do filme, eu tô com algum receio sobre a demora dessa trilogia em responder perguntas essenciais. Já acho que nem responderão, para falar a verdade!
    Também tenho refletido um pouco sobre as respostas que o filme DEU, mas que, ao meu ver, não combinaram tanto com o proposto pelo antecessor, ainda que eu tenha gostado. Digo… eu achei o drama em cima dos pais da Rey um tanto desnecessário, tendo em vista a resposta. Digo… pra quê o esforço em tirar a palavra ”Rey” da boca do Alec Guinness, de forma que o próprio Obi-Wan falasse o nome dela, se a origem dela é tão… simples? Um casal qualquer que trocou ela por bebida…
    Entre outras questões afins.
    Do fundo do meu coração, espero que eles respondam essa questão sobre a origem do Snoke. É OBRIGAÇÃO que isso não fique para os livros, séries e derivados. Se não, vai ser a maior derrapada dessa nova trilogia

  • Aragorn II, King of Gondor

    Trinta minutos de filme que, ao meu ver, além de não darem em NADA, nem tiveram sentido lógico na trama, já que, se a tal da Almirante Holdo não tivesse ocultado o plano sem motivo, nada daquilo teria acontecido…
    Senti que o roteiro se flexionou para levar os personagens a um lugar e fazer uma crítica social. Apesar de não ter me incomodado na hora, pensando depois, fiquei lembrando disso o tempo todo. Se for rever, então, como faço com toda a saga, ferrou-se!

    Então, eu teria gostado porque faria o núcleo dele ter alguma RELEVÂNCIA! Kkkkkkkkk! Tipo, ele não teve a menor importância durante o filme todo. Só bateu na Phasma.

    Então, sobre a revelação da Rey… eu gostei pra caralho na hora. Mas, lendo algumas coisas depois, eu tenho ficado pensando… se fosse pra ela ser uma ”ninguém”, acho que teria sido melhor se seguissem aquela teoria de que tinha sido uma ”ex-aprendiz” do Luke. Porque ajudaria a justificar os poderes meio exagerados dela no filme anterior (mindtrick, leitura de mente, surrar o Kylo). Mas, enfim, acho que foi o JJ que já falou que podem explorar a origem dela ainda, então vou esperar.
    Só deixo a reflexão… pra quê tirar ”Rey” da boca do próprio Alec Guinness se a origem dela era essa? :/

    Mano, nesse filme, eu acho que ele deu a maior demonstração de poder de todo o cânone! Hahaha… o cara é FODA! É claro que ele não é O CARA mais poderoso que a gente já viu na Galáxia, até porque, temos Snoke, Vader e Imperador (ainda que eu ache que o Luke já superou o pai a essa altura do campeonato, ao menos o pai pós-fatiamento), mas ele se cravou como F-O-D-Ã-O nesse filme. Fiquei feliz demais com o Hamill!

    Sobre o treinamento… mano, eu acho que os principais problemas do filme estão nas conexões dele com o VII, infelizmente. Essa do Snoke é um exemplo; dei outro sobre a Rey acima. Não sei se concorda comigo.
    (SIM! Seria ideal, porque, sério, responder todas as questões no 9 vai ser BEM difícil).

    Kylo ARREBENTOU mesmo! Quero ver ele com destaque PRA CARALHO no próximo filme, apesar do Snoke provavelmente voltar.

    HMMM… excelente teoria. A ”última etapa” do treinamento seria mostrar que estava determinado a matar o próprio mestre. Seria fantástico se fosse isso!

    Se esse terceiro filme tiver menos que 2:15, meu hype já cai para 0. Estou avisando… kkkkkkk! Precisa responder MUITA coisa. Precisa ser FODEROSO!

    Pois é, mano! Além do quê, o próprio Kylo VIU o sabre azul quebrando, porra! Será que ele não desconfiou nem um pouco? 😛
    Tudo bem que não seria o primeiro pensamento dele na situação, mas, porra, mais um motivo pra usar o verde. ERA SÓ MUDAR A COR, CARALHO! PORRA, DISNEY!
    Acho que eles queriam tanto seguir a ideia do Rian Johnson do filme ter aquela paleta de cores de azul-vermelho-preto-branco que descartaram a ideia. CAGADA!

    Dependendo do que o Episódio IX apresentar, minha nota pode cair um pouquinho, mas espero que se mantenha… hahaha!

    • “Só deixo a reflexão… pra quê tirar ”Rey” da boca do próprio Alec Guinness se a origem dela era essa?”
      Mano, faço de suas palavras as minhas. Tipo, os caras tem um grupo de roteiristas, não é possível que deixariam isso (e as outras coisas que citou no seu comentário) escapar.

      Snoke? Snoke é poderoso na minha rola. O cara não fez nada. Também acho que o Luke se tornou mais poderoso que o pai. Em ordem, acho que temos Yoda, Luke, Vader e Imperador como os mais poderosos.

      Eu vi uma galera reclamando sobre as conexões que esse filme tem com o VII, e, assim como você, eu concordo. O JJ deixou um terreno perfeito pros caras trabalharem em cima, e o Rian jogou tudo fora. Pegou apenas o que achou conveniente. Diferente da trilogia clássica e da própria trilogia prequel, essa terceira trilogia deve pecar em um aspecto crucial: a organicidade. Não será uma história linear, contada em três filmes, infelizmente. Mas, mesmo assim, não deixa de ser um excelente filme.

      Se o 9 não for FODEROSO, interligando absolutamente tudo, temo em dizer que essa pode ser a trilogia mais decepcionante de Star Wars. Não pela qualidade, já que os dois primeiros filmes são excelentes, mas sim pela não-utilização de conceitos apresentados e por desobedecer o hype do pessoal. Também acho que 2h15 é muito pouco tempo. Podia ser tipo um Retorno do Rei esse episódio 9 né? kkkkkkkkkk

      Dependendo do 9, minha nota pode cair um pouquinho também. É torcer pra que isso não aconteça.

      • Aragorn II, King of Gondor

        Sim, mano! Tipo… na real, queria saber qual foi o nível de liberdade que o Johnson e os outros roteiristas tiveram para escrever esse filme. No que se refere ao roteiro, acho que deveriam ter sido os mesmos caras a escrever, pelo menos, um esqueleto de toda a trilogia, definindo esses fatores importantes. Se essa for, REALMENTE, a origem da Rey, várias cenas do Episódio VII vão perder em sentido e verossimilhança.

        Kkkkkkkkkk! Acho que é capaz do Serkis ter trollado todo mundo falando sobre o Snoke… hahaha! Concordo com a ordem que citou. Acho que seria exatamente isso, com, talvez, o Kylo em quinto (ou não, digo isso pelos poderes demonstrados no Episódio VII, mas, considerando que ele levou um cacete da Rey…)

        Sobre as relações com o Episódio VII… resumiu o que eu penso, mano. Perfeito. Mesmo que o JJ faça um trabalho exemplar nesse último filme, acho impossível que todas as pontas sejam devidamente atadas, relacionando toda a trilogia. A não ser que o filme seja exatamente isso: um O Retorno do Rei… kkkkk! Precisariam de umas boas três horas pra interligar tudo, desenvolver todos os personagens que ainda precisam de desenvolvimento e, ainda assim, ter um resultado satisfatório enquanto filme. Seja como for, eles têm um árduo trabalho pela frente, ainda mais considerando-se a recepção mais morna desse filme, e o possível flop do filme do Han Solo, que podem afetar o desempenho desse desfecho.

        Espero que o 9 só melhore a trilogia, mas não vai ser fácil.

  • cleber