Algumas pessoas escolhem ver a fealdade neste mundo, a desordem. Eu escolho ver a beleza. Acreditar que há uma ordem para nossos dias. Um propósito.

Westworld é uma série norte-americana, lançada em 2016. Desenvolvida pelos geniais Jonathan Nolan e Lisa Joy e estrelada por astros como Evan Rachel Wood (Dolores Abernathy), Anthony Hopkins (Dr. Robert Ford), Thandie Newton (Maeve Millay) e Ed Harris (Homem de Preto), a obra apresenta-se não apenas como dona de qualidades admiráveis: Westworld é a melhor estréia do formato dos últimos seis anos.

Reunindo teologia, filosofia e metafísica, de Shakespeare e Descartes à Darwin e Jesus, passando também por Platão e flertando com Asimov, a série é recheada dos mais profundos questionamentos. Amparados por direções seguras e personagens sublimes, Jonathan Nolan e Lisa Joy nos brindam com uma trama de cair o queixo, cheia dos mais arrebatadores reveses.

Os holofotes se voltaram para Westworld assim que a HBO anunciou sua mais nova aposta. Sabemos que a emissora impera quando se fala de séries, sejam elas de drama (Game of Thrones, The Wire, The Sopranos) ou comédia (Sex and the City). Mesmo nas minisséries (Band of Brothers, The Pacific) o “padrão HBO de qualidade” é enaltecido por público e crítica, varrendo as premiações por onde passa.

Ainda assim, desde Game of Thrones (2011—), foi difícil emplacar um novo sucesso dentre suas obras dramáticas. Vinyl, True Detective, The Leftovers… embora elogiadas pela crítica, nenhuma destas supriu as altas expectativas que as acompanhavam.

Com a adaptação da fantástica obra de George Martin chegando ao fim, e as comédias sendo pilares por demais frágeis para sustentar tamanha grandeza, era necessário que outra série dramática caísse nas graças do público.

Neste cenário, surge Westworld.

O Enredo

A premissa é retirada do filme homônimo de 1973, dirigido por Michael Crichton.

Westworld se passa num futuro distante, evoluído tecnologicamente. A trama é centrada num grandioso Parque — nomeado Westworld —, um simulacro do Velho Oeste, habitado por androides — chamados Anfitriões — que imitam perfeitamente a aparência humana, simulando nosso comportamento e raciocínio. Assim, Westworld é não mais que um “Parque de Diversões para adultos”, onde milionários podem passar seu tempo sem atinar-se às noções de moral e ética. Estão todos autorizados a cometer os atos mais condenáveis aos robôs — que, afinal, estão livres de sentimentos e são “reiniciados“ de acordo com seus ciclos narrativos.

Os androides atendem os desejos e ambições de seus Hóspedes, dia após dia, reiterando os comportamentos e reprisando as ações, em ciclos sem fim. O Parque é moldado de acordo com as atitudes dos visitantes, e cada uma de suas narrativas pode ser explorada das mais diversas maneiras.

E, com isso, episódio após episódio, nos é mostrada a jornada de autodescoberta dos Anfitriões: de forma sutil, com pequenas discrepâncias nos ciclos narrativos, eles se adaptam e evoluem, numa odisseia complexa, orquestrada de forma magistral. Conforme as androides Dolores (Evan Rachel Wood) e Maeve (Thandie Newton) caminham em busca de seu despertar, a série se torna mais e mais grandiosa, com intrincadas reviravoltas, até seu grand finale.

O maior trunfo de Westworld é exatamente a complexidade e poder de seu roteiro, que jamais subestima o espectador, desafiando-o constantemente para que desvende os imensuráveis segredos que guarda. Por mais vigilante que seja, as reviravoltas irão surpreendê-lo.

Personagens

A série nos presenteia com personagens humanos e de conceitos sólidos — há camadas e camadas mesmo para o mais secundário deles. Podemos perceber simbologias numerosas de Ford, o ”deus” deste mundo e maestro da maioria dos acontecimentos, à Clementine, simples personagem de apoio da cortesã Maeve. Prestando atenção, há várias faces, incontáveis traços de suas personalidades — tão cuidadosamente construídas —, que podemos perceber em pequenos detalhes ao longo da obra. Não há, dentre os primários e secundários, personagem unidimensional.

