O CONTO PERDIDO
Capítulo 1 – O Velho Turner


As velas queimavam rodeadas por pequenas e insignificantes brasas, seu tronco de cera derretia lentamente enquanto o fogo se aproximava, ardendo o barbante em seu interior vagarosamente. Um velho e experiente homem, já cansado de aventuras, repousava em sua poltrona antiga e aconchegante, feita de madeira e estofado barato. Observava pela janela embaçada, de poucas e pequenas repartições, o grandioso oceano pelo qual um dia já velejou, explorando-o de cabo a rabo, durante muitos e muitos anos. Em sua vasta memória, agora um pouco enferrujada e, assim como seu corpo, envelhecida, remoía ótimas e inesquecíveis lembranças de seu glorioso passado, onde suas perigosas e desafiadoras aventuras o levaram aos mais variados lugares dos sete mares, fazendo-o conhecer todo o tipo de gente e espécie.
ㅤㅤNas temorosas águas do mar foi onde seu pai desapareceu, e em suas inóspitas e perigosas ondas ele foi novamente encontrado; ao encontro das finas e incômodas areias com as leves correntes marítimas, o velho homem, em sua juventude, pediu a mão de sua amada em casamento, e, no mesmo etimológico lugar seu coração foi arrancado. Mas, diferente de tudo e de todos, aquele homem não pereceu e cessou sua vida; pelo contrário, ganhou a chance de viver novamente, como um pagão, entretanto. Por dez anos velejou como um capitão imponente, por dez longos anos apresentou-se como o comandante do mais temido navio de todo o mundo, por dez malditos anos se distanciou daquilo que mais amava, sua mulher e seu pequeno filho, para dar lugar a segunda coisa que mais lhe fazia valorizar a vida.
ㅤㅤEmbora tenha sido um amedrontador capitão, o jovem nunca foi capaz de fazer um mal sequer a ninguém, dentre os homens e criaturas horrendas que permeavam esse mundo — muitas delas, parte de sua tripulação. Mas a maldição que carregava fazia muitos emasculados molharem as calças, mulheres correrem sem rumo e crianças ficarem traumatizadas. Hoje, fisicamente, estava velho; velho demais para cumprir missões, chamados ou colocar medo em algum ser vivo. Hoje, estava velho demais para entrar em um navio e velejar desprovido de uma orientação novamente.
ㅤㅤAo som de curtos e apressados passos, ele ouviu seus pequenos netos adentrarem o cômodo em que estava. O menino e a menina, que partilhavam teu mesmo sangue, chegaram sem pedir permissão ou licença; assim como foi um dia, eram teimosos e curiosos, possuíam olhos glaucos, respirações ofegantes e uma mente repleta de contos fantásticos. Eram, assim como ele, loucos pelo mar, por velejar, e, um dia, queriam ser iguais ao vovô, possuindo sua própria tripulação, que os conduziriam a cruzar os sete mares. Seriam, como ele um dia foi, um pirata.
ㅤㅤAs crianças portavam vestimentas antigas, típicas daquela época histórica. Usavam chapéus maiores que suas cabeças e sapatos perfeita e milimetricamente bem-acabados. Ainda ofegavam, o garoto colocava suas duas mãos apoiadas sobre os joelhos, e ambos tentavam reter o mínimo de oxigênio em seus pulmões. Mas a curiosidade, ah, ela era maior do que qualquer necessidade física naquele momento.
ㅤㅤ— Vovô, vovô… —  bradou Johnny, com um ar de inocência e inquietude. — É verdade o que o papai nos contou?
