Aviso: A resenha contém spoilers

Batman: Silêncio (Hush em inglês) é um dos maiores clássicos do herói neste século, cujo roteirista é Jeph Loeb e desenhista é Jim Lee. A HQ começou em 2002 e foi finalizada em 2003.

A HQ fala sobre um misterioso vilão chamado “Silêncio”, que tem uma obsessão sinistra pelo Morcego de Gotham. Tudo começa quando o homem morcego precisa resgatar um garoto rico que foi sequestrado. Feito isso, quando estavam saindo do cativeiro, Batman e o garoto foram surpreendidos pelo vilão Crocodilo que era o responsável pelo sequestro. Batman ganhou, mas durante a luta, Selina Kyle, a Mulher Gato roubou uma maleta que continha o dinheiro do resgate que foi exigido para libertar o menino.

Ao persegui-la, Batman lança a ”Batcorda”, que misteriosamente é cortada e Batman cai, fraturando seu crânio. Onde ele caiu era um lugar com muitos mendigos que atacaram o herói. Então a Caçadora é chamada para levar o Batman até a Batcaverna para Alfred Pennyworth ajudá-lo.  Sem conseguir falar, Bruce então se comunica com Alfred por Código Morse para chamar um velho amigo chamado Thomas Elliot, que se tornou um neurocirurgião renomado.

Recuperado da cirurgia, Batman recomeça as investigações e descobre que Selina Kyle estava sob controle de Hera Venenosa, que fugiu para Metrópolis. Lá, Batman e Mulher Gato se deparam com a vilã e descobrem que ela controlou a mente de Superman. Usando diversos truques, ele derrota o herói do amanhã e juntos conseguem deter Pamela Isley.

De volta a Gotham, Bruce Wayne, Selina Kyle, Leslie Thompkins e o Dr. Thomas Elliot vão à ópera. Depois de um tempo, Arlequina aparece no palco para roubar o público presente no espetáculo. Ao persegui-la, Thomas Elliot é supostamente morto pelo Príncipe Palhaço do Crime, o Coringa. Batman fica enraivecido e quase mata o vilão. Mas aparece o ex-comissário do DPGC, James Gordon e acalma o herói.

Depois Batman descobre que seu computador foi violado e confronta seu antigo amigo Harold, que era um mecânico que trabalhava na Batcaverna. Ele confessa que se “vendeu” a Silêncio e, de repente, Harold é morto pelo vilão.  Em seguida, Batman descobre que Silêncio era Thomas Elliot e então os dois começam a lutar. Durante isso, surge um renovado Harvey Dent, anteriormente conhecido como o vilão Duas Caras, e então atira no Silêncio que foi dado como morto. No fim, Batman consegue desvendar o mistério.

De repente, Tim Drake, o terceiro Robin, é raptado por seu antecessor, Jason Todd, que havia sido morto no evento chamado de “Morte em Família”. Depois de lutar com Jason, Batman descobre que na verdade era Cara de Barro que estava se disfarçando com o antigo Robin. Durante o funeral de Elliot, Bruce Wayne conta para Dick Grayson, primeiro Robin e atualmente o Asa Noturna, que não foi o Coringa que matou Thomas, e sim um inimigo misterioso, que aparece em todos os lugares. Tempo depois, Batman impede que o Charada faça um roubo e investiga alguns vestígios que o leva para um de seus inimigos, Ra’s Al Ghul. Depois disso, Selina Kyle é atacada pela Caçadora, que estava sob efeito do Gás do Medo do vilão Espantalho.

Porém, com o mistério resolvido surge outro: A cova de Jason Todd está vazia e seus inimigos recusaram contar o que aconteceu com o corpo do falecido Robin. Isso levará a uma futura saga do herói: Sob o Capuz.

O roteiro de Jeph Loeb e os desenhos de Jim Lee  estão muito bons e combinaram bastante com as cores utilizadas. A trama soube explorar bem o mistério na historia, deixando o leitor curioso sobre o rumo que a HQ irá tomar, mas infelizmente, o mistério é relativamente fácil de ser resolvido. A história faz bom uso da mitologia do Batman usando os personagens de forma muito boa. Porém, isso pode confundir quem é novo no mundo dos quadrinhos e por isso não acho que é uma boa história para começar neste universo.