O dr. Robert Ford é, sem dúvidas, a mais cativante figura que a série nos traz. Anthony Hopkins traz uma atuação magnífica, honrando a notoriedade de seu nome. Sem brincadeiras ou exageros, aqui ele se mostra uma verdadeira entidade!

No fim do texto, deixo um vídeo incrível (em inglês) que mostra, quadro a quadro (numa cena de não mais que dez segundos), como Hopkins faz uso de sua magia para encarnar um Ford crível e tridimensional, cujos planos e propósitos jamais conhecemos por completo. As minúcias em sua atuação são estonteantes.

O doutor é um obscuro quebra-cabeças, multifacetado e de intelecto admirável, tendo tudo sob seu controle. Todos — ou, bem quase todos — são suas marionetes neste intrigante jogo de máquina versus homem.

Sempre trajado como um verdadeiro magnata dos clássicos Westerns da Era de Ouro do Cinema Americano, o ator nos traz uma figura antiquada para o núcleo de caráter futurista que temos na diretoria de Westworld. Das vestimentas aos seus ímpares apetrechos, Ford evoca o ambiente que seu pequeno mundo simula, com relógios de bolso e coletes ornamentados. No parque ele é uma deidade, aquele que tudo controla. O espectador logo se encontra deslumbrado com sua pessoa. É ele quem primeiro chama a atenção, o maestro de toda a orquestra, o mais interessante, profundo e misterioso dos personagens.

Dentre os Anfitriões, Dolores é, indubitavelmente, a dona do mais complexo psicológico. E a mais surpreendente, também. Nos primeiros minutos de série, temos estabelecido que os androides são incapazes de ferir seres vivos, sejam eles racionais ou não. ”Eles não machucariam nem uma mosca”, é dito (numa breve alusão às Leis da Robótica de Asimov).

E quem é a primeira a provar ao espectador o quão prepotentes são os seres humanos, se não Dolores, que esmaga calmamente uma mosca, quando o primeiro episódio chega ao fim? Temos, assim, nosso primeiro revés, advindo da relativa brutalidade de nossa ”imaculável” heroína: os Anfitriões não são tão inofensivos quanto pensam.

Este é apenas o início de sua metamorfose. A transformação de Dolores é executada de maneira sutil e cuidadosa, de acordo com sua complexidade. Ao final da obra, temos uma personagem completamente díspar daquela mostrada no início.

Evan Rachel Wood é a intérprete de nossa indecifrável protagonista, heroína que questiona sua própria realidade, esboçando consciência desde o primeiro episódio. Se reduzíssemos Westworld numa frase única, centrada num único plot, falaríamos, de forma inconteste, da jornada de Dolores em busca da autocompreensão. Ainda que não seja a única Anfitriã a defrontar tal jornada, toda a trama do ”despertar” tem ela como personagem central. Muitos dos acontecimentos — embora não suspeitemos num primeiro momento — giram em torno de sua busca.

A atriz entrega-nos uma atuação impecável, que merece destaque. Por diversas vezes lhe é exigida enorme competência dramática, a qual apresenta com perfeição. Seja chorando copiosamente enquanto muda suas expressões de maneira robótica ou atingindo as barreiras da sanidade em embates com seus próprios criadores, Dolores é crível e real, fazendo com que nos afeiçoemos de imediato.

E, como estes, há incontáveis personagens em Westworld que merecem o devido reconhecimento: William, Maeve, Bernard, Hector — interpretado pelo brasileiro Rodrigo Santoro —, Logan… todos cheios de camadas, donos de excepcionais diálogos e explorados pelo roteiro de forma magistral.

Reviravoltas

Atenção! Os próximos parágrafos estão recheados de spoilers e revelações sobre o enredo. Se ainda não assistiu, não leia! Nos reveses está o grande trunfo de Westworld: nada é o que parece.

Por isso, se for o seu caso, pule para ”Considerações Finais”.

Não divagarei muito aqui, apesar de este ser, de forma inconteste, o mais interessante dos tópicos.

