Não sei se vocês sabem, mas eu sou COMPLETAMENTE apaixonado por uma franquia de jogos chamada Uncharted! Atualmente ela é bastante conhecida pelos jogadores de video game e sempre chamou muita atenção das pessoas pelos seus belíssimos gráficos. Com um aspecto peculiar dos jogos da atual Naughty Dog (empresa responsável também por outros jogos excelentes, como Crash e The Last of Us), o jogo consegue beirar a perfeição. Tudo é muito realista se tratando dos gráficos (com a capacidade das plataformas que ele roda, é claro). A história que permeia a saga também não é de se jogar fora; possui um tom aventureiro, muito parecido com os filmes do Indiana Jones (um personagem que amo, tá aí a explicação de eu gostar tanto assim desse jogo).

Em maio de 2016, a franquia ganhou um novo capítulo, intitulado Uncharted 4: A Thief’s End. Eu ainda não tive a oportunidade de jogá-lo, pois não tenho um PlayStation 4, mas assim que juntar um dinheirinho (o que pode demorar), pretendo adquirir o console, e sem dúvida nenhuma esse será o primeiro jogo que irei comprar. E aqui vai uma informação importante: A franquia é exclusiva da Sony, então não espere encontrar o jogo para XBOX, pois ele só existe para o PlayStation.

Uncharted: Drake’s Fortune narra a história de Nathan Drake, um arqueólogo/caçador de tesouros que, obviamente, caça tesouros. O primeiro jogo da franquia gira em torno da busca pelo El Dorado, tesouro que se encontra na América Do Sul. Drake possui ajuda de uma jornalista chamada Elena Fisher (que mais tarde acaba se tornando sua namorada) e do seu amigo e mentor Victor “Sully” Sullivan. Nosso querido Nathan acredita ser descendente de Sir Francis Drake, um antigo pirata e ajudante da rainha Isabel I da Inglaterra. Ele está disposto a encontrar o El Dorado a todo custo, nem que tenha que enfrentar piratas (que também estão atrás do tesouro) e criaturas sobrenaturais (uma espécie de “zumbis” que guardam o tesouro – e, mano, dá muito medo nessa parte; sério, me caguei todo).

Uncharted 2: Among Thieves é o melhor jogo de toda a franquia e, como o próprio nome já diz, é um “jogo” entre ladrões. Se passando anos após o primeiro, Drake aqui viaja até ao Nepal e os Himalaias em busca da cidade perdida de Shamballa, um local místico citado amiúde em textos sagrados e presente em diversas tradições do Oriente. No caminho Drake se depara novamente com outros concorrentes, e ambos não descansarão até encontrar a cidade sagrada. Nesse jogo temos a volta de vários personagens do primeiro, como Elena e Sully, e também a introdução de novos, como Chloe Frazer (um novo interesse amoroso de Drake), Harry Flynn (um ex-companheiro de Drake), e Zoran Lazarević, um criminoso de guerra sérvio e o principal antagonista da trama. Além de claro, mais criaturas sobrenaturais; só que dessa vez, em vez de “zumbis”, elas são espécies de “demônios” misturados com… sei lá o que.

Sendo totalmente sincero, eu nunca fui fã das aparições dessas criaturas sobrenaturais. Além de nos darem muitos sustos (o que dá um puta cagaço), elas não combinam muito com o jogo. Nele, tudo é tão real, e de repente aparecem demônios e zumbis que destoam muito de todo o resto. Sem falar que eles são difíceis de matar. Dá raiva em algumas horas!

Uncharted 3: Drake’s Deception foca-se na relação de Nathan com o seu mentor e figura paternal, Sully. O terceiro jogo leva o protagonista à procura de uma cidade mítica, a “Iram Dos Pilares” (também conhecida como a “Atlantis Das Areias”), além de explorar a fundo a infância do personagem (que desde pequeno se mostrou fascinado por tesouros).  Atlantis Das Areias é uma cidade em que o seu antepassado, Sir Francis Drake, já havia tentado procurar a pedido da rainha Isabel, mas abandonou esta missão achando que este lugar era um “inferno”. Esta nova aventura leva-o à Península Árabe e ao vasto deserto de Rub’ Al-Khali. Elena Fisher e Chloe Frazer aparecem de novo mas desta vez com papeis menos preponderantes. Introduz novos personagens como Charlie Cutter e Salim, aliados de Nathan, e Katherine Marlowe, Talbot e Ramesses, os principais antagonistas. Dessa vez não tivemos criaturas sobrenaturais, graças a Deus!

