O ÚLTIMO TROVÃO
Capítulo 1 – Sórdido Desfecho


O céu clareou, radiante em meio à soturnidade, como nunca antes na história humana. Fez com que todas as almas gritassem em conjunto, naquele considerado como o último som produzido por todo o panteão de corpos residentes, agora já sem vida. O chão tremeu, sismo igualmente a um robusto e inesquecível terremoto, e perdeu sua estabilidade, durante patifes e míseros milésimos de segundos. O estrondo mastodôntico, efetuado a partir de um gigantesco e imponente raio, fincado sobre o solo, durante a luta de dois dos maiores titãs da contemporaneidade, fez o mundo dormir, para nunca mais acordar. Homens e mulheres comuns, de todos os tipos de idades, sucumbiram perante o poder daqueles dois fervorosos e emasculados seres. Considerados, durante muitas eras, deuses, que tempos antes andavam silenciosamente entre nós, acaçapados e temorosos, e desde quando deram às caras, trouxeram problemas para o pobre povo da Terra — povo esse que jamais desejou suas incômodas e imperfeitas presenças; rogavam e transpareciam querer transmitir heroísmo, todavia trouxeram ainda mais terror e inquietação devido às suas estadas.
ㅤㅤUma mão branca se esticou, débil e vagarosamente, e apoiou-se sobre o gélido e agora estático chão. Sua epiderme encontrava-se manchada de sangue — de si próprio e das pessoas à sua volta. As cicatrizes fundas agora ganhavam mais notoriedade e a culpa entranhada sobre sua mente auferia ainda mais destaque e peso. Algumas pequenas pedras, que antes formavam a estrutura linear da superfície pavimentosa, agora estavam espalhadas metros ao lado, separadas bruscamente de seus estados originais, providos pela união e estabilidade de seus átomos. Um olho castanho enxergava toda aquela destruição com desdém, constrangido e arrependido demais para concentrar suas forças em outra coisa. Nenhum corpo foi capaz de perpetuar-se ali, além das constituições físicas, resistentes, de outros seres poderosos presentes no local — já falecidos, com exceção de um. Foram evaporados instantaneamente no confronto, como uma gota d’água caindo em uma chapa-quente.
ㅤㅤAntes do clarão e do poderoso raio, os pedaços de carne ambulantes estavam sob ataque de uma feroz criatura mística, afeiçoada aos antigos deuses-magos que, com sua doutrina maléfica e inescrupulosa, visava escravizá-los e puni-los, como nenhum preceito humano fora capaz de fazer ao longo dos anos, instaurando um novo Império — seu novo Império — e reivindicando o que achava ser seu: o direito sobre a vida dos mortais. Um antigo mago, ancestral comandante de sua vida mágica, havia, milênios antes, o aprisionado, retalhando sua índole e mal-feitos perante os seres de sua própria raça. O ente baseava-se na junção dos corpos de dois progênitos escravos hebreus, que posteriormente tornaram-se um só: Aman e Adão, os primeiros escolhidos para proteger a humanidade.
ㅤㅤOs segredos mais antigos dos povos, relacionados a todas religiões existentes, guardavam os sigilosos desejos por proteções e zelos suprassumos. Vontade intrínseca, relacionada à vida de todo tipo de pedaço de carne. Segundo as lendas antigas, a criatura mística em questão, após ser impedida por seu altíssimo mestre, fora punida por seu ímpeto narcisista que negava suas atuais obrigações. A magia e feitiçaria, desde então, caíram no esquecimento da maioria dos habitantes do planeta e durante eras permaneceram deslembradas; até que um dia, um cientista maluco contemporâneo, em busca de conhecimento e poder, descobriu a tumba onde a criatura sombria permanecia enclausurada e, ingenuamente, a libertou. Um garoto então, quando a hora chegou, foi escolhido às pressas para ganhar as melhores habilidades existentes, dos deuses e semi-deuses mais poderosos que já existiram na mitologia e trajetória carnal. Esse tal garoto não possuía a alma mais pura do mundo mas, com o tempo, aprendeu a noção do que era certo, criando um inquebrável e persistente caráter. Com uma palavra mágica, ele adquiriu seus poderes e, assim sendo, protegeu e zelou pela humanidade durante décadas. Rogando duas simples sílabas, fazia seus mais terríveis inimigos se ajoelharem aos seus pés. Tornou-se o novo escolhido, chamado por muitos de hodierno Messias.
ㅤㅤOs dois titãs já haviam se enfrentado várias outras vezes. O garoto, que ganhara as habilidades dos deuses, fora incumbido de enfrentar essa mesma criatura em seu primeiro combate, como prova violenta, didática e inesperada dos aprendizados de suas poderosas habilidades. Ali estavam eles agora, caídos no chão, cercados por almas mudas e diminutas, marcando o derradeiro e mais cruel confronto entre eles. A alguns quilômetros de distância do local, os primeiros, e restantes, pedaços de corpos podiam ser contemplados, em uma verdadeira e, infelizmente, real prova da destruição que poderiam causar. Uma gigantesca cratera separava as duas poderosas divindades, que encontravam-se praticamente mortas e finadas. Ainda assim, a força de vontade de ambas, promovida por seus próprios ideais — maléficos e odiosos, ou não —, os fizeram recuperar a lucidez e se levantarem mais uma vez.