É preciso dizer que os roteiristas de Westworld são astutos. Nem mesmo o mais atento dos espectadores (desconsiderando alguns malucos do Reddit) poderia prever algumas das surpresas que a série nos traz.

Os plot-twists crescem de forma gradativa e desconcertante. Devo dizer que não me sentia tão abalado com os reveses de uma obra desde, talvez, O Sexto Sentido, ou Amnésia — talvez Clube da Luta.

Digo… a série nos mostrava três momentos distintos da história do Parque, e sequer percebemos! Tudo o que envolve William e Logan, acontecendo num passado distante, isolado do restante dos núcleos… executar tal desafio sem que o espectador suspeite — até o sensacional último episódio — é, no mínimo, um feito de cair o queixo.

Também nos é revelado que os personagens William e Homem de Preto são, na realidade, a mesma pessoa. Aqui temos uma jornada de perdição desempenhada com primor. O tormento do personagem é verossímil, e tanto Ed Harris quanto Jimmi Simpson são exemplares no papel. A queda de William é uma tragédia bela, pautada no amor que o personagem sente pela Anfitriã Dolores — amor o qual é arrancado de seu peito, numa cena que exibe a inquestionável aptidão de Nolan para tais momentos dramáticos. Vemos, em apenas alguns momentos, um dos poucos homens bons e exemplares que rondavam o Parque cair, convertendo-se num cruel e sem escrúpulos pistoleiro.

Por fim, descobrimos que o grandioso plano de Maeve não era, de fato, de Maeve. Quando nos é exposta a intragável verdade, mais uma vez os olhos se arregalam, o coração bate mais forte. A cortesã é quebrada ao descobrir que, até ali, não possuíra livre arbítrio algum. Paradoxalmente, é quando ela toma sua primeira decisão, contradizendo a programação e ficando no Parque.

É ou não é impressionante? Como já disse, a obra nos presenteia com os mais arrebatadores plot-twists. Daqueles que fazem você sentar e assistir tudo de novo, desde o começo.

Várias das reviravoltas da obra clamam por um dois parágrafos, mas aqui me retenho. O genial roteiro nos conduz passo a passo, provocando e surpreendendo na mesma medida, inúmeras vezes. Seria impossível tratar de todas.

Considerações Finais

Westworld é uma série de qualidade cinematográfica. Com uma bela fotografia, direções exemplares, roteiro sublime e atuações digníssimas, todos os episódios são acima da média. E, apesar dos primeiros quatro ou seis serem considerados — por alguns — lentos, há razões para tudo o que acontece. Esta não é uma série de ação. Não espere encontrá-la. Ainda assim, há mil e um motivos para dar uma chance.

Me atrevo a dizer que temos aqui uma obra que, futuramente, será vista como um grande passo para uma evolução na qualidade das séries televisivas. Se a HBO já revolucionou com Game of Thrones e The Sopranos, aqui ela se supera. Há tempos não se via um sci-fi de tamanha qualidade, mesmo nos cinemas.

E, bem, talvez seja exagero meu, mas, se as próximas temporadas — são previstas cinco — retornarem com a mesma força, a HBO pode presentear-nos com uma das melhores séries já vistas. Acompanhá-la será uma experiência magnífica!

Westworld retorna para sua segunda temporada em 2018. A primeira está disponível pela HBO GO.

Links interessantes: https://www.youtube.com/watch?v=4kSGkGKwp9U

Westworld (Westworld) – EUA, 2016, cor. Formato: Série Gênero: Drama, Mistério, Ficção Científica, Western Duração de cada episódio: Aproximadamente 57 minutos. Criadores: Jonathan Nolan e Lisa Joy Elenco: Evan Rachel Wood, Anthony Hopkins, Ed Harris, Thandie Newton, Jeffrey Wright, James Marsden, etc.

Compartilhe

Sobre o Autor

Aspirante a romancista. Entusiasta de literatura, cinema, games, quadrinhos e séries, e um eterno amante das obras de Tolkien.

  • Herbie: De Volta ao Lar

    Ótima crítica. Talvez nas férias eu confira a série.