ㅤㅤ— Bem, meu pequeno, isso depende. O que foi que ele lhes contou? — Perguntou o velho homem, intrigado.
ㅤㅤ— Ele disse… — Ariel começou, com sua voz fina e fofa, ao lado do irmão, finalizando o que seu ofegante parceiro queria saber. — Disse que o senhor já velejou com Jack Sparrow.
ㅤㅤO longevo homem sorriu. Indagava-se o porquê do tamanho da curiosidade de seus netos e o endeusamento de uma figura tão patética e desprezível quanto a de seu vetusto amigo. Amigo… depois de tudo essa palavra simbolizava com perfeição a relação que aquele homem possuía com o antigo pirata. Não o via há anos, mas aquele nome tinha muita relevância em suas memórias e, querendo ou não, havia sido uma figura muito importante em sua vida.
ㅤㅤ— Sparrow? — o idoso disse, mostrando os dentes — Sim, velejamos juntos. O conheci há muito, muito tempo. Fomos companheiros de inúmeras batalhas em seguida — ele olhou novamente entre os pequenos vidros da janela, fitando o oceano. — Um estranho homem. Miserável, patife, ordinário… mas com um grande coração.
ㅤㅤ— Eu pensei que ele fosse uma lenda, vovô. — Voltou a expressar Johnny, com seus pulmões já recuperados.
ㅤㅤ— Uma lenda? — o provecto individuo pronunciou, relembrando alguns de seus momentos. — Sim, acho que podemos chamá-lo dessa maneira.
ㅤㅤ— Pode nos contar uma de suas histórias? — Ariel deixou escapar, e olhou fixamente para o irmão, procurando seu aval. O garoto sorriu de orelha à orelha e virou todas as suas atenções para seu avô, adorando a ideia de sua irmã.
ㅤㅤ— Por favor, vovô! Nos conte uma de suas histórias!
ㅤㅤO velho observou aqueles quatro olhos arregalados, quieto e calado, enquanto mais passos se aproximavam. Um majestoso homem, de porte corporal elevado, apareceu com sua silhueta no buraco da porta, colocando um de seus braços sobre o vão. Sorria como uma criança, embora há anos não tivesse a idade de uma. Apreciava aquela situação, assim como seus filhos, sorrindo.
ㅤㅤ— Henry, eles estão querendo saber sobre Jack Sparrow — riu, animado. — Olha só o que você acaba de fazer.
ㅤㅤ— Ah, pai, eles estão completamente loucos para conhecer a história de vocês juntos — Henry desfrutava-se do contexto, empolgado — De como ele o ajudou a ficar com a mamãe, de como se tornou o capitão do Holandês Voador… — continuou, cruzando as pernas. — Acho que até eu vou querer ouvi-las novamente.
ㅤㅤO velho e quase centenário Turner novamente deixou seus dentes à mostra, quando pediu a seus jovens netos se sentarem ao chão para que começasse a narrar o longo conto. Henry acompanhou os filhos instantaneamente e acomodou-se no gélido solo com rapidez, sem pensar duas vezes, também virando todas as suas atenções para a narrativa que estava prestes a iniciar. Enquanto seu macróbio progenitor contava suas histórias, observava e lembrava delas com emoção e nostalgia, visto que, além de também ouvi-las na adolescência, similarmente guardava recordações do companheirismo do velho Sparrow em alguns de seus feitos. ㅤㅤLogo, todos ali conheceriam o que aconteceu com o antigo pirata, do inicio ao final da parceria do virtuoso ladrão dos mares com a família Turner, e poderiam após tudo isso, infelizmente, conhecer sua história final e despedir-se de sua marcante figura. Assim começou o conto onde suas vidas cruzaram com a de Anne Bonny e sua laia.