ㅤㅤO nariz, agora montado a ossos despedaçados, do que vestia vermelho sangrava, e as gotas grossas caíam perante sua vestimenta. Mesclavam-se à coloração de sua roupa, dando uma completa impressão de absorção das fraquezas que escapavam de si. A outra entidade, que portava um uniforme completamente enegrecido, levantava cambaleando, com um sorriso pernicioso cravado em sua vil face parda. Trajava preto pois carregava a ausência de luz dentro de si, a completa escuridão, que transmitia todo o vácuo de esperança que sua presença era capaz de trazer. As únicas luzes produzidas ao seu redor vinham de seus poderes assustadoramente perigosos e elétricos.
ㅤㅤOlho no olho, as divindades já se encaravam. Um ainda de joelhos, o outro já de pé, pousando com um temível e agraciado dom de soberania — tal alcunha corria por teu sangue, não tinha como ser diferente. O vermelho cuspiu em direção chão, sucinto, uma saliva rubra, mistura atroz de sua atual circunstância.
ㅤㅤ— Você é patético, garoto! — bravejou a divindade das trevas, rangendo os dentes. — Lutou para proteger o seu povo e foi incapaz de tal feito. Estariam decepcionados contigo, se pudessem conferir esta patife cena.
ㅤㅤAinda de joelhos, a perna direita do Relâmpago Vermelho possuiu forças o suficiente movimentar-se, saindo do conforto e pressionando o solo rachado. Em seguida, a perna esquerda realizou o mesmo movimento, acompanhada pelo resto do corpo, que ergueu-se ainda tomado por uma certa dificuldade. Escarlate como teu indumento, o Relâmpago Acerejado residia agora de pé, assim como seu adversário, a face fechada guardando uma raiva imensurável.
ㅤㅤTua cabeça não pensava bem, devido às inúmeras pancadas sofridas, mas permitiu-se observar novamente ao seu redor, uma outra vez que tudo lhe ocorreu, num átimo que pareceu durar mais que um éon. Seu mundo não existira mais como antes — e, como imaginou, jamais conseguiria se reerguer à acostumada fórmula. Maneando a cabeça, ele via apenas destruição e soturnidade. Antigos amigos, companheiros de combate e todo o resto, estavam no chão, estirados e entregues à morte, ou desintegrados — seus espectros pareciam, porém, ainda permanecerem ali, para que pudessem julgá-lo por não conseguir protegê-los. Perto dele, topavam alguns membros de sua família, também formada por pessoas poderosas: Mary, Freddy, Pedro, Darla, Eugene… e o pequeno Richie. Todos no chão. Silenciosos. Mortos.
ㅤㅤSuas sobrancelhas se encontraram, indicando a ilimitada raiva interior que tomava conta daquele corpo — antigamente inocente, repleto de frescor e vivacidade. Uma raiva prestes a explodir e produzir mais um poderoso e bárbaro raio. Não havia mais nenhuma alma para ser poupada. Seu precioso mundo de papelão era composto por rochas insondáveis e fortes, pelas quais não deveria expor o mínimo de cuidado. Tudo estava liberado, mesmo que essas palavras parecessem cruéis em sua mente. O planeta presenciava um de seus mais cruéis pesadelos.
ㅤㅤ— A humanidade não existe mais — voltou a bradar a criatura negra — Finalmente ela está à salva. À salva de si mesmo e de todo o pecado de seus corpos e almas. — Sua saliva esvoaçava com robustez e gosto, e o sorriso não parecia querer sair de seu rosto sangrento.
ㅤㅤUm longo suspiro ocorreu, enquanto o ser advindo da escuridão iniciou uma gargalhada triunfante. Ele havia vencido, finalmente, e todas as épicas batalhas ocorridas no passado não haviam valido de nada. Tudo e todos não existiam mais. Até os heróis mais poderosos e destemidos do mundo, anciões membros do grupo de companheiros do Relâmpago Vermelho, sucumbiram ao penúltimo trovão que os seres terrestres puderam conferir. O Armagedom se iniciou e foi finalizado em menos de um único segundo. Um único relâmpago, que foi capaz de transformar tudo em cinzas, acompanhado de um horripilante trovão. O que restou da fauna e da flora interplanetária estava prestes a tornar-se escasso, de vez. Isso viraria história, se a existencialidade permanecesse em tal solo terrestre deteriorado.
ㅤㅤ— Vamos… diga a palavra! — franziu a testa, o nervosismo sobressaindo em cada singela onda sonora. — Acabe logo com isso, garoto! E admita, enfim, sua derrota perante seu maior inimigo.
ㅤㅤO Relâmpago tremia, ferindo com o que restara de suas unhas a própria carne que revestia a palma de suas mãos.
ㅤㅤ— Diga a palavra. Diga agora!
ㅤㅤ— SHAZAM! — O ser vermelho gritou.
ㅤㅤE outro grande clarão aconteceu.