    • Aragorn II, King of Gondor

      Obrigado Herbie! Confira sim, é muito boa! 😉

      • “Muito boa”… Você diz por fora.
        Por dentro está mais ou menos assim: “É FODA PRA CARALHO, PUTA QUE PARIU, JONATHAN NOLAN ME ENGRAVIDA!!!!!” kkkkkkkkkkk

        • Aragorn II, King of Gondor

          KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK!!

          Você consegue ler meus pensamentos agora, por acaso? VIROU O XAVIER, FOI? Huahuahuahua!

  • Ghostface

    Cheguei hehe!
    Excelente crítica Aragorn! Muito bom. WestWorld é uma série que eu quero muito ver, mas não irei começar NADA até ter terminado Friends kkkkkkkkkkkkkk!

    • Aragorn II, King of Gondor

      Huahuahua…. obrigado, Ghostface!

      Cara…….. começa essa porcaria ASSIM QUE TERMINAR FRIENDS, tá me ouvindo? Kkkkkkkkkkkk!

  • Então… Nada é o que parece!
    Aragorn, esse seu primeiro texto foi ABSURDO. Caralho, mano, simplesmente incrível.
    Também acho que Westworld tem tudo para entrar no panteão das séries revolucionárias da HBO. Tudo parece ser feito com uma atenção gigantesca. E, bem, eu ainda estou no episódio 6 (sim, desde o carnaval kkkkkkkkkkkkk – que vergonha), então obviamente pulei a parte das revelações.

    “E quem é a primeira a provar ao espectador o quão prepotentes são os seres humanos, se não Dolores, que esmaga calmamente uma mosca, quando o primeiro episódio chega ao fim?”
    MANO… COMO EU NÃO TINHA PERCEBIDO UMA PORRA DESSAS? GENIAL! SIMPLESMENTE GENIAL!

    Eu gostei de todos os personagens. Concordo que cada um deles possuem camadas e camadas. Não são jogados hora nenhuma. A Dolores é adoravel, e a Rachel manda bem demais mesmo. Aliás, o Rodrigo Santoro está fenomenal também. Bate um orgulho!

    E eu acabei de assistir ao vídeo que linkou ao final. E, puta que pariu… O Hopkins é foda demais. E tudo isso foi em uma ÚNICA CENA! Caralho. Ele não é meu ator predileto à toa.
    Assim que eu terminar de ver essa merda (eu vou terminar, acredite), eu leio a parte de spoilers e volto aqui.

    • Aragorn II, King of Gondor

      NADA, meu amigo…. NADA! Aposto que seu queixo vai pro CHÃO no último capítulo! Se não sentir vontade de assistir tudo de novo, vou até te estranhar…. kkkkkk!

      Obrigado, Jipeiro!! E valeu por todas as dúvidas que você tirou para ele sair…. hahaha!

      Eu simplesmente NÃO TENHO DÚVIDAS que ela fará parte deste Panteão! Mas acho que, se expressasse tudo o que sinto pela série no texto, ia parecer muito fanboy…. huahuahua!
      Cara…. a atenção deles para com os detalhes é gigantesca. Até as CORES que os personagens SECUNDÁRIOS vestem tem significado. É MUITO perfeccionismo!

      Segredo? Nem eu tinha notado da primeira vez….. hahaha! É por esses e outros motivos que essa é uma obra que você não assiste só uma vez! Dá até um frio na barriga de perceber as pistas lá, o tempo todo…. GENIAL!

      Você não perde por esperar…. rsrs! Os personagens guardam MUITAS surpresas! A Rachel mereceu cada premio que ganhou pela Dolores, e…… cara, o Santoro não teve lá muito destaque, mas também senti um orgulho dele! Nas cenas que apareceu, foi DEMAIS! Espero que continue arrasando futuramente, com mais momentos para si!

      E essa nem é a cena inteira…. kkkkkkkk! O cara arrebenta MUITO!! Como eu disse, ele já é quase uma ENTIDADE como ator…… um dos meus favoritos também!

      Hahaha…. prometido que vai terminar? Eu vou te lembrar, hein?
      Então beleza….. espero teu comentário – sem dúvidas, completamente surtado – quando encerrar! E, pode anotar…. voce não vai acreditar no final!