2

48 anos atrás.

ㅤㅤAs marés eram altas e fortes, ribombavam o gigantesco e imponente navio com uma extrema facilidade, enquanto o céu se fechava aos poucos, apontando para o início de uma temorosa tempestade. A corpulenta tripulação ia de encontro aos cantos do navio, impulsionados pelos tremores providos pelo furioso oceano. Inquietos se encontravam, balançando com a corrente de um lado para outro, se segurando onde era possível.
ㅤㅤNão demorou muito para que as minúsculas partículas de água começassem a cair do céu negro e desintegrar-se quando encontravam a madeira envelhecida daquele majestoso barco. Sem que a tripulação tivesse tempo ao menos para se preparar, as gotículas logo se enrijeceram, aumentaram seu diâmetro e ficaram mais pesadas, caindo depressa e possuindo pouco espaço separando uma das outras. Os trovões ensurdeciam os marinheiros e os clarões dos relâmpagos praticamente os cegava. Se alguém visse aqueles pobres homens de fora do navio, não poderiam ouvir seus gritos de pavor e pedidos de socorro, já que a altura de suas vozes não eram comparadas aos estrondos vindos do celeste de nuvens carregadas.
ㅤㅤ— CAPITÃO! — um dos velejantes gritou, desesperado, sem saber o que fazer — CAPITÃO ROBERTS! — Seus olhos estavam inchados, e as lágrias que escorriam pelo rosto eram misturadas com a a saliva provida pela numerosa tempestade.
ㅤㅤO capitão não respondeu, nem ao menos pareceu interessado em atender o chamado de um de seus homens. Em sua cabine estava, com as mãos tampando os ouvidos, rezando para que tudo aquilo terminasse logo. ㅤㅤSe encontrava, como todos ali presentes no navio, tomado pelo medo. A tripulação do Capitão Roberts sempre admirou sua coragem e bravura, porém, perceberam naquele momento que nunca havia sido digno de tais méritos. Era, assim como os virtuosos soldados britânicos, um frouxo desprezível. O comandante fechava os olhos enquanto pedia a Deus por piedade e salvação, mesmo que soubesse da inutilidade de suas orações naquele momento. Era um pirata perverso, embora sempre tivesse poupado algumas vidas quando encontrava aquilo que buscava: seus tesouros abundantes, de riquezas imensuráveis. Saqueador nato, nas contas mais simples, responsável por arrebatar mais de quatrocentos navios; um registro grandioso, para um imponente ladrão dos mares.
ㅤㅤ— Ele não vai nos ajudar — respondeu ao homem um dos tripulantes, com seu grande chapéu cobrindo sua face, e um longo cabelo castanho preso. — É um covarde.
ㅤㅤO tripulante, autor da resposta, esbanjava uma doçura em suas palavras. Sua voz era fina, e seu esforço em engrossá-la era consideravelmente admirável. Abaixo de suas vestes, usava uma cinta em seus seios, para que fossem apertados junto ao tórax e desaparecessem aos olhos dos desatentos. Tuas delicadas mãos, um pouco sujas, apertavam um dos cantos do corrimão da escada, e junto à sua cintura, já havia lhe amarrado uma corda, para proteção. Anny Bonny. Estava ali, naquele navio, em busca de um lar. Era uma intrusa disfarçada, acometida pelo maior mal dos oceanos naquela época: a pirataria.
ㅤㅤ— Acho melhor fazer o que todos estão fazendo nesse momento, marujo — deixou escapar, com sua mão livre segurando seu chapéu para não voar, devido aos fortes ventos da tempestade. — Reze. Reze antes que seja tarde demais.
ㅤㅤEm meio à pancada d’água, a inerência das palavras de cada um daqueles homens se destacava. Muitos ali não possuíam fé, mas estavam temerosos demais para desacreditar em algo naquele momento importuno. Então, quase que como uma grandiosa missa em pleno mar, os marinheiros bradavam pedindo pela ajuda de Deus, enquanto, lá do céu, sua resposta não fosse nada agradável. A tempestade parecia aumentar a cada segundo perdido, e o mar, liderado pela furiosa Calypso, seguia os passos da personalidade de sua governanta, e mais impiedoso se tornava. Talvez fosse um desejo dos deuses que todos aqueles homens perecessem naquela noite, ou, quem sabe, fosse apenas um momento desgraçado em suas pobres vidas.
ㅤㅤ— Alto lá, homens! — vociferou Bonny, quando o céu foi novamente iluminado por um grande relâmpago. — Vamos tomar essa droga de navio!
