A história de Homem-Formiga e a Vespa está situada na esquina do universo cinematográfico da Marvel – de acordo com o próprio diretor Peyton Reed. O Homem-Formiga, a Vespa, e o universo de co-protagonistas e coadjuvantes espetaculares fazem parte de uma franquia-mãe muito maior e repleta de conexões, mas suas aventuras insanas pelas ruas de São Francisco funcionariam perfeitamente bem até mesmo sem isso.

As conexões até estão lá, mas ou são tratadas como piada (“– Cap? – Sim, Cap… Cap…itão América, você sabe, não que eu seja exatamente amigo dele, mas a gente lutou junto…“) ou são lançadas na cena pós-créditos – espetacular. Esse time de personagens não precisa delas para viver suas próprias histórias. Os mais subestimados dos super-heróis encontraram suas próprias esquinas – e no cinema esses cantos conseguem oferecer muito mais do que mundos inteiros de muitos super-heróis consagrados.

Homem-Formiga e a Vespa se assume completamente como um filme de comédia sobre uma família de super-heróis de um modo que um filme do Quarteto Fantástico poderia ser se estivesse nas mãos da Marvel Studios. Ainda que os laços sanguíneos ou de relacionamento não unam (ainda) os vértices principais dessa história, alguns elementos daquilo que consagrou a primeira superfamília dos quadrinhos está presente aqui, como por exemplo a dinâmica constante entre personagens que só falam “cientifiquês” (Pym e Foster) e um outro que não entende necas de pitibiriba do que está ouvindo (“Vocês acrescentam quântico no final de tudo que falam, é isso?”), o que serve tanto à obrigatória exposição narrativa dos conceitos científicos da história quanto ao escape cômico.

Scott Lang (Paul Rudd) sempre está dando mancada. Pode-se dizer, com muita boa vontade, que ele é um super-herói “esforçado”. O senso de justiça e o bom coração levam-no a tentar fazer o certo, mas ele nunca consegue salvar o dia sem trazer algum tipo de consequência para os seus entes queridos ou amigos e conhecidos. A sua aparição como Gigante na Alemanha, nos eventos que colocaram heróis contra heróis em Capitão América: Guerra Civil (2016), criou sérios problemas para ele mesmo (condenado à prisão domiciliar) e para Hank Pym (Michael Douglas) e Hope Van Dyne (Evangeline Lilly), que foram considerados cúmplices e passaram os últimos dois anos foragidos do governo, transportando o laboratório de lá para cá com o auxílio das partículas pym.

A três dias do término da sua prisão domiciliar, Scott vai buscando formas de vencer o tédio confinado em casa. Enquanto recebe visitas de sua filha Cassie (Abby Ryder Fortson), e entretém a menininha das maneiras mais criativas possíveis, tenta levar adiante uma empresa de segurança, a X-Con, ao lado do amigo e sócio Luís (Michael Peña).  A sua rotina é tão… rotineira! que Pym e Hope conseguem programar uma formiga para executá-la em seu lugar quando precisam da sua ajuda, o que rende sequências hilariantes com Luís e Paxton (Bobby Cannavale).

Durante todo esse tempo, pai e filha estiveram pesquisando uma forma de resgatar Janet Van Dyne (Michelle Pfeiffer), a Vespa original, desaparecida há mais de trinta anos no Reino Quântico – o prelúdio que abre o longa-metragem resgata o que já havia sido mostrado em flashback em Homem-Formiga (2015) e estabelece o quão próximo a dupla está de conseguir fazer o seu túnel para o Reino Quântico funcionar definitivamente. Mas faltam duas coisas para isso: uma peça tecnológica que será comprada no mercado negro e a localização exata de Janet, que estabeleceu uma espécie de comunicação quântica com Scott quando ele esteve por lá e conseguiu sair.

Scott vai ser obrigado a burlar a prisão domiciliar para ajudá-los, mas o negociante da peça, o traficante de tecnologia Sonny Burch (Walton Goggins), percebe o lucro que poderia obter com as invenções de Pym e resolve que irá roubá-lo, ao mesmo tempo em que uma formidável e misteriosa oponente surge no cenário: Fantasma (Hannah John-Kamen). Ela tem a habilidade de transitar entre as dimensões, “faseando” constantemente entre o nosso mundo e o Reino Quântico – os “rastros” que ela deixa enquanto some são visualmente incríveis.