Uncharted 4: A Thief’s End, por mais que eu ainda não tenha jogado, darei uma breve resenha da história do jogo, que peguei na internet. A trama se passa três anos depois dos eventos de Uncharted 3: Drake’s Deception, Nathan Drake desistiu de ser um caçador de tesouros e tem uma vida normal com Elena. A sua rotina é interrompida quando Sam, o seu irmão mais velho que supostamente estaria morto, entra na sua vida a pedir-lhe ajuda para encontrar um artefacto pirata muito antigo. Drake é assim forçado a entrar de novo no mundo dos ladrões, com promessa de aventura e a oportunidade de ajudar um familiar.

Com seu caderninho de anotações sempre em mãos, para que possa auxiliá-lo em suas buscas e descobertas, Nathan Drake pode ter se tornado o maior caçador de tesouros da história.

Entre 2011 e 2012 a franquia também ganhou dois jogos avulsos, que se passam antes das aventuras vividas no primeiro jogo. Uncharted: Fight for Fortune e Uncharted: Golden Abyss foram desenvolvidos pela SCE Bend Studio e se encontram disponíveis apenas para PlayStation Vita.

Alguns rumores dizem que a aventura de Drake ganhará uma adaptação cinematográfica em breve, e eu acho que a franquia tem todo o potencial de se tornar um fenômeno. Bem, há algum tempo estúdios estão tentando emplacar sucessos cinematográficos baseados em jogos, como os recentes Assassin’s Creed, adaptação de um jogo da Ubisoft, e Warcraft, da Blizzard. Se tudo der certo, e eu torço para que dê, o projeto de trazer Uncharted para as telonas pode muito bem “sair do papel”. Se isso realmente ocorrer, Nathan Drake pode vir a se tornar o Indiana Jones dessa geração.

Ei, Sony, quer saber como adaptar essa franquia da forma certa, agradando aos fãs e ao público geral? É só adaptar o primeiro jogo FIELMENTE, que dá tudo certo (ou então excluam a parte das criaturas sobrenaturais; façam isso e ganharão mais pontos comigo), e depois faça continuações, baseadas uma em cada jogo seguinte. Não junte tramas de dois, três, ou quatro jogos em um filme só, porque isso pode dar muito errado. Faça um planejamento, que terão uma mina de ouro em suas mãos. Me digam aí… Quem não se interessa por caçadores de tesouros?

Franquia Uncharted (Uncharted Franchise) – EUA, 2007 até 2016. Gêneros: Ação e aventura, tiro em terceira pessoa. Desenvolvedoras: Naughty Dog, SCE Bend Studio, One Loop Games e Bluepoint Games. Distribuidora: Sony Computer Entertainment. Criadora: Naughty Dog. Plataformas: PlayStation 3, PlayStation 4 e PlayStation Vita.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema, games e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Rodrigo

    Cara, minha época de videogame morreu com o fim do PlayStation 1! Kkkkkk Ótimo texto. Esse jogo seria uma espécie de Tomb Raider? Só que com mais ação e menos puzzles? O filme vai sair mesmo, né? Um dos diretores de Stranger Things irá dirigir.

    • Tipo um Tomb Raider mesmo, só que mais frenético e carismático (Sully é o melhor personagem da franquia).

    • Estephano

      Uncharted possui várias influências, nos games tem Tomb Raider (a maior delas), Assassin’s Creed, Resident Evil (os novos) e etc. Outra influência bem visível é Indiana Jones como o texto dele falou, mas é BEM visível mesmo.
      É um jogo com mais ação do que Tomb Raider, mas tem vários puzzles também. Souberam mesclar muito bem isso. Pessoalmente, eu acho um jogo melhor que Tomb Raider.