ㅤㅤOlhares inquietos refletiam sobre suas vestes, quando seu chapéu ela retirou, e posteriormente seu cabelo liberto foi. Teus fios longos e castanhos foram instantaneamente molhados pelo choro das nuvens, embora estivessem sendo movimentados pelas violentas correntes de ar. Sacou em uma das mãos sua pistola perigosa, totalmente carregada.
ㅤㅤ— Uma mulher? — proferiu o marujo ao lado. — Você… é… uma mulher?
ㅤㅤEla o fitou por poucos segundos, sem, até aquele dia, entender o preconceito que tantos tinham com a relação do sexo feminino e o mar. Não o respondeu, virando suas atenções para o restante dos homens presentes no grandioso barco.
ㅤㅤ— Chega de subordinações ou não-benevolências daquele salafrário! — apontou a pistola em direção à porta da cabine do Capitão. — VAMOS TOMAR ESSA DROGA DE NAVIO! AGORA!
ㅤㅤ— MOTIM! — Dois dos homens bradaram, posteriormente emitindo gritos indecifráveis pela boca.
ㅤㅤOs senhores que ainda possuíam força nos braços retiraram suas longas armas brancas da cintura e as ergueram rumo ao céu. Ainda gritavam como loucos, e arriscariam seus supostos últimos instantes de vida para se vingar do egoísta Capitão. Repousando, até agora, quieto e calado, em seu longínquo dormitório, capaz de abrigar a todos da tempestade.
ㅤㅤ— MOTIM! — Anne Bonny expressou, também levantando sua espada ao céu com a outra mão.
ㅤㅤNo caminho à cabine, vários homens foram jogados ao mar devido aos abalos contantes do navio. Mas muitos deles conseguiram chegar a seu destino. A maioria se vingaria do individualismo de seu comandante, liderados pela cruel guerreira dos oceanos. Os marujos arrombaram a porta do estábulo, e adentraram sem que o Capitão Roberts suspeitasse de seus comportamentos — ainda tampava seus ouvidos, com medo, parecendo uma criança. Anne Bonny liderava os enfurecidos velejantes, e foi a primeira a avistar o covarde homem espremido em um dos quatro cantos do cômodo.
ㅤㅤSeu olhar refletia sua índole, enquanto as tristes e meticulosas vistas do do líder a fitavam pedindo o que pedia a Deus desde que o mar se enervou com seu navio: piedade. Para a surpresa do Capitão, aquela palavra não existia no vocabulário da impiedosa mulher.
ㅤㅤ— Paróla. — Ele suplicou, com suas últimas esperanças.
ㅤㅤEla apontou a arma em direção à sua cabeça. Seu cano era alongado e largo, sua munição era arredondada e pesada. O caminho que o chumbo percorreria cravava aquela mesma súplica do comandante. “Paróla”, em seu cano a mulher havia cravado, há muito tempo, para realizar o desejo de todas as pessoas que proferissem aquela palavra.
ㅤㅤ— Como quiser.
ㅤㅤPuxou o gatilho, desabastecida de toda e qualquer emoção. De longe, todos puderam perceber que aquela brava mulher poderia ser qualquer coisa, menos piedosa. A cabeça do Capitão se despedaçou em instantes, e o chão de madeira logo foi banhado por sua seiva avermelhada, que escorreu, segundos depois, para a porta, até que pudesse ser misturada com a água da chuva.
ㅤㅤ— O Princesa de Londres agora é nosso! — bradou, sem remoer ou se arrepender de seu feito, encarando o falecido e desfigurado homem ao chão.
ㅤㅤA chuva começou a diminuir instantes depois. Cessaria nos poucos minutos seguintes, fazendo aqueles marujos terem acesso à calmaria e benevolência dos deuses. Mas o que havia acontecido naquela noite não poderia ser desfeito. Até os mais incompreensíveis marinheiros daquele navio se renderam à bravura e liderança daquela mulher. Os preconceituosos se ajoelharam perante sua figura, e todos os demais ao menos retiraram seus chapéus imundos e os colocaram no peito. O nomearam capitã. Capitã Anne Bonny. A cruel homicida, pirata perversa, e agora comandante do Princesa de Londres.
ㅤㅤ— Você — apontou para o homem que clamou pela primeira vez pela ajuda do Capitão Roberts — Almirante. — Disse, recebendo como agrado um grande sorriso de satisfação do sujeito.
ㅤㅤTodos ali esboçaram um leve sorriso também, incluindo os mais invejosos.
ㅤㅤ— Estão esperando o que, seus vermes imundos? — manifestou Bonny, de repente. — Tracem a porra do curso para Tortuga!