O seu poder é, na verdade, uma chaga dolorosa, e a tecnologia que Pym inventou para resgatar Janet pode ser a cura para o seu problema, antes que ela não seja mais capaz de voltar da outra “fase”. O cientista Bill Foster (Laurence Fishburne), antigo parceiro (e desafeto) de Pym, é seu tutor desde a infância e tenta ajudá-la a descobrir uma cura. E em meio a tudo isso, está o agente do FBI Jimmy Woo (Randall Park), atrás tanto dos foragidos Hank e Hope quanto de Scott – as várias vezes em que o FBI vai até à casa do herói esperando não encontrá-lo são hilárias.

O que impressiona em Homem-Formiga e a Vespa é o encadeamento dessas situações, que se servem em iguais medidas da ação e do humor, com um desenvolvimento de filme de assalto, com espaço ainda para dois romances: o amor entre Hank e Janet que resistiu à distância forçada de décadas e dimensões, e a tensão romântica que volta a aflorar entre Scott e Hope.

A história é absurdamente simples, mas o roteiro (de Chris McKenna, Erik Sommers, Paul Rudd, Andrew Barrer e Gabriel Ferrari) é tão afiado e a edição (de Dan Lebental e Craig Wood) é tão acelerada que tudo transcorre em um frenesi inesgotável do começo até o fim. Peyton Reed entrelaça essas múltiplas narrativas que possuem Scott como vértice principal em uma sinfonia aparentemente caótica que acerta o passo a todo instante.

Quando o longa-metragem engata pelas ruas de São Franciscos, temos Hank, Hope e Scott correndo contra o tempo para resgatar Janet, os atrapalhados Luís, Kurt (David Dastmalchian) e Dave (Tip “T.I.” Harris) tentando ajudar, uma antagonista que se move entre as dimensões e está atrás daquilo que pode salvar a sua vida, o bando de Sonny querendo roubar tudo, o FBI atrás dessa turma toda, Maggie (Judy Greer) e Cassie ligando nas horas mais impróprias, e no meio de altas perseguições automotivas o laboratório miniaturizado e transportado como uma mala de rodinhas passando de mão em mão, às vezes mais de uma vez na mesma cena.

As cenas de ação são ainda mais mirabolantes do que no primeiro filme. Hope agora é a Vespa, e além de ter um par de asas e blasters sensacionais, ainda sabe lutar muito melhor do que Scott – e é muito mais inteligente do que ele, o que não é difícil. A Vespa arrebenta em seus combates, e quando se junta com o Homem-Formiga a dinâmica é imediata, com os dois heróis constantemente utilizando as habilidades de encolher e ampliar em conjunto.

O relacionamento amoroso frustrado reaparece e evolui organicamente. O sentimento mútuo torna-se evidente quando um salva o outro de diferentes situações ao longo da história. A química entre Evangeline Lilly e Paul Rudd funciona e a atriz consegue se sair bem também quando caminha pela comédia, na maioria das vezes a partir da sua notória superioridade sobre Scott em relação às suas habilidades físicas e seu conhecimento científico.

É até difícil dizer quem mais rouba a cena, porque Homem-Formiga e a Vespa estabelece seus protagonistas e coadjuvantes de maneira maravilhosa, tal qual o primeiro filme já havia feito. Há mais espaço para Cassie na narrativa, e mesmo um pouquinho mais crescida, Abby Ryder Fortson permanece absolutamente adorável, apoiando o pai de todas as formas e sonhando um dia ser uma heroína como ele – o que certamente acontecerá e rende uma cena íntima e delicada entre pai e filha. O agente do FBI interpretado por Randall Park é de uma candura incomum, e protagoniza uma hilária explicação professoral a Cassie sobre o motivo de Scott estar preso, além de muitos risos nas interações do personagem com o protagonista, de quem tenta sempre ser amigo, mesmo sendo responsável por mantê-lo na linha.