      • TOMARA QUE CAIA! TEM QUE CAIR ESSA MERDA! kkkkkkkkk
        Eu é que agradeço pela experiência de ler esse texto SENSACIONAL!

        “É MUITO perfeccionismo”… Estamos falando de um Nolan, né! kkkkkkkk
        Sim, eu VOU terminar. Faltam 4 episódios, não é possível! kkkkkkk

        • Aragorn II, King of Gondor

          Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk! Faltam 4 episódios… mas temos que ver como 14, porque eu SEI que você vai querer assistir tudo de novo… hahaha!

  • Mr. Doom

    Aragorn, crítica espetacular! E vindo de você, acredito que não teria como ser diferente.
    Como lhe falei, só pelo elenco da série eu já fiquei motivado a assisti-la. Não é todo dia que se vê caras como Anthony Hopkins, Ed Harris e Rodrigo Santoro trabalhando juntos. Mas agora, ao acabar de ler sua crítica? Assistir a série virou compromisso! Obviamente, pulei a parte dos spoilers. Mas assim que conferir tudo – e espero fazer isso logo – volto aqui e leio.

    • Olha o cara se auto-elogiando.

      • Mr. Doom

        Teoria da Conspiração strikes backs.

    • Aragorn II, King of Gondor

      Valeu, Doom!
      Cara, estou ansiosíssimo para saber sua impressão da série. Sei que vai gostar! E, como disse, o elenco é DEMAIS! Toda a equipe da série é fantástica, pelo que pude ver.

  • Ótima crítica Aragorn/Didi/Doom!
    Talvez eu confira essa série.

    • Aragorn II, King of Gondor

      Valeu, Death! E para com essa zoeira de que eu = Doom…. kkkkkkkkkkkkkk!

      Mano, pelo que eu sei, é meio difícil de você ver…… hahaha! A série é bem pesada e complexa… mas sei que, se assistir daqui uns anos, vai amar!

  • Pedro, o Homem Sem Medo

    Olha o Aragorn aí:-)
    Que cara de garotão, hein…kkkkkkk
    Camarada, eu ainda não assisti a esta série, apesar de ser tão aclamada. Confesso que a temática sci-fi misturada com western me causou uma certa desconfiança. No futuro – espero que não muito distante -, eu pretendo dar uma chance para ela.

    Excelentíssima crítica!!!!

    • Aragorn II, King of Gondor

      Hahaha…. obrigado, Pedro!
      Sobre meu rosto…. eu avisei que não era o Viggo! Kkkkkkk…. mas é, catorze anos, nem resquícios de pelos na cara ainda! Rsrs….

      Meu amigo, eu te garanto, vale muito a pena. Se der uma chance, tenho certeza de que não irá se arrepender! O Sci-fi se alia ao Western e cria uma série grandiosa, que me conquistou profundamente.
      Sem exagero…. a HBO trouxe a proposta perfeita para substituir Game of Thrones!
      Se assistir, por favor, me diga o que achou! Hahaha….

  • N1N6U3M

    Excelente crítica!

    Não sou de seguir modinhas, pra mim Westworld é meu seriado preferido.

    Não vi e não pretendo ver Game of Thrones…

    Pra mim se Westworld tivesse uma produção trash tipo canal SyFy e fosse produzido com o mesmo roteiro e com os mesmos personagens eu continuaria sendo fã do seriado.

    Eu gosto muito de ficção científica e desde o filme original com o Yul Brynner que eu queria um seriado de televisão sobre o tema.

    Quantas vezes já aconteceu comigo de jogar jogos de tiro com a temática zumbi por influência dos filmes? Quantas vezes eu procurei por jogos de tiro que emulam o mundo do velho oeste?

    Várias e várias vezes. Desde a época que os computadores tinham Windows 95 eu jogava Outlaws da Lucas Arts e o mod para Quake 3 Arena chamado Western Quake. Mesmo antes de tudo isso brincando com meu computador Zx Spectrum jogava um jogo de 8 bits chamado “Westworld”, época dos fliperamas com emuladores de duelos do velho oeste, aqueles com um filme rodando num display e uma arma para o jogador interagir com a cena rsrsrs

    Pra mim é a realização de um sonho viver nessa época onde séries sobre zumbis são produzidas, onde o bom filme Madrugada dos Mortos se mostra como influente no gênero e vários jogos fascinantes como Left For Dead são produzidos.

