Asilo Arkham: Uma Séria Casa em um Sério Mundo foi uma história originalmente publicada em 1989, escrita por Grant Morrison e ilustrada por Dave McKean. O quadrinho figura entre os mais incomuns do Homem-Morcego; sua peculiaridade se encontra nas belíssimas ilustrações/designs, incrivelmente fabulosas e perturbadoras de McKean, e no roteiro completamente maluco (e genial) de Morrison. É uma história que mexe muito com o psicológico, tanto do Batman, quanto de seus inimigos, em especial o Coringa.

“Mas eu não quero me encontrar com gente louca”, observou Alice.
“Você não tem como evitar”, replicou o Gato. “Todos nós aqui somos loucos. Eu sou louco. Você é louca”.
“Como sabe que eu sou louca?”, indagou Alice.
“Deve ser”, disse o Gato, “ou não teria vindo aqui”.

Lewis Carroll, em Alice no País das Maravilhas.

Alguém libertou todos os insanos do Asilo Arkham. Agora, libertos, todos esses doentios personagens provocam um show de horrores dentro do manicômio. Para cessar com a anarquia, o Coringa exige a presença do Batman no local, para que possa convencer o Morcego, de uma vez por todas, que ele não é diferente dos demais. A loucura e a insanidade estão presentes na mente do Cavaleiro das Trevas. Será que o lugar do Batman é junto dos demais malucos da cidade? Seria o Asilo Arkham o verdadeiro lar do Morcego? Essa história aprofunda em conceitos e ideias não aproveitadas, indo fundo na psiquê do personagem, e de seu núcleo narrativo.

Algo genial que Morrison introduz na história, é a personalidade do Coringa. Já perceberam, que nos muitos anos de publicação da DC Comics, o Coringa foi retratado com diferentes personalidades? Não só nos quadrinhos, em outras mídias, como cinema e televisão, podemos ver essa nítida diferença em algumas abordagens. Nas publicações da editora, o Coringa da Era de Ouro é diferente do da Era de Prata, que é diferente do da Era de Bronze, que é diferente do Coringa atual. Durante os anos 50, um código de censura foi instaurado nos quadrinhos, proibindo que os mesmo fossem violentos, e não-educativos. Conclusão, as histórias se tornaram mais infantis. Apenas entre o início e meados dos anos 70, essa censura foi por água abaixo.

Morrison, na história, explica de uma maneira magistral, com um único diálogo, porque o personagem que hora foi um palhaço brincalhão, outrora estava baleando e estuprando a Batgirl (sim, essa é a minha interpretação de A Piada Mortal), pode conter essas múltiplas personalidades (embora muito do pré-Crise tenha sido descartado).

“Diferente de mim ou de você, o Coringa não parece ter controle sobre as informações sensoriais que recebe do mundo externo. Sua mente pode lidar com a barragem caótica de estímulos deixando-se levar pelo fluxo. Por isso, em alguns dias ele é um palhaço infantil e, em outros, um psicopata assassino. O Coringa não tem uma personalidade verdadeira.”

A trama se baseia em um tuor pelo manicômio, mostrando vários outros vilões clássicos do Batman, como Duas-Caras, Crocodilo, Chapeleiro Louco, etc. O quadrinho também faz uma homenagem à grande obra de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas, não só nas frases escolhidas por Morrison e colocadas nas páginas inicial e final da obra. A trama também lembra um pouco a história de Alice, visto que a personagem passa por um eventual passeio em um mundo permeado por personagens loucos, se perguntando a todo momento se ela pertence ou não àquele lugar.

Além do chamado do Coringa, existe outra razão para o Morcego estar ali. A pessoa responsável por toda essa confusão, indiretamente, quis a presença do Batman. Morcegos… Tudo culpa dos morcegos!

Na história ainda temos a oportunidade de conferir, paralelamente, a jornada de Amadeus Arkham, o fundador do manicômio. Somos apresentados à sua pessoa, seus pensamentos e traumas, além de conhecermos como ele virou um próprio residente do Asilo. Sua loucura foi impulsionada por terríveis acontecimentos. Asilo Arkham é uma pequena história, com uma grande genialidade. Quer ter uma leitura totalmente maluca, perturbadora e divertida ao mesmo tempo? Esse quadrinho do Batman é ideal, com toda certeza da mundo!

Asilo Arkham: Uma Séria Casa em um Sério Mundo (Batman: Arkham Asylum: A Serious House on Serious Earth – EUA – 1989, DC Comics). Roteiro: Grant Morrison. Arte, arte-final e cores: Dave McKean.

Compartilhe

Sobre o Autor

Victor Dourado

Fissurado por quadrinhos, cinema, games e literatura. Estudante de Matemática e autor nas horas vagas. Posso também ser considerado como um antigo explorador espacial, portador do jipe intergaláctico que fez o Percurso de Kessel em menos de 12 parsecs.

  • Resenha excelente Jipeiro! Mais uma de um dos caras mais genialmente loucos que já passaram pela nona arte. Sempre digo que o que mais gosto no Batman é a mitologia em volta dele, principalmente os vilões, então essa história deve ser um prato cheio pra mim.