Michael Douglas incorpora um Hank Pym ainda mais ranzinza, briguento, turrão e egocêntrico (como deve ser!), extremamente confortável no papel e claramente se divertindo demais. A dinâmica de disputa intelectual que ele estabelece com seu antigo parceiro Bill Foster é interessante e sua aventura própria para resgatar a esposa lança-no em um protagonismo ainda maior. E quando Michelle Pfeiffer surge em cena pela primeira vez é simplesmente Michelle Pfeiffer. Não é preciso muito mais do que uma expressão e um sorriso para a atriz brilhar imensamente, seja nas interações maternas com uma pequena Hope em flashbacks, ou na decidida sobrevivente que trinta anos depois é reencontrada pelo marido em um lugar repleto de perigos.

Paul Rudd se encontrou definitivamente em Scott Lang. Cada cena sua é um show à parte. Extremamente carismático, suas expressões, seu gestual e sua presença em cena ampliam e muito a hilaridade do filme, envernizando charmosamente um “super-herói” que não tem nada de herói clássico, mas sim tudo de um pai meio pateta e engraçado. O timing cômico de Rudd é soberbo e a sequência em que ele é possuído por Pfeiffer é impagável, talvez a mais engraçada de um filme lotado de sequências engraçadas, como aquela em que Scott vai no colégio de Cassie e o novo traje (ainda em desenvolvimento) começa a falhar, deixando o personagem em tamanhos absolutamente bizarros, de Willow a Gulliver na mesma cena.

E Luís, ah Luís… Michael Peña e sua trupe necessitam de uma série spin-off para ontem! A “juxebox humana” é incessante. Após ser submetido ao “soro da verdade” (uma das melhores piadas do filme, e que ainda é complementada por outra excelente, sobre a Baba Yaga) pela gangue de Sonny, Luís é instado a contar a localização de Scott. E aí o coadjuvante mais divertido de todo o universo Marvel desembesta em um monólogo frenético que parte de quando os dois foram companheiros de cela e revisita os eventos do primeiro filme até chegar no que realmente foi perguntado.

As diferentes escalas que o poder do personagem exige eram muito bem usadas no primeiro filme e melhoram substancialmente aqui, agora que são dois personagens com esse poder de transitar entre o mundo normal e o diminuto – sendo que o Homem-Formiga agora também pode ir para o gigantismo, sem ter controle total sobre isso. O poder totalmente diverso de intangibilidade da Fantasma garante que os heróis precisem ser criativos contra ela, fugindo do lugar-comum de antagonistas de poderes espelhados – a primeira luta dela com a Vespa é excelente.

O uso das partículas pym estende-se o tempo inteiro a coisas que podem auxiliar nas batalhas ou nas fugas quando tornam-se gigantes – de utensílios a formigas. O ótimo combate da Vespa em uma cozinha, com a personagem saltando por entre as lâminas lançadas contra ela, termina com a heroína usando um saleiro para nocautear o bandido. A ação é erguida a partir dessa modulação de escalas, com os personagens a todo o tempo se miniaturizando, voltando ao tamanho normal ou se agigantando, a depender da situação e do inimigo, o que oferece saídas visuais extraordinárias – e únicas – e um ritmo de ação frenético e divertidíssimo do começo ao fim.

O terceiro ato é um dos melhores já feitos em filmes de super-heróis. Totalmente insano, é uma longa sequência de ação cômica com várias gags visuais e viradas inesperadas. Peyton Reed aproveita tudo que tem ao alcance, usando as partículas de pym dos modos mais criativos possíveis, raramente repetindo composições. As famosas ladeiras de São Francisco são exploradas com perfeição em mirabolantes perseguições de carro, nas quais Hope e Luís usam a diminuição e o crescimento dos veículos para despistar os inimigos e provocar acidentes e destruição.

De um Hot Wheels pilotado por Luís a um Pez Candy gigante da Hello Kitty, passando por Scott tentando montar suas formigas voadoras – Ant-onio Banderas infelizmente não durou muito neste mundo –, Scott usando uma caminhonete como patinete e Scott gigante mergulhando como uma jubarte na baía de São Francisco, o surrealismo das situações pensadas não tem limites. Em paralelo a tudo isso, a fantástica viagem de Hank pelo Reino Quântico, dessa vez muito mais explorado, em paisagens saídas de um incrível universo microscópico, de cores vibrantes, vasta vegetação, paisagens embasbacantes e criaturas ameaçadoras – e que precisa ser ainda mais explorado no futuro.