Continua…


Inspirado nos personagens da Walt Disney Pictures.
Piratas do Caribe foi concebido por Gore Verbinski, Terry Rossio e Ted Elliott.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema, games e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Aragorn II, King of Gondor

    *-*

    ….

    Mano, estou simplesmente apaixonado por essa fic. Sério. PUTA MERDA!!
    Piratas do Caribe… mais do que nunca, ficou visível como você ama o tema, Jipeiro. A história está fabulosa, e reserva muito. Me apaixonei pela Anne (conheci a personagem em AC Black Flag, mas, por não estar habituado a este universo, não sei se a versão ”real” dela corresponde, de alguma forma, a essa. Deixo a dúvida aqui… rsrs), que se mostrou uma mulher forte e uma capitã FODA! Lembrei do que li sobre ela, certa vez, e sobre como algumas mulheres piratas colocavam tábuas de madeira entre os seios para disfarçar o volume. FODÁSTICO!

    Agora, tenho que ressaltar:
    Mano, sua escrita está simplesmente FANTÁSTICA. Sério. Cada vez mais, uma evolução perceptível, e acho que esse texto é o meu predileto dentre todos. A ambientação, logo de início, fantástica, e a transição para o navio… da escolha de palavras e expressões, à personalidade de cada um dos personagens, eu amei TUDO! Meus sinceros parabéns, seu porra.
    Ah, e… sei que você não leu, mas, talvez por causa do tema, a sua escrita me lembrou pra cacete a do Oliver Bowden no livro de Assassin’s Creed: Bandeira Negra (ao meu ver, uma das melhores adaptações de games já feita. O Bowden manda bem, e eu gosto bastante da escrita dele, divertida e de qualidade). O que é FODÁSTICO. Eu amo o livro, e senti o mesmo espírito aqui, mas com um toque ainda mais especial. Um toque de quem tem um carinho grande não só pela saga, mas por piratas em si.
    Você é FODA! Hehehe…

    Mano, essa fic promete. Já pelo primeiro capítulo, merecia ser um Spin-Off oficial da Saga, sem exageros. Ansioso por mais.
    E… DISNEY, CONTRATA ESSE MENINO!!

    Hahaha… brincadeiras à parte, eu realmente amei. Capítulo excepcional, ,meu hype além de limites pro que vem por aí.
    NÃO DEMORA, SEU DEJETO MARÍTIMO!!

    • Dave Mustaine Kryptoniano
      • Aragorn II, King of Gondor

        Mindblow, né? Kkkkkkkk!

        Acho que ela tá em praticamente todas as obras de ficção envolvendo piratas. É impressionante… kkkkkkkk!

        • Dave Mustaine Kryptoniano

          Curioso kkkk preciso pesquisar mais sobre o assunto. Até o momento não me deparei com nenhuma música do Alestorm que fale sobre ela,rs.

          • Aragorn II, King of Gondor

            Hahaha…. sem dúvidas!
            Nunca tinha ouvido falar dessa banda, ”Alestorm”, mas parece da hora. Tão perdendo tempo de não terem feito nada sobre ela. Dinheiro fácil… rsrs!

          • Dave Mustaine Kryptoniano

            Alestorm é fodastico. O estilo deles se encaixa no Folk Metal,mas eles se consideram como True Scottish Pirate Metal

    • SÉRIO??? <333333333333
      Mano, se tem uma coisa que eu amo com todas as minhas forças, depois de Star Wars e Senhor dos Anéis, é Piratas do Caribe. Eu recordo de alguns momentos e é meio impossível segurar o choro. Deveria dar uma chance e assistir aos filmes, já que sei que nunca viu.

      Não sabia que a Anne tinha participado de AC. Eu descobri sobre ela lendo uns tópicos dos piratas mais famosos e perigosos da história. E na hora me veio a ideia dessa fic. Fala sério… Jack Sparrow nunca enfrentou uma vilã, então vi aí uma oportunidade perfeita. Ah, mas não vai ser só ela. Tô planejando fazer um “sexteto sinistro” nessa história… kkkkkkkkkk

      Seu texto meu predileto??? AWWWWWWNNNNN *-*
      Eu aprendi DEMAIS escrevendo contigo. Percebeu que peguei até suas manias? kkkkk
      Espero que não pense que estou te copiando no estilo de escrita. Você é uma inspiração pra mim, assim como os outros inúmeros gênios da literatura.
      Sério que você gostou da transição de cena pro navio e a cena do navio em geral? Eu achei ela meio merda, apressada demais. Mas postei mesmo assim kkkkkkkk

      Nunca li kkkkkkkkkkkkk
      Mas fico feliz em escrever parecido com ele.