    • Muito obrigado, Black!
      Sem dúvida alguma! O Batman não seria metade do que é sem seus icônicos vilões. Um bom herói não é nada sem bons antagonistas!

  • Pedro, o Homem Sem Medo

    Muito bom reler essa sua resenha, Victor (Von Doom).
    Gosto demais quando o Batman é abordado em sua humanidade, como deveria ser sempre. Tenho que reservar um tempo para ler esta graphic novel. Meses atrás, eu li um arco do Wolverine que aborda a mesma temática. Na história, ele é preso em um manicômio por um psicopata e sofre o pão que o diabo amassou. Mais uma grande obra do Jason Aaron. Mais recentemente, eu li o arco Cavaleiro da Lua – Lunático. Considero um clássico moderno. Também é uma história que explora a esquizofrenia de Marc Spector. É nada menos que fantástico.
    Agora, eu lhe pergunto o seguinte: por que esse tipo de história nos intriga tanto? Será que nos identificamos com a loucura dos personagens?

    • Kleber Oliveira

      Penso eu que seja por sermos tentados a todo momento da mesma forma, mas de intensidade diferentes. A razão é o maior mistério da humanidade, tudo que a envolve nos fascina.

    • Muito obrigado, marveco (safado)!
      “Jason FODÁSTICO Aaron”, como você fala, né?! Meu amigo, eu também li esse arco do Cavaleiro da Lua. Digo também, sem medo, que é um clássico moderno (aliás, acho que já até falamos sobre, nos tempos do canal do disqus).

      Eu não sei, meu amigo. Talvez sim. Mas existem as loucuras que vêm para o bem!

  • Aragorn II, King of Gondor

    Li faz tempo, pretendo cumprir minha promessa de reler este mês! Mas é um dos melhores quadrinhos que já li do Morcego, sem sombra de dúvidas. O Morrison simplesmente DESTRÓI! As artes também são incríveis…..

    Ótima resenha, Jipeiro!

    • Eu também acho uma excelente história, meu amigo!
      Morrison é Morrison, não tem jeito! kkkkkkkkkkkk

      Muito obrigado, mano!

  • Excelente resenha. Não está entre as minhas histórias prediletas do Batman, acho a arte bem superior à história em si, mas é um clássico, especialmente por ser uma das primeiras histórias a explorar a fundo essa evidente faceta de loucura da maior parte dos inimigos do Homem-Morcego, que é um dos aspectos mais interessantes da sua galeria de vilões e que passou a ser muito explorado depois dessa história.

    • Herbie: De Volta ao Lar

      Rodrigo,eu preciso te avisar disso. Olha o que eu encontrei num post do vício:
      https://uploads.disquscdn.com/images/0481d627b864de93a9ff3a59a1dd2b72d4ea70af120b10ee63b8e24d8141efb0.png
      O cara só tem dois comentários. Aqui é o post onde ele apareceu e o perfil:
      https://disqus.com/by/rodrigo_reverso/
      http://ovicio.com.br/secret-empire-9-sugere-trazer-grande-revelacao-para-o-capitao-america/
      Eu descobri quando estava postando as notícias do Geeks.

      • Sim, surgiu tem poucos minutos. Fui responder um comentário ao Kleber, por causa de um comentarista que tava enchendo o saco dele, e logo vieram os haters de sempre. Resolvi perder tempo respondendo, e logo depois surgiu esse perfil. Não sabem nem disfarçar quem são…kkkkkkkkkkk

        • Herbie: De Volta ao Lar

          Você vai denunciar-lo?

          • Sim, já denunciei. Agora está me respondendo lá com perfis de visitantes pra fazer parecer que são pessoas diferentes…kkkkkkkkk É muita doença, cara.

          • Herbie: De Volta ao Lar

            kkkkkkkkkk engraçado que faz um tempo que o fake não voltou a me xingar….a maioria do pessoal do vício me conhece e sabe que não sou fanboy,então ele pode ter percebido isso e decidiu parar,ou porque cansou mesmo kkkkk
            Pior que ele me acusa de falar mal da DC,sendo que eu sou moderador e contribuidor de um canal do disqus somente sobre a DC kkkkk

          • Com certeza cansou. Agora ele deve voltar. Vai ver que você me alertou aqui e vai te atacar também…kkkkkkkkkkk

          • Herbie: De Volta ao Lar

            Já me preveni. Bloquei minha conta pra ele não ver kkkkkkkk

          • É, mas ele vem através do meu perfil…rs Cara, esse pessoal é obsessivo. Acompanha todos os passos…rs

          • Herbie: De Volta ao Lar

            Eu comentei na sua crítica de Homem Aranha: De Volta ao Lar. Fez uma crítica excelente.

    • Muito obrigado, Rodrigo!
      Com certeza. A exploração da loucura dos vilões, e do próprio Batman, é algo que interessa muitos leitores. O Morcego deveria estar no Arkham junto com seus antagonistas? Afinal, ele é um tremendo de um louco também.

      • Pois é. É o mais louco de todos…rs

  • Kleber Oliveira

    Crássicu!