Inspirado nos personagens da DC Comics.
Shazam foi criado por Bill ParkerC. C. Beck.

Referências:

Shazam: Com Uma Palavra Mágica, por Geoff Johns e Gary Frank.
– Conto em alusão a Batman: O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller; e Reino do Amanhã, de Mark Waid e Alex Ross.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema, games e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Chego no site lendo um texto desse, já sei que vou ficar aqui eternamente. Descobri ele graças ao Disqus Digests que recebo no meu e-mail. Um site cheio de posts teus, do Pedro e do Rodrigo? Caraca, é bom demais pra ser verdade. Deveria ser santíssima trindade ponto com HUEAUEUAHUAH mas enfim, gostei muito do que li e já aguardo ansiosamente pelo resto dele.

    • Sério que você gostou, Black? Fico muito honrado, meu amigo!
      Que bom que gostou do site. Ele inaugurou oficialmente ontem! kkkkkk
      É um projeto nosso; espero que dê certo!

      E agradeço muito os elogios. Espero que goste dos próximos capítulos dessa história!

      • Gostei demais. Das referências eu conheço Cavaleiro das Trevas e Reino do Amanhã. E apesar de não ter lido essa do Shazam, manjo o suficiente da mitologia dele pra pegar as inspirações. Tô torcendo pra que dê certo inclusive já podem contar comigo como leitor assíduo perturbando em todos os posts HUEAUEUAHUAH (Off topic: cara, tu e o Rodrigo são BEM diferentes do que eu imaginava HUEAUEUAHUAH)

        • Imaginou que fôssemos de que jeito? rs

          • Creio que é unanimidade que a gente tinha uma visão tua parecida com o León. Fora que jurava que tu e o Jipeiro eram um pouco mais velhos.

          • Pensou que eu tivesse que idade? E pela foto acha que tenho qual? rs Sou mais de uma década mais velho que o Jipeiro…rs

          • Sempre imaginei que você tivesse um pouco menos ou um pouco a mais que 30, agora acho que é um pouco menos

          • Tenho 32.

          • Quase acerto. Foi o seu nível de experiência que me fez chutar essa faixa etária.

        • Aragorn II, King of Gondor

          Off topic: eu também… huahuahuahua!

        • Hehehe… Vou tentar não decepcionar você. Prometo que vou tentar!