Sabe quando se era criança e se tinha brinquedos variados em escalas e estilos? Um boneco do Comandos em Ação, alguns soldadinhos de plástico, um caminhão colorido de carregar areia, um carrinho de fricção, um pogobol, um gelouco, tazos, uma coleção de surpresas do Kinder Ovo… E na hora de brincar, era possível usar tudo isso ao mesmo tempo, inventando uma história bem maluca. E do chão da sala ir para a terra da quintal, e as plantas viravam uma floresta e da borda da janela surgia um precipício, e o tanque ou a pia convertiam-se em um mar revolto, seguindo com uma inventiva imaginação em qualquer cenário. Pois bem. Homem-Formiga e a Vespa é basicamente isso: uma enorme brincadeira de criança com um monte de brinquedos legais e diferentes – só que encenada por grandes atores e com um orçamento milionário.

O menor super-herói da Marvel – na metáfora e na literalidade – se estabelece de vez como o responsável pela franquia mais divertida, engraçada e criativa do estúdio. Um filme simples que consegue surpreender na sua dinâmica de situações imprevisíveis que nunca se repetem. O que Homem-Formiga e a Vespa busca, encontra e entrega em sua doce comédia de ação é um tipo de heroísmo que foge do tradicional, que não está sob os holofotes, salvando centenas de vidas e recebendo a aclamação popular ao final, mas sim pelas esquinas, caminhando por universos particulares e intimistas, por círculos pessoais e familiares, obtendo como recompensa pelas vitórias alcançadas, os beijos repletos de amor da esposa e mãe resgatada do exílio forçado de três décadas e a admiração irrestrita da filha pequena, para quem o pai sempre foi um herói, antes mesmo das partículas pym e de todo o resto revelarem isso também para os outros.

Homem-Formiga e a Vespa (Ant-Man and the Wasp) – EUA, 2018, cor, 118 minutos.
Direção: Peyton Reed. Roteiro: Chris McKenna, Erik Sommers, Paul Rudd, Andrew Barrer e Gabriel Ferrari. Música: Christophe Beck. Cinematografia: Dante Spinotti. Edição: Dan Lebental e Craig Wood. Elenco: Paul Rudd, Evangeline Lilly, Michael Peña, Walton Goggins, Hannah John-Kamen, Michelle Pfeiffer, Laurence Fishburne, Michael Douglas, Abby Ryder Fortson, Bobby Cannavale, Judy Greer, Tip “T.I.” Harris, David Dastmalchian e Randall Park.

Compartilhe

Sobre o Autor

Rodrigo Oliveira

Católico. Desenvolvedor de eBooks. Um apaixonado por cinema – em especial por western – e literatura. Fã do Surfista Prateado e aficionado pelas obras de Akira Kurosawa, G. K. Chesterton, John Ford, John Wayne e Joseph Ratzinger.

  • Estephano

    Legal o texto, mano. O filme consegue ser tão divertido quanto o primeiro só que mais frenético e com mais personagens.

    As cenas do de ação do Lang continuam muito boas, agora com o Gigante conseguiram trabalhar ainda mais com as escalas das coisas e o Paul Rudd é carisma puro. Agora a Vespa da Evangeline Lilly ficou sensacional, como você falou, ela luta muito melhor que o Formiga, e seu traje tem muito mais gadgets (além de voar), conseguiram criar cenas bem inventivas com isso.
    O resto do elenco continua mandando bem, o Michael Douglas (com mais tempo de tela) e o Michael Peña voltaram ainda melhores em seus personagens. Michelle Pfeiffer não teve muito tempo de tela, mas pelo visto será importante para o futuro desse universo. Vamos ver o que farão.