      • O próprio Tomb Raider já era uma versão feminina de Indiana Jones. Essa é a influência mãe mesmo…rs

        Mas você acha melhor comparado a qual Tomb Raider? Eu parei de jogar com o fim do PlayStation 1 mas já li que as versões atuais da franquia são distintas daquelas antigas – assim como Resident Evil, que perdeu a característica survival horror quase que por inteiro. Gostava bastante dos três primeiros jogos justamente por serem muito de puzzles do que de ação.

        • Não conheço muito de Tomb Raider, mas do que vi, Uncharted é melhor.

        • Estephano

          Dos antigos mesmo, PS1, Saturno e PC… As novas eu joguei pouco.
          Tomb Raider foi reformulado nos jogos atuais, mas diferente de Resident Evil não chegou a perder quase que totalmente a essência. Tem mais ação do que antigamente, mas ainda mantém muito de suas características.

          No caso de Indiana Jones ser influência forte, é que além da atmosfera do jogo, até o Nathan (protagonista) é parecido com o Indiana Jones (comportamento, humor, estilo e etc), se mudassem um pouco o design do personagem, poderiam até trocar o nome do jogo para Indiana Jones que ninguém ia reclamar. rs

      • Eu também acho melhor que Tomb Raider

    • Muito obrigado, Rodrigo.
      Sim, é quase um Tomb Raider, só que com um protagonista masculino. Tem puzzles também, muitos (e essa é uma das coisas mais legais dos jogos), mas a ação se mostra mais presente.

      Bem, parece que sim. Será com o Tom Holland. No terceiro jogo temos um flashback, onde o Drake aparece na adolescência. Não sei se farão um filme todo rolando nessa época, com ele crescendo e aprendendo a ser um explorador… Mas acho que vai seguir esse estilo.

    • All New All Diferent Herbie

      Diria que os dois jogos(Tomb Raider e Uncharted) tem uma pequena rivalidade. Os dois lembram muito as aventuras de Indiana Jones.

  • Ótimo post, Sabixão!
    Com certeza a melhor franquia da Sony (só que vira a segunda se TLoU virar franquia).

  • Estephano

    É por isso que a Microsoft ainda não alcançou a Sony nos consoles, seus exclusivos são em grande maioria inferiores aos da Sony.

    Muito bom seu post. Gosto demais da franquia, a câmera de 3º pessoa e o estilo de aventura/ação é muito bom. Possui uma história muito bem construída, e o mais importante, personagens carismáticos.

    É tão fácil adaptar esse jogo para um filme, mas tão fácil, que a chance de sair uma porcaria é imensa. Deve aparecer alguém que vai querer inventar alguma coisa “genial” e lá se vai mais uma oportunidade de um grande filme de um jogo… Mas, vamos torcer pelo melhor.

    • Não gosto muito dos exclusivos do Xbox.

      • Estephano

        Eu não tive um X-Box, mas o motivo de não ter foi justamente os exclusivos não me interessarem muito. Tirando Gears of War que não tem um paralelo no Playstation, nenhum outro jogo exclusivo deles chegou a me atrair de verdade. Tem o Forza, mas esse tem o Gran Turismo, que é muito bom também, no Playstation.

    • Os exclusivos da Sony são demais… Uncharted, The Last of Us, God of War… e por aí vai.

      Muito obrigado, meu amigo. Cara, os personagens das histórias são sensacionais. Muito carismáticos mesmo, principalmente o Sully.

      Esse é meu medo, mano. Sair alguma merda quando forem adaptar. Já confirmaram o Tom Holland como o Nathan. Será que essa é uma dessas ideias “geniais”? kkkk
      Sei que no terceiro tem uma passagem de flashback, mas colocar uma história inteira se passando na infância do personagem? Não sei, não.

      • O quarto jogo teve uns dois capítulos com o Nate jovem. Antes mesmo dos eventos dele jovem no terceiro.

        • O quarto eu ainda não joguei. Estou ansioso para conferir então!

        • Estephano

          No terceiro também tem, e o Tom Holland até que parece o Nathan mais novo mesmo.

      • Estephano

        Como já te responderam, se for o Nathan jovem eu acho que funciona, o Tom Holland até que parece o Nathan adolescente mesmo. Se esse filme der certo (cruza os dedos), provavelmente vão fazer uma franquia, e como ele vai ser o Homem-Aranha na própria Sony, é difícil imaginar que o colocariam como ator principal de outra franquia. Dificilmente um mesmo ator lidera duas franquias em um mesmo estúdio.