      Spin-off é o caralho. Eu quero um sexto filme com essa porra de história! kkkkkkk
      Vou tentar fazer o que a Disney não anda fazendo com a franquia: como um fã, respeitando o cânone e trabalhando de uma forma decente com os personagens que tanto amamos. Pode esperar pra ver Will, Elizabeth, Davy Jones, Salazar, e uma porrada de figuras de volta. Vai ser um desfecho bem bonito (e emocional) pro nosso capitão Jack. Quero mexer e ir bem fundo no personagem.

      EU JÁ TÔ DEMORANDO kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
      Confesso que o segundo capítulo do Homem-Animal sugou todas as minhas energias nessas últimas semanas… kkkkkkkkkkk
      Travei no capítulo 2 dessa merda de fic dos Piratas, mas sei exatamente o que quero fazer.
      Muito obrigado, seu merda <3

      Perguntinha aleatória… Acha que deveria mudar o nome para Piratas do Caribe: O Conto Perdido? Eu não coloquei de cara porque queria fazer um misteriozinho kkkkk

  • Tentarei ler aquela fic bem lixosa do Aragorn lá do Batman, aquele textão de SJW do Homem-Animal e depois leio isso.
    Ah, tenho que escrever uma fic lá com o Herbie também.
    Resumindo, talvez consiga ler isso daqui a alguns anos.

  • Já não basta ler aquela fic que faz qualquer um defecar do Aragorn, aquele seu textão de Facebook, tive que ler isso…
    Mas sério, que história fantástica, Sabixão.
    Estarei a repetir o que o Aragorn falou: CONTRATA ESTE BENINO!

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Cara,que texto fantástico! A história mal começou e já é muito mais empolgante que Navegando em Águas Misteriosas e A Vingança de Sallazar,rs.

    Falando nisso,eu vi que voce tinha feito um especial sobre Piratas do Caribe no Geeks igual esse que voce está fazendo sobre Star Wars aqui,pretende repostar as críticas aqui?

    • Muito obrigado, seu bunda <3
      Mais empolgante que Águas Misteriosas e A Vingança de Salazar??? Convenhamos que isso não é muito difícil, né? kkkkkkkkkk

      Sim, vou repostar todos. Já estão salvos nos rascunhos do site!

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Kkkk não é nada difícil,será que eles ainda vão investir nessa franquia que já ficou à deriva?

    • Dizem que vão fazer um sexto filme. Em A Vingança de Salazar colocaram uma cena pós-créditos que confirma isso. Mas depois desses últimos dois filmes, não sei se quero que essa sequência aconteça. Ainda mais porque vão reutilizar o Davy Jones (meu personagem predileto); não confio mais nessa equipe incompetente.

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Sim,tem aquela cena pós-créditos,mas será que depois do fracasso comercial de A Vingança do Sallazar essa sequência realmente acontecerá?

    • Bem, o filme não foi um fracasso comercial. Arrecadou quase 800 milhões, e a venda dos blu-rays estão indo bem. Acho que com certeza farão uma sequência. Devem estar esperando só a poeira abaixar pro lado do Johnny Depp.

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Ih,eu achei que o filme tinha flopado legal,mas parece que só flopou nas críticas então.

    • Sim, as críticas foram horrorosas. Mas quase todos os Piratas têm críticas horrorosas… kkkkk

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    Os 3 primeiros não… ou tem?

    • RiptorBR

      O primeiro não, agora o segundo & terceiro medianas.

      • Dave Mustaine Kryptoniano

        Mas é compreensível né,apesar de serem ótimos,o segundo e o terceiro não são tão coesos que nem o primeiro.

        • RiptorBR

          Realmente.

    • Só o primeiro que possui boas avaliações. O resto… todas horríveis kkkkk

  • Dave Mustaine Kryptoniano

    É,mas também,o 2 e o 3 não são tão coesos quanto o primeiro,são ótimos,mas um pouquinho confusos.

    • Se analisarmos atentamente os detalhes e easter-eggs, tornam-se coesos. Mas isso é pra fã mesmo, que consegue pegar todas as ligações que as histórias fazem. Acho os três primeiros filmes impecáveis.

  • Ótimo texto, @JipeiroEspacial:disqus . Você já leu A Ilha do Tesouro? Você gosta bastante desse universo de Piratas do Caribe, é uma leitura excelente.