    Acho que “carisma” é o que define esse elenco de Homem-Formiga e a Vespa. Os novos personagens são legais para caramba também, só a Fantasma (Hannah John-Kamen) que fica um pouco abaixo. Quando o personagem dela pede um pouco de dramaticidade, a atriz não consegue entregar muito, fica mais no arroz com feijão. Em uma possível sequência devem mudar o estilo do personagem (visto os acontecimentos do filme), acho que pode funcionar melhor. Mas os efeitos visuais da personagem ficaram muito bons, ajudou a ter ótimas sequências de ação também.
    Tomará que tenhamos mais um filme dessa galera, principalmente agora que abriram ainda mais possibilidades para a franquia.

    • Valeu. A melhor coisa que fizeram foi partir para um vilão com poderes diversos. Exigiu criatividade da dupla para enfrentá-la e isso gerou cenas inventivas. Além da “expansão” das partículas para objetos, que acabam servindo quase que como extensão dos poderes deles.

      Já imaginou um terceiro filme com Scott, Hope e a Cassie juntos na ação? E em alguma parte o Douglas e a Pfeiffer também vestirem os uniformes? Seria demais.

      • Estephano

        Pior que imaginei sim. kkkkkk
        Pô, tem que ter mais um filme para encerrar com uma trilogia, nem que seja com um espaçamento maior do que houve entre esse e o primeiro. Talvez mais para frente seria até melhor, já que a atriz que faz a Cassie estaria mais velha e essa ideia estaria mais “palpável”.

  • Kleber Oliveira

    Belo texto, camarada. Esse filme me divertiu muito, ainda mais que o primeiro. As cenas de ação de são criativas e o humor constante não se perde. A pequena Cassie continua fantástica. Caramba, como eu quero vé-la como Estatura. Espero mesmo que aconteça. O Peña, apesar de continuar sensacional, me pareceu um pouco mais contido nesse longa. De qualquer forma, os três malucos da X-Con mandaram bem demais! Outra coisa que eu gostei muito foi a forma de combate da Vespa. Limitada aos seus blasters nos quadrinhos, no filme souberam aproveitar ao máximo seus poderes. Prova que alguns elementos dos quadrinhos podem e devem ser melhorados quando possível. No mais, gostei muito da motivação da vilã, mas realmente não se sente que ela encarnou a personagem. O Feige deu esperanças sobre o seu retorno, então agora é esperar por algo melhor, ainda que tenha perdido uma ótima motivação.

    • Valeu. Também me diverti ainda mais que no primeiro.

      Cara, Cassie PRECISA virar a Estatura no terceiro filme. Se filmarem em 2020, a Abby ainda vai ter 12 anos. Vai ser muito legal.

      Ah, sim, a Vespa em combate foi muito bem explorada, unindo habilidades de luta, os blasters, a inteligência, e as partículas pym em objetos, com destreza. Bem mais do que nos quadrinhos.

      Essa “vilã” se voltar, voltará como anti-heroína no máximo. Ela já não é propriamente vilã no filme. Eu gostaria era de ver o Homem-Molecular como vilão do terceiro. Imagina o que não fariam com os poderes dele?

      • Kleber Oliveira

        Rapaz, o Homem-Molecular seria muito apelão, hehe. Talvez ele fosse introduzido lá e depois começasse a chamar atenção de outras mentes malvadas.

        • O legal é que seria um “apelão” diferente, ainda mais se usarem o personagem como em Guerras Secretas: meio bobão, ingênuo, com a auto-estima lá embaixo, sendo manipulado para ser vilão.

          • Kleber Oliveira

            Pô, verdade, dessa forma poderia funcionar bem.

      • Pedro, o Homem Sem Medo

        “Sabe quando se era criança e se tinha brinquedos variados em escalas e estilos? Um boneco do Comandos em Ação, alguns soldadinhos de plástico, um caminhão colorido de carregar areia, um carrinho de fricção, um pogobol, um gelouco, tazos, uma coleção de surpresas do Kinder Ovo… E na hora de brincar, era possível usar tudo isso ao mesmo tempo, inventando uma história bem maluca. E do chão da sala ir para a terra da quintal, e as plantas viravam uma floresta e da borda da janela surgia um precipício, e o tanque ou a pia convertiam-se em um mar revolto, seguindo com uma inventiva imaginação em qualquer cenário. Pois bem. Homem-Formiga e a Vespa é basicamente isso: uma enorme brincadeira de criança com um monte de brinquedos legais e diferentes – só que encenada por grandes atores e com um orçamento milionário.”

