Aviso: a resenha contém spoilers

Liga da Justiça: Torre de Babel (Tower of Babel em inglês) é uma história escrita por Mark Waid e desenhada por Howart Porter. Foi da edição 43 até 46 da revista “JLA”.

Um dos maiores vilões do Batman, Ra’s Al Ghul, tem como objetivo salvar todos os animais do planeta, principalmente os que estão em extinção. Porém, para isso ocorra, ele pretende reduzir a população humana em um determinado número que, segundo ele seria “controlável. Mas para alcançar o seu objetivo é necessário que ele não tenha interferência da Liga da Justiça que com certeza iria impedir esse genocídio.

O plano de Ra’s é iniciado quando Bruce Wayne, o Batman, vai visitar o túmulo de seus falecidos pais. Mas, para a surpresa de Bruce, o túmulo dos Wayne’s está aberto e os caixões de seus pais Martha e Thomas não estão lá.

Uma das estratégias de Ra’s é enviar sua filha Talia Al Ghul para dar sequência na segunda parte do plano que é “silenciar” o Caçador de Marte, considerado um dos membros mais poderosos da Liga da Justiça. Para fazer isso, um homem que acompanhava Talia lança um míssil contra o herói, mas ele consegue desviar. No entanto, ele percebe que o desvio era planejado.

Diana Prince, a Mulher Maravilha, e Wally West, o atual Flash na história, se dirigem até uma floresta que está sendo consumida pelo fogo. Ao entrar na floresta, os heróis veem alguma coisa correndo em chamas e sem direção e nesse exato momento eles percebem que aquele na verdade é o Caçador de Marte pegando fogo (elemento que é uma de suas fraquezas).

Na sede da ONU está havendo uma reunião que deve ser discutida cuidadosamente, pois os assuntos em pauta podem gerar uma guerra. A reunião é interrompida pela presença do Aquaman e do Homem-Borracha, pois os dois estão sendo perseguidos pelos agentes de Talia Al Ghul. Um dos agentes consegue congelar o Homem Borracha, que é quebrado por outro agente. Aquaman acaba sendo atingido por um gás e fica incapacitado de lutar. Esse gás faz com que o rei de Atlantis temesse água, elemento fundamental para sua sobrevivência.

Superman ao observar esses acontecimentos, descobre que se o Caçador de Marte entrar em contato com o ar, ele imediatamente começa a ficar em chamas. Aquaman ao ter medo de entrar em contato com a água pode morrer. Os heróis estão sendo atacados justamente em seus pontos negativos.

Depois de um tempo, Wally e Diana vão ao apartamento do atual Lanterna Verde, Kyle Rayner. Lá, os dois descobrem que Kyle está cego. De repente, o apartamento de Kyle é atacado por Talia e seus capangas, e um deles secretamente lança um chip contra Diana a fazendo ver um inimigo que pode lutar contra ela de igual para igual, mas na verdade, o inimigo não é real; e sim apenas fruto de sua imaginação. Mesmo o inimigo não sendo real, Diana corre o risco de ter uma parada cardíaca o que pode leva-la a morte. Wally é atacado por uma arma que faz com que ele entre em convulsão.

Aquaman, com o pouco de força que lhe resta, consegue teletransportar os heróis para o QG da Liga da Justiça. Homem Borracha consegue retirar o chip da Mulher Maravilha e Superman se recupera.

Enquanto tudo isso acontecia, Batman foi atrás do túmulo de seus pais e descobre que Ra’s Al Ghul está com ele. Depois de “forjar” sua morte, consegue se disfarçar e sai da base de Ra’s secretamente. No caminho, Batman se depara com Superman. Os dois vão para uma base perto dali para eles e o resto da Liga conversarem.

Lá eles descobrem que Batman tinha um plano de contingência para toda a Liga da Justiça e que eles foram roubados por Ra’s. Enquanto isso acontece, o Caçador de Marte descobre que não começa a pegar fogo quando entra em contato com o ar e Aquaman não tem mais medo de água.

Depois disso acontece algo inesperado, Talia se volta contra seu pai Ra’s ao perceber que ele pretende destruir o Batman, que é o seu grande amor, e decide ajudar a Liga passando algumas importantes informações para que eles vençam essa batalha.  De volta ao QG da Liga da Justiça, a equipe – sem o Batman – discute se o mesmo deveria continuar na equipe. O resultado da votação foi a saída (não permanente, obviamente) de Batman da Liga da Justiça.

Liga da Justiça: Torre de Babel é uma ótima história, porém é uma das mais ‘’polêmicas’’ da equipe graças ao plano de contingência do Batman, no qual continha características negativas e positivas de cada um dos membros da equipe em segredo. Al Ghul, a grande ameaça da trama, talvez tenha tido seu maior papel de destaque e se prova muito mais do que um inimigo do Homem-Morcego.

A história retrata bem o pensamento dos personagens sobre esse assunto. Antes eles eram mais confiantes e depois a desconfiança em relação ao Batman aumentou muito, pois com suas ações colocou todos da Liga, fato desnecessário se tivesse compartilhado suas intenções e preocupações com os membros da Liga. A arte de Howard Porter é mediana e muitas vezes dá uma decaída.

Liga da Justiça: Torre de Babel não é muito recomendada para pessoas que não gostam do “preparo” do Batman, mas para aqueles que estão acostumados ou não ligam para isso, provavelmente gostarão.

Além disso, há uma animação baseada neste arco. Chama-se “Legião do Mal” e é tão boa quanto o quadrinho original, talvez até melhor.

A humanidade é uma força destrutiva e precisa de um mestre.

Liga da Justiça: Torre de Babel (Tower of Babel – Publicado originalmente nas edições 43 a 46 de JLA – EUA – 2000, DC Comics). Roteiro: Mark Waid. Arte: Howard Porter. Arte-final: Drew Geraci. Cores: Pat Garrahy. Editor original:  Michael “Mike” Carlin, Tony Bedard.

Compartilhe

Sobre o Autor

Lucca de Paula

12. Aspirante a escritor (mesmo que procrastine muito), fã de HQs, videogames, livros, filmes e diversas outras coisas.

  • Aviso que tem uma grande chance da resenha ter ficado ruim pois a escrevi na época em que estava começando..

    • Para começar, pare de falar e comece a fazer.
      – Eu.

  • Já li, então comentei só pra não flopar.
    zoas.

  • Não ficou ruim não, clone! Não cheguei a ler a história, mas assisti Legião do Mal. A história da animação parece ser mais elaborada, e não conta com um desenho marromenos que nem desse Porter.
    (aliás, a capa foi desenhada por ele? Pois parece mais bonita)
    A história teria potencial pra render um filme, ainda mais que o DCUE parece que não vai apostar tão cedo em ameaças intergalácticas.

  • Dave Mustaine

    Nice. Ainda não li a HQ, vi só a animação que a adapta mesmo, e olha, lendo a sua resenha eu fico com a impressão que a animação é melhor kkkk eu acho bem legal esse plot twist de que o plano do vilão (seja o Ra’s na HQ ou o Vandal Savage na animação) foi baseado nos planos do Batman para conter os outros heróis.

    • Valeu, Deivi!
      Sim, a animação é melhor que a HQ.