          Off: kkkkkkkkkkkkkkkkkk
          É quase um choque ver nossos rostos, não? Quando vi o do Rodrigo pela primeira vez estranhei também! kkkkkkk

          • Pensava que eu parecesse mais velho? Ou menos magro? rs

          • Lembra do seu antigo nick? Com uma foto do filme O Profissional?
            Não sei por que, mas pensava que parecia com o Jean Reno… kkkkkkk

            É igual o Pedro… Via ele antigamente com o rosto do ator que faz o Matt Murdock na série… kkkkkkkkkkkkkkkkk

          • Ghostface

            Eu jurava que ele era parecido com aquela foto de O Profissional. Quero ver quais vão ser as próximas surpresas.

            Ps: Eu ainda vejo o Pedro assim kkkkkkkk.

          • Kkkkkkkkkk É igual imaginar como locutor se parece. Sempre é diferente…rs

          • HUEAHUEHUEHA nunca ia imaginar que cê era tão novo (ou que pelo menos aparenta ser)

          • Eu fiz 19 anos recentemente. Acho que sou um pouco novo sim! kkkkk

          • Alá, pela sua foto eu te dava 17 no máximo HUEAHUEAHUEA

          • Eu tenho cara de ser mais novo mesmo! kkkkkkkk
            Todo mundo fala.

        • Ghostface

          Pensava que era o único kkkkkkkkkkkkkkkk.

  • Green Meanie Is Back

    Já li esse texto umas mil vezes e sempre arranjo uma desculpa para reler kkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Texto excepcional!

  • Muito bom, estou ansioso pelos próximos capítulos…

  • Lendo esse texto pela, sei lá, centésima vez e toda vez ele fica mais incrível. Parabéns, Sabixão.

  • Aragorn II, King of Gondor

    Que que eu falo dessa maravilha? FODA! Hahaha… nem sei quantas vezes li essa porra, mas parece cada vez melhor.

    • kkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Muito obrigado, seu porra!

      E, mano, conseguiu fazer seu perfil? Teve algum problema?

      • Aragorn II, King of Gondor

        Bom, eu consegui entrar, mas ainda estou tão cheio de dúvidas que não fiz nada… kkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Quando for inaugurar eu te pergunto tudo de uma vez, pode ser?

  • Excelente reler esse texto, meu amigo. Capturou muito bem a essência do Shazam. E esse gancho final ficou simplesmente incrível.

    • Muito obrigado, Rodrigo!
      Caso venha a ler os próximos capítulos, acredito que irá gostar.

  • Pingback: O Último Trovão: Hegemonia Mística()

  • Agente Smith

    Porra Jipeiro, ficou muito foda!

    Acabei descobrindo só agora esse texto, e já vou ler denovo porque ficou muito bom!
    Ansioso pra descobrir (bem depois de todo mundo kkkk) o restante dos outros capítulos.

    • Muito obrigado, Justiceiro!

      Fico muito feliz que tenha gostado. Não deixe de acompanhar os próximos!!!
      E, se quiser contar alguma história por aqui, sinta-se à vontade!

      • Agente Smith

        Não vou deixar de acompanhar, quando você quiser eu te conto alguns projetos de histórias que quero desenvolver, mudando de assunto, nunca pensei que seu nome fosse Victor kkkkk, e eu vou ser sincero: Não sei porque mas eu sempre te imaginei com a cara do Christopher Reeve ou do Mark Hammil quando jovem kkkkkkkk, deve ser as suas antigas fotos de Disqus.

        • Bem, estou com saudade desse tipo de conversa nossa! kkkkkkkk

          Pois é… Segundo o Pedro, é um nome de vilão!!! (Cortesia do nosso querido Victor Von Doom… kkkkkk)
          Parecido com eles? Eu sou ainda mais apaixonante… kkkkkkkkkkkkkkkk
          #narcisismo.

          • Agente Smith

            Kkkkkkkkkkk, Victor Von Doom não é ninguém perto de Victor Dourado

  • Pingback: O Último Trovão: Antagonismo Divino()

  • Pingback: O Último Trovão: Zeloso Protetor()

  • Pingback: O Último Trovão: Audaciosos Profetas()