    • Muito obrigado, Rodrigo. Eu nunca li.
      Pelo nome, tá na cara que é uma história de Piratas. Tem maldições, essas coisas?

      • Foi o livro que deu origem às histórias modernas de piratas e ilhas com tesouros enterrados e etc.

        • Ah, sim. Então ele deve ter uma grande importância. É longo?

          • É livro infanto-juvenil. Deve ter 250-300 páginas.

  • Aragorn II, King of Gondor

    OF COURSE, YOUR PORRA! <3333333333

    Ainda darei a chance que a saga merece, prometo! Só que… é coisa pra caraio que eu tenho que ver, e Piratas tem fuck*ng cinco filmes, sendo dois deles, no mínimo, controversos… kkkkkkk! Mas, ainda esse ano, tomarei coragem e assistirei. PROMESSA DE ANO NOVO! (Já passou há quatro dias, mah foda-se)
    Sim! Inclusive, se eu não me engano, ela participou de One Piece também, que é um mangá/anime sobre piratas que eu lia quando era menor. A mulher é FODA… kkkkk!
    Genial! Eita, Sexteto Sinistro? Prevejo coisa boa… hauahuahauahaua! Grupos de vilões são sempre fodas.

    Já falei que você me superestima demais, seu porra! EU que aprendi pra caralho escrevendo contigo. <3<3
    Que isso, meo! Eu não acho que eu tenha tanta importância assim pra tua evolução (já falei que você tem um talento natural pra escrever), mas, se você diz, me sinto honrado! <3<3<3

    Huahauahauahua… gostei sim, meo! Foi da hora!

    Kkkk! Bowden é cool. Dá uma olhada qualquer hora, se puder.

    Huahauahauahau…. falei spin-off porque não sabia como ia se relacionar com a história da saga principal (que eu nem vi, né? :P), mas, se é assim, SEXTO FILME JÁ, DISNEY!!
    Hehehe… tenho certeza de que você vai mandar bem demais.

    Fico ansioso, esperando o próximo capítulo (quer dizer, se é que você já não postou, porque eu tô muito desligado esses dias. Se sim, manda o link que eu tô perdidão, please… hahahah).

    Ah, acho que fica da hora. O mistério foi cool, mas, agora que o povo já leu, talvez fique mais organizado…
    Mas sei lá. Como eu já disse repetidamente hoje, eu sou um merda! 😛

    • Eu fico envergonhado até hoje por não ter cumprido a promessa que fiz a você referente a Game of Cocônes (essa foi só pra irritar, confesso… kkkkkkkk). Falei que terminaria todas as temporadas antes da nova, mas não consegui. Falei pro Rodrigo que assistiria Sons of Anarchy inteira também, e nada. De ambas, vi só a primeira temporada, e poucos episódios da segunda. Eu sou um merda 🙁

      • Aragorn II, King of Gondor

        […] Game of Cocones

        MEÇA SUAS PALAVRAS, PARÇA! Kkkkk!
        Bah, mano, de boas… hauahuahauaau! GoT pode demorar pra engatar pra você mermo. Ainda mais sabendo de spoilers. Fica tranquilo!
        MENTIRA, É PRA ASSISTIR ESSA PORRA TODA ATÉ O FINAL DE JANEIRO, OU EU VOU AÍ TE FAZER ASSISTIR AO ESTILO LARANJA MECÂNICA!

        Huahauahuaahua!

        Mas, se não fez teu estilo, de boas mermo. Eu também tinha prometido assistir Sons of Anarchy antes que saísse da Netflix… mas acabou que só consegui assistir HIMYM a tempo, e, ainda assim, raspando no ”prazo”.

        Porra, meo, faça uma macumba pra acabar com esse bloqueio! Tô ansioso aqui pelo capítulo 2! 😛

        • VAI TOMAR NO CU
          EU ARRISCO!!!

          Eu tô tentando, carai

          • Aragorn II, King of Gondor

            Kkkkkkkkk!

            ME AGUARDE ENTÃO, SEU PORRA!

            TENTA MAIS, CONTRATA UM CHINÊS E TRANCA ELE NO PORÃO, SEI LÁ, MAS LANCE!