O vilão principal é original deste arco , o que traz um frescor para a história. É interessante porque não sabemos nada sobre o personagem, não entendemos sua motivação e não sabemos o porquê ele se tornou aquilo que ele é, coisa que seria mais explicada ao decorrer da história.

Se Clark quisesse poderia usar sua superforça e me esmagar contra o concreto. Mas eu sei como ele pensa. Muito mais que a Kryptonita. Clark tem uma grande fraqueza. Bem no fundo, ele é essencialmente uma boa pessoa, e no fundo eu não sou.

Batman – Silêncio (Hush) Publicado originalmente nas edições 608 a 619 de Batman – EUA – 2002 a 2003, DC Comics). Roteiro: Jeph Loeb. Arte: Jim Lee. Arte-final: Scott Williams. Cores: Alex Sinclair. Editor original: Bob Schreck.

Compartilhe

Sobre o Autor

Lucca de Paula

12. Aspirante a escritor (mesmo que procrastine muito), fã de HQs, videogames, livros, filmes e diversas outras coisas.

  • Herbie: The Love Bug

    Boa resenha,Death. Eu gosto desta história,mas acho que uma hora ou outra o desenho do Lee peca as vezes. A trama de “vilão misterioso e o herói precisa descobrir sua identidade” se repete aqui mais uma vez. Apesar de não chegar perto de Longo Dia das Bruxas e outras HQS antigas do Loeb,é uma boa história. Acho que ela é um bom início pra quem quer começar a ler quadrinhos. Já que tem aqueles quadrados que dão uma resumida sobre quem é quem.

    • Bem, como está na resenha, eu disse que não é tão bom começar por ela quando se lê HQs pelo extenso número de personagens, mas aí é opinião.
      E bem, essa foi uma das primeiras HQs que li, então é como o ditado, faça o que eu digo, não faça o que eu faço kkkkkkkk

  • Mr. Doom

    Ótima resenha.
    Foi uma das primeiras histórias que li do Cruzado Encapuzado. O Silêncio é um vilão muito bem construído, além do uso da galeria de vilões do Batman. Por sinal, este último fator não é inédito nas histórias do Loeb, visto que ele também o utilizou em “Long Halloween”. Não é melhor do que outras histórias do autor como a citada, mas tenho um carinho especial por ela pelo fato de ter sido uma das primeiras HQs do Batman que li.

    • Acho que muita gente lê essa HQ como uma das primeiras rs

      • Herbie: The Love Bug

        Também,foi lançada em 2002 e 2003 kkkk

        • Eu nem nascido era ainda de qualquer jeito kkkkkk

          • Herbie: The Love Bug

            kkkkkkk

  • Aragorn II, King of Gondor

    Cara, eu tenho um carinho bem especial por esta história, apesar de ela ter algumas falhas. O Silencio é um vilão muito legal, bem desenvolvido no quadrinho, apesar de eu achar que o destaque mesmo é a galeria de vilões do Morcegão, que é usada com louvor ao longo das páginas.

    Ótima resenha, Death.

  • Ótima resenha, meu amigo!

    Silêncio é uma boa história, mas é a mais fraca que Jeph Loeb escreveu para o Morcego, usando essa proposta de mistério (o mesmo foi usado nos excelentes O Longo Dia das Bruxas e Vitória Sombria).
    Acho que o melhor do quadrinho é a arte do Jim Lee, que estava na moda naquela época. Gosto do jeito que o Loeb explora bem o grande panteão de vilões do Batman (assim como nas duas outras histórias), porém é uma repetição de conceitos que acabam não ajudando na “novidade” que a saga quer transmitir, apresentando um vilão completamente novo e tudo mais. Mas o saldo é mais positivo do que negativo.

    • Tô vendo essa repetição de comentário kkkkkk. Memória aqui é boa rs.
      Também acho que é a mais fraca que o Loeb escreveu, mas é muito melhor que algumas pérolas como Ultimato.

  • Dave Mustaine Rebirth

    Muito bom (re)ler suas resenhas.
    Eu gosto bastante de Silêncio,é uma história bem divertida,o ponto forte é que ela vai fundo na infinita galeria de vilões e coadjuvantes do Batman,mas tem duas que me incomodaram: o fato do Batman ficar todo distraído pensando na Selina e a revelação completamente prevísivel da identidade do Silêncio. Construiram todo aquele suspense para algo que estava óbvio desde o começo.

    • Também não gostei desse Batman distraído. Por mais que seja um pouco mais humano isso acontecer, descaracteriza o herói.