        • Bem, quem sabe não dá certo? Os únicos filmes que vi do Holland foram Guerra Civil (que ele aparece por minutos) e aquele do tsunami lá, que eu esqueci o nome kkkkkkkk
          O garoto tem carisma, mas liderar duas grandes franquias (sendo uma delas A MAIOR franquia da história do cinema) é difícil mesmo.

  • Aragorn II, son of Arathorn

    Não dá, né? Os exclusivos da Sony são insanamente superiores…

    Aliás… Tom Holland vai fazer mesmo o Nathan nos filmes? Achei uma escolha, no mínimo, curiosa. Espero que a Sony faça um bom trabalho, mas… sei lá, as últimas adaptações de jogos – acho que NENHUMA, pra falar a verdade – atingiram todo seu potencial…

    Ótimo texto, Uncharted é uma franquia FENOMENAL, apesar de eu ter jogado pouco…

    • Ele vai fazer o Little Drake.

    • NÃO DÁ, MEO! NÃO DÁ!

      Sim, vai. E eu tô trancando o cu aqui. Pode dar uma merda GIGANTESCA!!! Eu era a favor de adaptarem os jogos fielmente. Mas, pelo visto…
      Sabe como sou fanboy de Uncharted… Se der merda, vou demonizar a Sony pelo resto da vida!!!

      Muito obrigado, Aragorn!

      • Pelo que vi, ele não vai fazer o filme todo, só uma parte do Drake jovem. Mas minha fonte pode (e infelizmente deve) estar errada.
        Acho que o Jeremy Renner como Nathan ficaria show. Scarlet Johansson como Elena e Jeff Bridges como Sully ficaria legal também.

      • Aragorn II, King of Gondor

        Huahuahuahua….
        Olha, falaram que ele vai fazer o ”Nathan do Passado”, tipo ele adolescente, sei lá. Mas não sei não…. contratariam ELE pra fazer FLASHBACKS?
        Não sei se vai ser fiel não… mas espero que seja. Se der merda, voce vai demonizar a Sony pelo resto da vida…. e eu não assisto filme de video-game pelos próximos dez anos! Hahaha…..

        Off: pela primeira vez, com mais de ano de conta, troquei a fotinha…. hahaha!

        Off 2: mandou mensagem? Aqui não chegou nada….

        • Mano, se der merda, invadimos a Sony e destruímos tudo por lá. Isso é uma promessa! kkkkkkkk

          Off: Ficou muito foda, mano! Sério.

          Off: Ainda não. Tem a foto de uma mulher lá, seria sua mãe? Eu não chamei por causa disso! kkkkk

          • Aragorn II, King of Gondor

            PROMETIDO!

            Off: eu falei porque, caralho, é FODA achar fotos boas do Aragorn… tava pensando até em mudar de nome! Kkkkkkkkkkkkk!

            Off 2: não… kkkkkkkkkk! Será que eu errei o número? Huahuahuahua….
            Vou passar de novo pelo Hang então, logo logo…

          • Off: Pode mudar de nome… vou sempre te chamar de Aragorn! Igual o Ghostface… kkkkkkkkkkkkkkkkkk
            Ele muda direto, mas só chamo ele assim.

            Off 2: Seu porra. Quase chamo a pessoa errada! kkkkkkkkkkkkkkk
            Manda lá, que aí conversamos direito. Dúvidas, essas coisas.

          • Aragorn II, King of Gondor

            Kkkkkkkkkkkkkkk! Sorry!
            Vou mandar.

  • Você citou lá no começo a semelhança com Indiana Jones e lendo as descrições do plot dos games num é que lembra mesmo? No primeiro ele vai atrás de um artefato (el dorado/arca perdida) e esbarra com vilões (piratas/nazistas). No segundo ele vai pra um templo “perdido”. E no terceiro ele vai numa aventura com a figura paterna/pai. Como o Rodrigo disse abaixo (ou acima), minha época morreu com o PlayStation 2, mas tenho muita vontade de jogar essas novas e aclamadas franquias.