    Jipeiro, chegou a ler Decifra-me Isso. Cara, procurei em toda parte e não encontro nem resenha ou referência a esse quadrinho. Você deve ser capaz de encontrar essa.http://dc.wikia.com/wiki/Batman:_Riddle_Me_That
    Sério, cara, um dos melhores quadrinhos que já li do Batman.

    Outra, já leu Onomatopéia?

    • Eu encontrei as edições, Kleber. Inclusive, as baixei.
      Está na minha pilha de leitura, junto com Messias, indicação do Pedro.
      Aliás… perdeu as edições? Se quiser, as te mando.

      Nunca li, meu amigo. É um quadrinho?

      • Kleber Oliveira

        Gostaria que me mandasse, cara.

        Sim, Onomatopeia é uma história do Batman também. Bem divertida.

        • Qual seu e-mail, Kleber? Pra eu te mandar as edições.

          História do Batman? Caramba, eu nunca nem tinha ouvido falar… kkkkkk

          • Kleber Oliveira

            keekot@live.com

            Avise quando anotar, não pode dar brecha pros stalkers do Disqus.

          • Acabei de anotar. Vou mandar quando chegar em casa!

          • Kleber Oliveira

            Ah, sobre Onomatopeia, não é um grande quadrinho, eu gosto dela justamente por ser “pequeno”. Você nunca ouviu falar desse vilão? No fim do quadrinho você saberá de quem ele era inimigo.

          • Nunca tinha ouvido falar desse vilão, mano. Então o quadrinho é uma minissérie pequena? Vou ver se acho ele no site que eu uso para scans.

            Obs: Chegou o e-mail pra você?

          • Kleber Oliveira

            Hehe. Chegou sim. Eu exclui o aplicativo do Disqus do celular e agora fica difícil ver os comentários.

            Obrigado.

          • Por nada.

  • Agente Smith

    Relendo sua ótima resenha, essa história é na minha opinião a segunda melhor história em que o Coringa está presente perdendo apenas para A Piada Mortal. As artes são tão boas quanto a história em si, não duvido nada que o Dave McKean tenha fumado umas antes de ilustrar kkkkk.

    • Também adoro essa história, meu amigo!
      McKean tava muito louco. Sempre está em suas artes, na verdade! kkkkkkk
      Muito obrigado!

      • Agente Smith

        Sim kkkk. Desculpe por ter demorado a responder e curtir um comentário, um caminhão acabou com os fios da rua e a rua inteira ficou sem net por três dias kkkkk.

        • Eu estou demorando cada vez mais pra responder o pessoal. Tá tudo corrido por aqui! kkkkk
          Também peço desculpas pela demora, meu amigo.

          • Agente Smith

            Kkkkkkkkk, tranquilo kkkkkkk, só espero que você não suma mais, você faz falta amigo!

          • Tudo anda corrido demais, meu amigo. Mas eu estou tentando ao máximo não sumir! <3

          • Agente Smith

            <3

          • Agente Smith

            Já estava com saudades kkkkkk.

  • Estephano

    Excelente resenha.
    Gosto da HQ, a arte é o coração dessa história, inclusive o clima perturbador da história só chega nesse nível por causa da arte. Mas acho que só funciona em nesse tipo de história fora da cronologia mesmo, primeiro porque o Morrison e o Dave McKean tiveram a liberdade de alterar vários fatores do cânone do Batman, como o estilo dos personagens e tal, segundo que a arte fica bacana por ser algo fora do convencional, mas acho que não funcionaria se fosse repetida diversas vezes (nem teria como também).
    O encadernado capa dura dessa HQ é lindo demais.

    • Muito obrigado, meu amigo!
      A arte e o clima perturbador são a alma e o coração dessa história, com certeza.
      Sim, também acho. Essa é uma história para funcionar isoladamente. E o Morrison, embora não faça o melhor trabalho de sua carreira aqui, estava no seu auge. Ele é foda.

      Eu tenho ele aqui em casa. Ver isso no papel é outra história. Lindo demais da conta!

  • Herbie: De Volta ao Lar

    Ótima resenha,Jipeiro. Eu gosto da HQ,mas considero a arte superior ao roteiro.

    • Muito obrigado, Herbie!
      Concordo, meu amigo!

      • Herbie: De Volta ao Lar

        Por causa dessa HQ,veio o incrível Batman Arkham Asylum.

  • Lembro quando li essa resenha pela primeira vez. Nunca tinha ouvido falar da história pelo que me lembro. No mesmo dia, li em 40 minutos.
    Muito bom, Jipeiro.

    Obs: Jipeiro, te mandei um convite no Hangouts porque fiz um e-mail próprio. Aceita que eu quero conversar com você um pouco.

    • Muito obrigado, meu amigo!

      Obs: Demorei um pouquinho pra responder. Pode me mandar de novo o e-mail? kkkkk
      Obs 2: Vocês mudam muito de nick… Quem seria você? kkkkkk

      • Que e-mail, Sabixão?
        Ai am Pesadão.

        • Ué… Acho que nem precisa mais. Deve ser alguma coisa relacionada ao Hangouts, sei lá kkkkkk