    O Westworld da HBO consegue levar questões filosóficas importantes para uma audiência mais ampla utilizando como pano de fundo a ambientação do velho oeste, passado e futuro se mesclam numa única obra audiovisual. O seriado é espetacular, mas não por seu potencial pop e sim pela realização de coisas que seriam impensáveis nas décadas passadas, o mérito está em elevar a ficção científica a um patamar de prestígio que ela nunca teve.

    • Aragorn II, King of Gondor

      Valeu!

      Entendo o teu gosto. Game of Thrones segue, de fato, um padrão semelhante aos grandes blockbusters – continua sendo minha série preferida, mas reconheço que a profundidade filosófica de Westworld é algo que nunca se viu na TV. Pode, de fato, consagrar-se como a melhor série já feita, se as próximas temporadas seguirem na qualidade da primeira! Já é uma das minhas favoritas, claro.

      Pra mim se Westworld tivesse uma produção trash tipo canal SyFy e fosse produzido com o mesmo roteiro e com os mesmos personagens eu continuaria sendo fã do seriado.

      Este é outro dos grandes diferenciais da série: ela flerta com os mais diversos autores da ficção científica, sendo bastante…. literária, como não via há um bom tempo. O roteiro é seu grande trunfo, muito embora as atuações, direções e todos os outros trabalhos envolvidos influenciem em sua grandeza. A trama e as reviravoltas se sustentam por si só.

      Sobre o filme original… acabei adiando ele um pouco, mas pretendo conferir nas próximas semanas! Rsrs…. a proposta do Crichton é interessantíssima, e continua atual. Espero gostar!

      Quanto ao seu ponto de vista sobre os nossos tempos e as produções atuais, devo dizer: não vivi para me aventurar com os games que citou. O faroeste mais antigo que já visitei no mundo dos jogos foi o de Red Dead Revolver… hahaha!
      Ainda assim, compreendo o que quer dizer, e concordo. Ver tais produções tomando forma é um sonho realizado. TV, cinema e video-games nos brindam constantemente com obras de cair o queixo! Se eu já me encanto com a proporção que tomam, imagino quem viveu a era dos 8 bits!

      Seu último parágrafo é uma síntese perfeita sobre a grandeza da série. Foram capazes de unir ficção científica e Western numa combinação sublime!

  • Ótimo texto e ótima estreia. Eu vi o filme do Crichton – até escrevi sobre ele no Geeks – e achei mediano, mas a ideia é absurdamente genial, de modo que fiquei na expectativa pelo lançamento da série, ainda mais com Jonathan Nolan (criador da espetacular Person of Interest) na criação, esse elenco incrível, e obviamente por ser um western…rs Vi o primeiro episódio da série e resolvei esperar acabar a temporada pra ver tudo de uma vez e até agora não consegui fazer isso…rs Tentarei ver em breve.

    • Aragorn II, King of Gondor

      Obrigado Rodrigo!

      Ainda estou adiando o filme, mas pretendo assistir durante a semana. A proposta é tão atrativa que é difícil não sentir, ao menos, curiosidade… rsrs!
      Jonathan Nolan aqui foi sublime. Me senti na obrigação de procurar outros trabalhos dele… Person of Interest já está nos meus planos!

      Veja sim! Sendo fã de Western como é, sei que vai gostar!

      • N1N6U3M

        Person of Interest é muito bom.

      • Já coloquei pra baixar aqui. Person of Interest é incrível do começo ao fim, você vai gostar.

        • Aragorn II, King of Gondor

          Espero que goste! Rsrs…

          No momento, estou aproveitando uma oportunidade única para assistir – finalmente – The Sopranos, mas pretendo ver Person of Interest em breve. Vindo do Nolan, expectativas estão nas alturas!

          • Sopranos eu considero simplesmente a melhor série da história. Tenho até um texto começado sobre ele, mas ainda não finalizado. Está no topo das minhas séries prediletas, ao lado de Arquivo X e Sons of Anarchy.

