Vinte e oito dias, seis horas, quarenta e dois minutos e doze segundos – é quando o mundo irá acabar.

Como visto acima, é possível perceber que Donnie Darko é cheio de frases marcantes, mas não apenas frases, e sim o filme inteiro é inesquecível para muitos. Mesmo sendo um fracasso em bilheteria, criou-se em cima deste longa uma grande legião de fãs. Alavancou a carreira de Jake Gyllenhaal e é o trabalho mais conhecido do diretor Richard Kelly.

Donald Darko é um rapaz perturbado, que, em uma noite é acordado por um “coelho” imaginário. Ele diz para o rapaz que o mundo irá acabar, e além disso, o ser aparece para Darko muitas outras vezes durante o longa.

Enquanto Donnie conversa com Frank, a sua visão, a turbina de um avião cai em seu quarto. Darko não morre graças a Frank, que o acordou. Ele cobrará “favores” por isso, que serão essenciais para a trama.

Toda criatura nesse mundo morre sozinha.

Não contarei mais detalhes sobre a trama do filme para não assassinar a experiência de quem está lendo e planeja vê-lo.

A atuação de Jake Gyllenhaal é excepcional, sabendo transpor a insanidade de Donnie para o espectador de uma excelente forma. Jena Malone interpreta Gretchen, uma garota que fugiu com sua mãe pra Middlesex (cidade fictícia do longa) e acaba sendo namorada de Darko.

Jim Cunningham (interpretado por Patrick Swayze) é um personagem misterioso que faz vídeos para ajudar as pessoas a controlar seus medos e é idolatrado por uma das professoras de Donnie. Ao final do filme, o ator nos entrega uma atuação excelente, conseguindo transpor toda a tristeza de seu personagem.

Eu acho que você é o Anti-Cristo.

Em geral, as atuações de todos os atores em seus papéis estão excelentes, conseguindo dar humanidade e naturalidade para os personagens.

A trama é bem trabalhada e complexa. No início, você não entende muito do filme e nem tem expectativas, não sabe o que esperar, e tudo vai se desenrolando até chegar no final, onde o espectador é completamente surpreendido pelo desfecho. Porém, por ser um dos primeiros filmes de Kelly e ele não ter muita experiência como diretor, algumas cenas e takes ficam um pouco desconexos, dificultando o entendimento, além de haver algumas cenas relativamente longas.

Você acredita em viajem no tempo?

Donnie Darko ocorre em 1988 e a trilha sonora é limitada até nas músicas, mas mesmo assim, ela é muito bem encaixada e utilizada. Um exemplo é Head Over Heels, da dupla de new wave conhecida como Tears for Fears. Além disso, o filme contém uma trilha orquestrada, dando uma emoção maior para certo momentos.

Possuindo muitas teorias e diversos simbolismos dentro do longa, Donnie Darko é um filme que exige atenção do espectador. Cada detalhe é importante para o desenvolvimento da trama e para aumentar sua complexidade.

Um dos melhores e mais importantes filmes deste século, se tornando um clássico aclamado por muitos. Ele precisa ser assistido, mesmo que você acabe não gostando.

– Por que está usando essa fantasia idiota de coelho
– Por que está usando essa fantasia idiota de homem?

Crítica feita com a colaboração de Thiago Ranieri (Herbie)

Donnie Darko – EUA, 2001, cor, 113 minutos.
Direção: Richard Kelly. Roteiro: Richard Kelly. Produção: Adam Fields, Nancy Juvonen e Sean McKittrick. Música: Michael Andrews. Cinematografia: Steven Poster. Elenco: Jake Gyllenhaal, Holmes Osborne, Maggie Gyllenhaal, Drew Barrymore, Noah Wyle, Patrick Swayze, Jena Malone, Mary McDonnell, Ashley Tisdale, Daveigh Chase, James Duval.

Compartilhe

Sobre o Autor

Lucca de Paula

12. Aspirante a escritor (mesmo que procrastine muito), fã de HQs, videogames, livros, filmes e diversas outras coisas.

  • Ótima crítica (99% da crítica é sua rs)!
    Esse filme é excelente. Eu to viciadão em Head Over Heels por causa dele também kkkkk

    • Ah, tu ajudou pra caramba, Herbie. Me deu uns toques muito bons.
      E é impossível não se viciar em Head Over Heels rs

  • Mr. Doom

    Excelente crítica.

    Já tem um tempinho que vi esse filme, mas do que me recordo, é muito bom. Jake Gyllenhaal manda bem demais.

    • Só assistir uns dois filmes dele (Donnie Darko e O Abutre (que recomendo muito)) e ambos ele tá foda.

  • Aragorn II, King of Gondor

    FENOMENAL! Crítica excelente, Death. Vou TENTAR assistir esse final de semana. Parece fantástico, e é um dos seus favoritos, logo, acho que devo gostar.

    • Vlw, Didi.
      Tente o máximo o possível. Ele é espetacular. Nota 10.
      E é o meu favorito.

    • Caralho. Não estou sozinho (2)

  • Sempre me lembro de Donnie Brasco, excelente filme de máfia, quando vejo o título desse Donnie Darko. Ainda não vi. Ótimo texto.

  • Excelente texto, Death.
    Me pareceu um filme bem interessante. Já perdi as contas de quantas vezes me indicaram esse filme, mas não assisti. Tenho que tirar um tempo.
    Aliás… Dizem que não se entende ele o assistindo uma única vez. É sério isso? Pelo texto não me apareceu algo muito complicado. Deve explodir cabeças, ao estilo Matrix.

    “– Por que está usando essa fantasia idiota de coelho
    – Por que está usando essa fantasia idiota de homem?”
    Genial.

    • Bem, sou um dos raros casos que conheço que eu entendi da primeira vez e entendi mais ainda na segunda kkkk
      Mas é complicado mesmo. Tem que prestar atenção em absolutamente tudo.
      E explode mais que Matrix, na minha opinião.

  • Dave Mustaine Asgaardiano

    Ótima crítica. Gosto muito desse filme,tudo bem que ele acabou virando uma modinha de uns tempos pra cá e se tornou o rei dos pseudo-cinéfilos,mas nada disso tira o mérito desse filme. O filme em si é extremamente interessante,é bem complexo,tem bastante simbolismo,vários diálogos filosóficos,daqueles que realmente não dá pra entender p**** nenhuma quando se assiste pela primeira vez,mas é fantástico. A atmosfera sombria,misteriosa e depressiva que esse filme cria é espetacular,ressaltada pela excelente trilha sonora,a trilha instrumental já é fantástica,e o uso de músicas New Wave/Pós-Punk/Gothic Rock ajudou mais ainda na criação da identidade completamente única do filme. O filme já me pegou logo nos primeiros minutos com a excelente The Killing Moon do Echo And The Bunnyman,e depois ainda tem Head Over Heels do Tears For Fears,Under The Milky Way Tonight do The Church,Love Will Tear Us Apart do Joy Division,e pra fechar o filme com chave de ouro,Mad World,do Gary Jules.

    • Vlw, Dave.
      Bem, eu entendi até que bastante coisa quando assisti pela primeira vez, mas entendi mais ainda quando assisti da segunda.
      E Mad World do Gary Jules é um dos melhores covers que já vi.

      • Dave Mustaine Asgaardiano

        Mas você foi pesquisar por explicações antes de ver o filme?

        • Não. Não sabia de quase nada do filme antes de assistir.