        Eu não poderia sintetizar melhor este filme, meu amigo. Achei o filme divertidíssimo. E como você bem falou, ele traz todos elementos para um filme digno do Quarteto Fantástico: ficção científica, relacionamentos familiares e amorosos, conflitos pessoais e muito, muito humor. Ainda bem que a Marvel conseguiu reaver os direitos da Família Fantástica e dos X-Men. Agora sim teremos filmes que façam jus a esses personagens incríveis:-)

        E a cena da “jukebox humana” foi hilária…kkkkkkkkkkk

        • Valeu, meu amigo. Quem diria que o Formigão teria uma franquia tão legal assim, hein? rs Muito bom. E a “juxebox humana” precisa ser usada em algum filme para recapitular todos os eventos do UCM…rs

          Ainda bem que a Marvel conseguiu reaver os direitos da Família Fantástica e dos X-Men. Agora sim teremos filmes que façam jus a esses personagens incríveis:-)

          Nem fala. Se eles conseguiram colocar um pouco de Quarteto Fantástico na franquia do Homem-Formiga imagina quando tiverem o Quarteto Fantástico em si? rs

  • Ótima crítica, Rodrigo!
    Ainda não assisti, e estou até em dúvidas quanto tempo vai demorar pra eu assistir kkkkk
    Antes, eu não curtia muito essa ideia do Hank Pym mais velho. Porém com o tempo eu fui me acostumando (também, olha quem interpreta o personagem. É impossível não gostar do Michael Douglas).
    Mesmo que tivessem mantido o Fantasma como um homem, teriam que dar uma origem para ele. Nos quadrinhos, o cara tem um passado sem nenhuma informação grande. Só se sabe que ele era um cientista. Eu achei legal essa reformulada que deram na origem (já vi alguns spoilers sobre o que acontece).
    Jimmy Woo, pelo breve conhecimento que eu tenho sobre ele, é um personagem bem antigo da Marvel. Se não me engano da década de 50. É legal o estúdio escolher esses personagens mais obscuros e utilizar em outras mídias.
    5 roteiristas em um só filme…em alguns casos isso pode dar muito errado ou dar muito certo. Herbie: Meu Fusca Turbinado é um produto simples dado a 4 roteiristas e tem uma história pouco inspirada e repleta de furos. Com Homem-Formiga e a Vespa se provou diferente. Desse “Quinteto Fantástico” que saíram cenas criativas, como a já citada do Hot Wheels. O Paul Rudd praticamente já deixou a sua marca no personagem como o Chris Evans deixou com o Capitão América ou até mesmo o Christopher Reeves com o Superman. Daqui há mais tempo vai ser impossível dissimilar os dois kkkkkkkkkkkkkk
    Agora o MCU Michelle Pfeiffer. Então, para o elenco de Batman do Burton ficar completo, por que não pegar Danny DeVito como o vilão do próximo filme? Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    O Peyton Reed deve ser um sortudo. Trabalhando com esses atores consagrados, e isso não é de agora. Já no início de carreira, ele teve oportunidade de trabalhar duas vezes com o Dean Jones e uma com o Larry Miller. Com o Jones, foi algo inesquecível para ele naquele momento de carreira, já que Se Meu Fusca Falasse foi o primeiro filme que ele viu nos cinemas.
    Disseram que algumas dessas sequências em San Francisco foram inspiradas em Bullit (1969). Quando falam nessa cidade, eu me lembro diretamente dos dois primeiros filmes do Herbie (apesar que, como naquela época usavam muito o Yellowscreen e Chroma Key, só há 3 cenas no primeiro filme em que o Fusca realmente está dirigindo por San Francisco).

    • Valeu. O Rudd já deixou sua marca no personagem de maneira definitiva. Incorporou demais. Muito bom.

      Danny DeVito poderia ser o Toupeira, mas não sei, está quase com 80. Certamente rejuvenesceriam o personagem como se deu com o Abutre. O Sean Astin seria perfeito.

      O Reed já trabalhou com muitas feras mesmo. Deve ser gratificante para o diretor.