          • N1N6U3M

            Dessas citadas por vocês dois gosto de Person of Interest, Arquivos X e Westworld.

  • Dave Mustaine Rebirth

    Cara,que crítica estupenda @aragorniisonofarathorn:disqus
    Sem exagero,no nível dos textos do Rodrigo,parece que o texto deixou a série ainda melhor do que é,eu fui lendo e me recordando dos eventos,e cara,relembrar eles da maneira como você os descreveu,chega á arrepiar,deu até vontade de rever,to ansiossimo para a segunda temporada.

    Só uma coisa,quantos anos você tem?

    • Aragorn II, King of Gondor

      Valeu Dave!

      Sem exagero,no nível dos textos do Rodrigo […]

      Mano, é uma honra receber um elogio DESSE nível…. hahaha! Mas, sinceramente, tenho MUITO o que aprender para escrever algo no nível do Rodrigo, o mito!
      Fico até emocionado que tenha gostado tanto da crítica… rsrs! Rever a série é sempre uma experiencia excelente, muita coisa passa batida da primeira vez (quer dizer, a não ser que você leia muitos posts sobre o assunto!). A Segunda Temporada promete ser fantástica… mas tá MUITO longe! Essa HBO…. [risos]

      Eu tenho catorze anos, meu amigo! Completei em maio. Então, segundo a classificação indicativa, eu nem deveria ter assistido à série… não que alguém, na História da Humanidade, tenha se preocupado com a classificação para assistir algo, né? Kkkkkkkkkkk!
      Bom, repetirei sua pergunta. E você? Tem quantos anos?

      • Dave Mustaine Rebirth

        Ah sim,muita coisa passa batido mesmo,é uma série bem complexa e que exige MUITA atenção do expectador.
        To com um hype enorme para a segunda temporada,quero muito ver o Samuraiworld.

        Catorze? Pela foto deu pra ver que é bem novo mesmo,rs.
        Eu tenho 19,a mesma idade do Jipeiro. Inclusive,eu achava que você tinha a nossa idade também,pelo jeito que você escreve,não parece ter só 14.

        • Aragorn II, King of Gondor

          Exato… hahaha! Eu fazia parte de um grupo sobre a série quando os episódios estavam sendo lançados, e a quantidade de detalhes que aquelas pessoas encontravam era quase sobrenatural. No terceiro episódio já previam plot-twists do último… e parece que alguns fãs do reddit já descobriram coisas da segunda temporada. É de dar medo…
          SAMURAIWORLD! Mano, hype tá no teto aqui. As escalações já indicam que deve rolar algo do tipo, já foram uns três orientais, se não me engano… xD

          Hahaha… valeu, Dave!
          Hm… 19! É, a diferença não é tão grande… rsrs! Obrigado pelos elogios, mano! E você também escreve bem pra caramba… ansioso pelos teus posts aqui no site!

          • Dave Mustaine Rebirth

            Eu fiquei pasmo com essas pessoas que já estavam prevendo plot twists dos últimos episódios enquanto os primeiros ainda estavam em exibição. Pior que,já tinha teorias de fãs sobre o fato do Bernard ser um robô e sobre o Willliam ser o homem de preto,então isso meio que “estraga” as revelações no final,por isso que eu nunca leio teoria de fãs, existe uma grande probabilidade deles estarem certos,ae você meio que toma uns spoilers não intencionais.

            Meu primeiro post aqui ainda vai demorar um pouquinho,mas logo sai

          • Aragorn II, King of Gondor

            Sim, cara!
            As teorias pra segunda temporada, o nível dos detalhes que essas pessoas encontraram, realmente me impressionaram ao ponto de eu sair do grupo. Já já conseguem prever o final da quinta temporada antes mesmo que saia a segunda… kkkkkkkkk!
            Exatamente. As teorias acabam sendo ”spoilers” dos episódios que virão, o que pode tirar um pouco a surpresa. Acho que o melhor é não acompanhá-las mesmo.. rs! Os fãs já fizeram a última temporada de Game of Thrones ser previsível para mim, não quero que o mesmo aconteça com Westworld.
            Bom, ansioso aqui, mano… teus posts são sempre incríveis!