    • Sim, meu amigo, lembra muito!!!
      Olha, se um dia pegar para jogar qualquer um desses jogos, vai adorar. Principalmente se jogá-los em ordem e conhecer a história do Nathan e seus amigos e familiares.

      • Minhas chances mais próximas de jogar é caso eu viaje pro RJ, pra casa dos meus primos. Eles com certeza têm todos os jogos, daria pra jogar cronologicamente direitinho. E como eu amo Indiana Jones, as chances de gostar desse são muito grandes.

  • All New All Diferent Herbie
  • JIPEIRO SEU ROBOCOP GAY
    Ressuscitei este post para avisar que eu comprei um PS4 e zerei todos os jogos de Uncharted: The Nathan Drake Collection, e são INCRÍVEIS!
    Mas, como diria o maníaco do parque, vamos por partes.

    Sobre o Drake’s Fortune, eu adoro ele, principalmente por começar essa franquia maravilhosa. Acho a história dele muito boa, dando uma nova cara para os games de aventura. Ao invés dele ir atrás de uma cidade perdida, ele vai atrás de uma estátua, e nisso o jogo se desenvolve. Olha, acho a ação frenética desse jogo fenomenal (por mais que eu ache que a dos outros (COFF COFF AVIÃO CAINDO COFF COFF), principalmente a parte onde ele e a Elena fogem do Raja naquele jipe. As partes dos puzzles são um pouco paradas, algo que melhora bastante no próximo jogo, com puzzles mais divertidos (adoro os puzzles do terceiro). A jogabilidade desse jogo eu acho fraquinha. Ainda bem que melhoraram no segundo e até adicionaram o stealth.
    Única coisa que eu não gosto mesmo nesse jogo são aqueles monstros que dão um grande cagaço (acho que se chamam Descendentes (nas conquistas do jogo mostrava isso)). Cara, zerei The Last of Us umas quatro vezes, e em nenhuma eu senti tanto cagaço quanto na parte daquela base nazista.

    Agora, Among Thieves… Eu amo de paixão esse jogo, mas ainda assim não é o meu predileto até o momento (acho que tu já deve saber qual é), por mais que eu ache a jogabilidade dele a melhor do franquia até o momento. Esse jogo tem o melhor antagonista de Uncharted, o Lazarevic, além do Flynn, aquele grande filho da mãe. Tive vontade de esganar esse cara na parte do museu, e torcia pro Nathan sentar-lhe o pipoco. Único problema de quando morreu foi que quase levou a Elena…
    Falando nisso, esse jogo também tem o melhor coadjuvante da franquia: o Jeff. Só que ele era tão poderoso que tiveram que o matar pra não ser tão OP.
    Beo, os capítulos do trem/da montanha são extremamente tensos. Aquela escalada no começo do jogo dá um frio na barriga de matar, principalmente quando o trem começa a cair.
    Mas tá aí outra coisa que eu não curti: os Guardiões, que mais parecem o filho do Kratos com o Thanos.

    Mas vamos falar de coisa boa: Drake’s Deception, o meu predileto. Não por sua jogabilidade que eu acho que acabou ficando meio inferior ao anterior, mas sim por sua história e a ação frenética. Vai me dizer que tu não ficou com o coração saindo da boca na queda do avião, ou morreu um monte de vezes naquele cemitério de navios? A única crítica que tenho a esse jogo também é o fato de seguir a mesma coisa do segundo e mostrar o Nate indo atrás de uma cidade (por mais que no Among Thieves eles estavam atrás principalmente da pedra), mas gostei da decisão de não colocarem nada sobrenatural, sendo os Djinn apenas uma visão do Drake noiado. Um bom acerto deste jogo foi desenvolver melhor a relação entre o Nate e o Sully (que é o melhor personagem). Foi bom pra compensar o sumiço dele no jogo anterior.

    Enfim, tô implorando pros meus pais comprarem o 4 logo (e depois o Lost Legacy), porque já zerei os três jogos duas vezes cada, e tô quase zerando a terceira kkkk
    Pra finalizar, gostaria de te pedir pra aparecer no Hangouts, seu bosta, pra gente elaborar um fancast pra caso tenha um filme dessa maravilha.

    (@JipeiroEspacial:disqus, tô te marcando porque sim, sua bichona)