      • É bem capaz. Mas seja em qualquer papel que o coloquem, a Marvel cumpriu sua missão: pegar todo mundo que era importante no Batman do Burton kkkkkkkk
        Logo em início de trabalho, você pega atores que marcaram a sua infância? Ele mesmo disse que, naquele momento da carreira, foi algo único. Quando anunciaram a Michelle Pfeiffer como Janet, ele correu atrás de todos os filmes que a atriz fez.

  • Groucho Marx

    Como prometido, vim te visitar e deixar um elogio (praxe, né?). Texto excelente, e define bem o que é o longa: um produto feito com muito esmero, mas com alma de filme “B”. E dá-lhe citações aos clássicos dos anos 50 do século passado (O Ataque da Mulher de 15 Metros, Viagem ao Centro da Terra, Tarântula, etc.). Enfim, diversão garantida ou nosso dinheiro de volta (e, nesse caso, nem precisamos passar nos guichês dos cinemas, já que o filme acertou em cheio). Como diria um conhecido nosso, vou usar um termo para encerrar: excelsior!!! Grande abraço.

    • Valeu. É isso aí, o espírito de filme “B” que uma obra tão inverossímil como essa precisa ter, entregando totalmente aquilo a que se propõe: diversão.

  • Dave Mustaine

    Excelente texto, meu amigo. Desculpe a demora, eu queria ver o filme antes de ler a crítica, mas infelizmente não tenho previsão de quando poderei ir :/ pelo visto, parece que eles pegaram tudo o que deu certo no primeiro filme e duplicaram! Eu admito que tinha um certo receio do filme acabar ficando abaixo do primeiro, porque dessa vez não tinha mais Edgar Wright, ia ser inteiramente do Peyton Reed, e convenhamos que o Wright é bem mais diretor que o Reed, mas me enganei legal (ainda bem), a direção tem sido um dos fatores mais elogiados pela crítica.

    Mas aí, então agora a Marvel flopou né? Não é possível, esse é flop! Engraçado que depois de tomarem uma surra de Pantera Negra e Guerra Infinita, agora as snydetes estão se escorando no Homem-Formiga & Vespa pra voltar com os arjumentos de “fórmula Marvel”, “comédia pastelão”, “filmes tudo igual”, “esquecível”, etc.

    Mas eu vou falar, acho que seria mais prudente a Marvel ter esperado um pouquinho mais pra lançar o filme, em agosto ou setembro, acredito que a concorrência seria menor e teria mais tempo pra marketing (que aliás, com o perdão do trocadilho, a divulgação desse filme foi um tanto quanto pequena), além de que não faz tanto tempo que Guerra Infinita estreou e Capitã Marvel vai demorar pra caramba, então acho que eles poderiam segurar um pouquinho mais.

    e um outro que não entende necas de pitibiriba do que está ouvindo

    Mas que espécie de linguajar jurássico é esse? kkkkkkkkkkkkkkk

    • Valeu, meu amigo. Eu não vejo nada demais no Wright e o último filme dele eu parei de ver com trinta minutos…rs Não conhecia o Reed, mas o trabalho no primeiro já havia sido muito bom (há tanto do Wright lá quanto dos novos roteiristas e do Rudd) e nesse agora ele realmente amplifica tudo e faz um filme ainda mais divertido e insano.

      Acho que Homem-Formiga é isso aí mesmo. O primeiro filme fez 519 milhões quando todos do estúdio faziam mais de 700. O personagem tem muito menos apelo que os outros, mesmo sendo da Marvel, e ainda tem o fator “ridículo” do nome que afasta muita gente. Essa continuação está tendo a evolução natural de bilheteria de uma sequência da Marvel. Acho que só o 3 é que pode vir a conseguir uns 800 milhões, e não vejo um teto superior a isso para essa franquia. Como os filmes são muito mais baratos que os outros do estúdio (tanto em valor de produção quanto em marketing) eles são apostas seguras.

      Mas que espécie de linguajar jurássico é esse? kkkkkkkkkkkkkkk

      São as gírias idosas. Decidi tirar as barbas de molho e mandar brasa! Sem lero-lero, é só tirar as barbas de molho e arrebentar a boca do balão. Chuchu-beleza!